guilhermo

Em seus filmes, o cineasta mexicano Guillermo del Toro cria mundos. Cada canto da tela é povoado por detalhes, seja em Hellboy (2004), O Labirinto do Fauno (2006) ou no recente A Colina Escarlate (2015). Ele é famoso por sua Bleak House, que abriga suas coleções particulares e sonhos, como um quarto onde chove o tempo todo. Agora, sua imaginação vai ao museu, com a exposição Guillermo del Toro: At Home with Monsters, que fica em cartaz entre 31 de julho e 27 de novembro no LACMA, em Los Angeles. Cerca de 500 peças – esculturas, pinturas, gravuras, fotografias, figurinos, artefatos antigos, livros, maquetes e filmes – refletem o aspecto amplo de suas inspirações. “Esta exposição reúne uma pequena fração das coisas que me emocionaram, inspiraram e consolaram ao longo da minha existência. É uma amostra da devoção enorme requerida para criar, manter e amar os monstros de nossas vidas”, declara o diretor no material sobre a mostra. Ela está dividida em oito seções: Infância e Inocência explora o papel central das crianças em seus filmes, Vitoriana traz referências aos períodos romântico, vitoriano e eduardiano, Quarto da Chuva reproduz o ambiente da casa de Del Toro, Magia, Alquimia e o Oculto explora sua relação com a ciência e a magia, Filmes, Quadrinhos, Cultura Pop expõe sua obsessão por Hitchcock, Buñuel e Moebius, Frankenstein e Terror revela seu amor pela história, Seres Estranhos e Monstros, sobre sua relação ambígua com eles, de compaixão e horror, e Morte e Pós-Morte, sobre seus confrontos com ela desde cedo, morando com a avó católica perto de um necrotério