Pôster de "O Espião que me amava"/Reprodução

Por Gabriela Longman

Garotas gostosas, carros velozes e diamantes – só podia ser Bond. A frase, veiculada no trailer do game 007: Blood Stones, relembra os distintivos do espião sedutor que, há décadas, pauta comportamentos masculinos que a gente ama e odeia.

Para celebrar os 50 anos da franquia cinematográfica 007, o Barbican Centre, em Londres, organizou uma incursão pelo estilo de James Bond, reunindo roupas, acessórios e objetos tornados referência para o consumo de luxo. Óculos escuros, maleta, perfume. “Tudo está nos detalhes”, já dizia o personagem.

Com  curadoria  da historiadora da moda Bronwyn Cosgrave e da figurinista Lindy Hemming, a mostra  agrupa looks do espião desenhados por Giorgio Armani, Tom Ford, Oscar de la Renta, Donatella Versace e Miuccia Prada. Sem falar, é claro, do biquíni branco de Ursula Andress, estrela do primeiro filme da série, 007 Contra o Satânico Dr. No, tornado hit nos anos 1960, e do figurino que Daniel Craig usará em Skyfall, previsto para outubro.

Embora o primeiro filme date de 1962, o personagem é quase sessentão. Criado pelo escritor Ian Fleming, ele caiu no gosto dos britânicos com uma coleção de livros de bolso dos anos 1950. De lá para cá, vieram filmes, série de TV, quadrinhos, games e uma leva de fãs.

Para eles, as celebrações reservam, ainda, uma caixa com 22 títulos em blu-ray (em prévenda na Amazon) e uma exposição com 50 carros, no Museu Beaulieu, em Hampshire.

Para quem não se contenta só em olhar, há um site que vende o  “jeito Bond” de viver. Dá para comprar viagens, relógios, roupas e uma infinidade de gadgets (jamesbondlifestyle.com).

Mas o charme do espião, isso não há quem venda. Os homens reais podem até comprar diamantes, mas… e a voz levemente rouca que diz “My name is Bond. James Bond”?

Desining 007.
De 6 de julho a 5 de setembro
Barbican Centre – Londres
barbican.org.uk/bond