Saint Laurent - Foto: Divulgação
Saint Laurent – Foto: Divulgação

Por Paula Jacob

Aconteceu no último domingo, 02.11, no Shopping Iguatemi a pré-estreia de um dos filmes mais comentados em 2014, Saint Laurent. Dirigido por Bertrand Bonello, o longa foi nomeado para concorrer na categoria de melhor filme em língua estrangeira no Oscar 2015 e concorreu à Palma de Ouro em Cannes.

O diretor, conhecido por fazer filmes com protagonistas pscicológicamente difíceis como em “O Pornográfico” (2001) e em “L’Apollonide” (2011), optou por contar um outro lado da história de um dos maiores nomes da indústria da moda. Ao invés de focar a narrativa da trama nas criações que fizeram de Yves um dos primeiros estilistas prêt-à-porter da época, Bonello traz a tona os vícios da época mais criativa do designer.

Saint Laurent - Foto: Divulgação
Saint Laurent – Foto: Divulgação

Protagonizado por Gaspard Ulliel, que faz jus a escolha do diretor para tal papel, o longa começa em 1974 e faz passeios entre datas do passado e futuro do personagem. A trama se desenrola de uma forma que os espectadores conseguem sentir momentos de angustia e de embriaguez passados por Yves.

Os micro-universos nos quais o estilista se fechava são reproduzidos de forma impecável. Inclusive o figurino, que por recusa de Pierre Bergé, ex-companheiro de Yves, foi recriado do zero pela equipe de produção.

Saint Laurent - Foto: Divulgação
Saint Laurent – Foto: Divulgação

Personagens importantes que fizeram parte da vida do designer não deixam de aparecer na trama, como a musa Loulou de La Falaise, interpretada pela atriz francesa de La Vie De Adèle, Léa Seydoux. Os modelos Betty Catroux (Aymeline Valade) e Jacques de Bascher (Louis Garrel), e claro, o ex-parceiro de negócios e da vida, Pierre Bergé (Jéremie Renier).

O start-up da semana de moda paulistana não poderia começar de outra forma, se não com o retrato da vida do estilista genial que soube conquistar o universo feminino em metamorfose.