Arte: Felipe Rodrigues / Cauã Reymond veste Foxton – Foto: Henrique Gendre, com edição de moda de Luis Fiod, beleza de Max Weber, produção executiva de Zeca Ziembik e Pedro Aboud e produção de moda de Natan Machado

Cauã Reymond fala sobre sustentabilidade, paternidade e a marca que quer deixar no mundo no podcast Garotxs da Capa, exclusivo de Bazaar. Nosso cover boy da primeira edição de 2021 conta da sua rotina de malhação, já que ele desmontou a sala de casa para transformar em academia. De dentro de seu carro (que é elétrico), onde ele brinca ter o melhor sinal de internet de sua casa, narra sobre alimentação, o retorno ao trabalho e a pressão de – aos 40 anos – permear o imaginário popular como sex symbol.

“Consigo me descolar dos meus personagens e da imagem que as pessoas têm de mim. É como se eu tivesse noção de uma certa pessoa jurídica. Sou e eu tenho a minha pessoa física”, ri. “Fui encontrando ser quem eu sou, educado e respeitar o imaginário do outro. Sem ter essa necessidade de ser deselegante ou mal educado nos períodos que você acaba tendo um pico maior de fama”, conta.

Durante um momento da vida, teve a sensação de que precisava preencher esse imaginário, mas a análise lacaniana (se você vacilar, vai embora em 15 minutos), ajudou muito a ir se descolando dessa imagem. E garante que os melhores personagens vieram a partir dos 34 anos – ou seja, há seis. “Desejo sempre estar bem dentro da minha idade. Me cuido, gosto de comer bem e da sensação do meu corpo estar bem”, avalia.

Com o avançar da idade, vem também a possibilidade de escolher melhor os projetos que está envolvido, se cuidar e não esquecer de beber água. “Sou vaidoso, gosto de me sentir bonitão e tal. Mas eu acho muito importante essa realidade. As coisas vão mudando e outras coisas vão surgindo. A paciência chegou, a maturidade profissional, uma estabilidade que eu não tinha com os meus 20 anos, chegou.”


ROTINA
Cauã faz sauna para combater ao estresse quando está com carga de trabalho volumosa, devido às gravações, e nunca esquece o protetor solar. Em suas palavras: pode viajar para o Havaí e ficar um mês surfando que não vai descascar. Se pegar muito sol, passa um hidratante e vai se cuidando. Às vezes, faz máscaras com a mulher e acha divertido. Recentemente, experimentou no rosto uma de argila mexicana asteca. Acredita que a principal ferramenta para a saúde, beleza e bem-estar é dormir bem. “Maior desafio da nossa sociedade, que é inundada de telas de mensagens”, pontua.

Sobre
“Garotas da Capa” é o primeiro podcast original de Harper’s Bazaar Brasil. Nos programas, você encontra conversas com as mulheres (e alguns homens) que estamparam a ‘frontpage’ da revista brasileira. As entrevistas, mais descontraídas, são sobre moda, música e comportamento. Disponível nas principais plataformas de streaming, o programa tem apresentação dos editores de Bazaar, com criação, apresentação e roteiro de André Aloi, edição de Anna Livia Marques e arte de capa por Felipe Rodrigues.