Obras de Sério Camargo - Foto: divulgação
Obras de Sério Camargo – Foto: divulgação

A Lisson Gallery de Londres apresenta até 4 de julho exposição individual do brasileiro Sério Camargo, reconhecido como um dos escultores brasileiros mais importantes, cuja obra não havia sido exposta na capital inglesa há mais de 30 anos. Embora nunca tenha se filiado oficialmente a nenhum movimento, seu nome esta associado ao construtivismo e ao legado moderno. Colaborou frequentemente com Oscar Niemeyer, por exemplo, para quem produziu o muro estrutural de 25 metros de comprimento no Palácio do Ministério das Relações Exteriores, em Brasília.

Além disso, realizou outras importantes obras em espaços públicos, como o tríptico para o Banco do Brasil de Nova York; coluna Homenagem a Brancusi para a Faculdade de Medicina de Bourdeaux, França; escultura na Praça da Sé, São Paulo, e monumento para o Parque da Catacumba, Rio de Janeiro.

Obra de Sério Camargo - Foto: divulgação
Obra de Sério Camargo – Foto: divulgação

Em exposição na Lisson estão trabalhos em mármore preto e branco, material com o qual o artista começou a experimentar nos anos 1960 e que passa a ser sua matéria-prima quase exclusiva a partir dos anos 1970. Com o novo material, que é tradicionalmente escultório e reage à luz, sua obra ganha novos contornos e dramaticidade. Até então conhecido por seus relevos de parede, nessa época ele passa a produzir peças de chão que o permitem experimentar com os volumes geométricos – cilindros, cubos, retângulos, de forma mais radical, testando os limites da matéria e forma, criando obras autonômas que exploram volumes, luz e espaço.

Elegantes e minimalistas, estas peças representam um ponto de encontro e equilíbrio entre a racionalidade e o caos, a ordem e sua quase dissolução como enfatizou um dos maiores críticos de seu trabalho, Ronaldo Brito. (www.lissongallery.com)