Foto: Jonathan Wolpert

A ansiedade causada pelas redes sociais e as telas que encaramos todos os dias (como celulares, tablets e TV) serviram de inspiração para que o carioca Antonio Kuschnir desse vida à série de pinturas Choro. Nas 15 telas, em tintas a óleo e acrílica, ele relata como cresceu o poder de julgamento no mundo digital e como isso foi intensificado pela pandemia. A abertura da exposição acontece neste sábado (28.11), na galeria b_arco, em São Paulo.

SIGA BAZAAR NO INSTAGRAM

“O choro e o grito aparecem nas telas em diálogo com monitores de computador, celulares e espadas – objetos ambíguos de gozo, poder, tortura e morte no mundo contemporâneo”, explica Kuschnir. Em sua arte, propõe confrontar, assimilar e curar feridas estruturais, sociais e afetivas, tão afetadas e intensificadas neste momento de pouca socialização. A mostra ainda propõe ao visitante refletir sobre a conjuntura política, a desigualdade e os padrões sociais, encarando feridas para transformá-las.

“A expressividade dos objetos do cotidiano e a violência nas pinturas são alegorias para mostrar o quão fácil é julgar o outro e ser julgado nos dias de hoje”, explica o curador Victor Valery. “A tecnologia quando mal direcionada pode ser utilizada como ferramenta de disputa de poder e dominação nas relações contemporâneas.”

Neste recorte, Kuschnir retrata objetos do cotidiano, como o celular, que está cada vez mais incorporado ao nosso dia a dia, como um veículo de medo e angústia. Com curadoria de Victor Valery (da Vandal Art), a expo fica em cartaz até 31 de janeiro de 2021, com visitação apenas com hora marcada. Para marcar visita ou pedir o catálogo para compra, faça contato via e-mail.


Exposição “Choro”, Antonio Kuschnir
Curadoria: Victor Valery
De 28 de novembro a 31 de janeiro de 2021, na _galeria b_arco
De seg a sex., das 10h às 17h; aos sábados, abre uma hora mais tarde, às 11h.