Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Por Cibele Maciet

É quase impossível visitar a capital da Catalunha rapidamente: a arquitetura de tirar o fôlego de Gaudí, as charmosas praias, os bares com tapas e drinks intermináveis, os clubes e suas festas animadas, o povo acolhedor, tudo é motivo para prolongar a estadia. Mas se você gostar de acordar cedo e tiver pernas para andar muito, é possível conhecer em um dia uma boa parte dessa joia mediterrânea com clima de férias o ano todo – o inverno é ameno, e o verão, bem quente.

Pernas para que te quero!
Comece pelo Park Güell no bairro de Gràcia, uma cidade-jardim construída de 1900 a 1914 por Gaudí que oferece uma das mais belas vistas panorâmicas da cidade (o local abre às 08h30, ponto para você!). O parque – que, a priori, era para ser um condomínio residencial de luxo – , estendido em 17 hectares, merece pelo menos umas duas horas de visita.

Desça de táxi, de metrô (são só três estações: de Vallcarca ou Lesseps até Passeig de Gràcia, na mesma linha, a verde L3), ou com o ônibus 24, até a elegante Passeig de Gràcia, avenida no coração da Eixample (parte moderna e nobre da cidade) que liga o bairro de Gràcia até a Plaça de Catalunya, uma das praças principais da cidade. No Passeig existe uma grande concentração de prédios modernistas catalães de diferentes arquitetos – por isso também é chamada de Ilha da Discórdia – , como o Pedrera e a Casa Batló, de Gaudí (dica: o local organiza eventos especiais noturnos, principalmente no verão, informe-se aqui); a Casa Lleó Morera, de Lluís Domènech i Montaner; a Casa Amatller, de Josep Puig i Cadafalso; a Casa Fuster, de Lluís Domènech; entre muitas outras construções notáveis. Considerada como a Champs Elysées espanhola, a Gràcia também é a meca do shopping, com destaque para butiques fast fashion, joalherias e grandes marcas internacionais e nacionais.

Foto: Cibele Maciet
La Sagrada Familia – Foto: Cibele Maciet

Logo em seguida desça a pé até a Las Ramblas, avenida que liga a Plaça de Catalunya à Ciutat Vella, centro histórico dessa cidade de 5 milhões de habitantes, e ao porto, local animado e moderno, cheio de gente bacana. Na Rambla estão apinhados cafés, restaurantes, vendedores ambulantes, o mercado coberto La Boqueria, teatros, o impressionante Palau Güell, o bairro gótico, a catedral de Barcelona, enfim, um passeio obrigatório! Se perca, se ache, entre em um dos inúmeros restaurantes para comer tapas, bebericar um xerez e ver a vida passar ao som do ritmo barcelonense.

Continue o trajeto até o porto (Port Vell) e a Barceloneta, praia mais perto do centro (se preferir, vá de ônibus). Tome uma cervejinha, passeie pelo calçadão, admire o mar e os passantes. Bom, o roteiro infelizmente já acabou, mas tenho certeza que você voltará logo e com mais tempo à “Barna”! ¡Vale!

Como ir:
Vá de trem: da França, parta de de Paris, Lyon, Marseille, Aix en Provence, Montpellier, Toulouse – e outras cidades – , até Barcelona-Sants num trajeto sem baldeação, pela cooperação  Renfe-SNCF. O trajeto Paris-Barcelona é de 6 horas e 30 minutos – é longe, mas perfeito para quem quer carregar mais de duas malas e trabalhar com wi-fi.

Onde ficar:
Aproveite e já se hospede na Passeig de Gràcia, perto dos monumentos modernistas e da avenida Las Ramblas. O Majestic Hotel & Spa Barcelona é uma ótima opção, com mais de mil obras de arte nos muros – coleção pessoal da família hoteleira Soldevilla-Casals, proprietária do estabelecimento – e um dos rooftops com piscina mais cobiçados da cidade. O café da manhã é rico e variado e o chef catalão Nandu Jubany, no comando dos três restaurantes do local, possui uma estrela no Michelin. Vale a pena!

Mais informações:
Turismo de Barcelona
www.barcelonaturisme.com