Busca Home Bazaar Brasil

Conheça a morada de Ian Fleming, autor de 007, na Jamaica

Local é um paraíso com praia particular

by Antonella Salem
Joana em frente a uma fachada típica no caminho para a casa onde morou o britânico sir Noël Coward - Fotos: André Sousa

Joana em frente a uma fachada típica no caminho para a casa onde morou o britânico sir Noël Coward – Fotos: André Sousa

Por Joana Nolasco

O voo aterrissa em Montego Bay e logo pegamos a van. O motorista é um rastaman, com seus dreadlocks e boina de tricô vermelha, amarela e verde. E ao som de reggae, com praias lindas passando pela janela, começamos a viagem à Jamaica e nem sentimos o tempo passar até chegar ao hotel: GoldenEye.

Já visitei mais de 45 países, e essa ilha do Caribe entrou, em maio, para a minha hot list. Viajei com meu marido, o advogado André Sousa, por cinco dias, tempo suficiente para relaxar.

A Jamaica é daqueles destinos que têm um ritmo diferente, uma paisagem que te envolve e te acalma. Cercado por jardins tropicais e praias desertas, o GoldenEye não poderia ser mais inspirador. Imagine um lugar onde Ian Fleming, um dos mais consagrados autores, escreveu os 14 best-sellers da série do espião James Bond e onde Sting compôs a música “Every Breath You Take”, que lhe rendeu um Disco de Ouro.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

A consultora em um fim de tarde perto da praia, no GoldenEye - Fotos: André Sousa

A consultora em um fim de tarde perto da praia, no GoldenEye – Fotos: André Sousa

Propriedade do produtor musical britânico Chris Blackwell, dono da Island Records, gravadora que descobriu e lançou talentos como Bob Marley e U2, reúne 49 acomodações, entre cabanas e villas dos sonhos.

Ficamos na Fleming Villa, a casa onde morou o escritor – hoje um anexo do hotel, com cinco quartos, todos com chuveiro ao ar livre e banheira maravilhosa. O legal de ficar lá foi a privacidade, a praia só nossa e poder ir e vir ao spa, às piscinas e aos restaurantes.

O spa, que ocupa uma cabana à beira da lagoa - Fotos: André Sousa

O spa, que ocupa uma cabana à beira da lagoa – Fotos: André Sousa

Alugada por famílias, a casa foi decorada com extremo bom gosto. A colcha da cama combina com os roupões feitos com tecidos batik escolhidos pela esposa de Blackwell. E há muitos vestígios da história pelos cantos. Como o Disco de Ouro de Sting e a escrivaninha na qual Fleming escreveu suas obras. Sentei-me ali e fiquei só imaginando… Fleming, que era um oficial da marinha britânica, chegou à Jamaica por acaso, se apaixonou, comprou a casa e se mudou.

Vista de uma beach villa para a praia principal - Fotos: André Sousa

Vista de uma beach villa para a praia principal – Fotos: André Sousa

Amava observar pássaros, e seu livro de cabeceira era “Birds of The West Indies”, cujo autor se chamava James Bond – daí o nome do personagem! Dr. No, primeiro filme da série, foi produzido na ilha.

Um dos bangalôs da nova área do hotel -  Fotos: André Sousa

Um dos bangalôs da nova área do hotel – Fotos: André Sousa

Estando lá, vinha à minha cabeça a cena de Ursula Andress, linda, saindo do mar de biquíni branco. Após a morte de Fleming, sua musa inspiradora, Blanche Lindo, pediu ao filho que comprasse a casa para que ela pudesse continuar a frequentá-la. O filho, Chris Blackwell, realizou o sonho da mãe tempos depois.

Essa história toda foi contada pelo próprio Blackwell durante um jantar no restaurante Gazebo. Enquanto eu comia um polvo grelhado divino, ele narrava os detalhes.

Joana Nolasco debaixo de uma das árvores do espaço da Fleming Villa reservado para o almoço ou jantar ao ar livre - Fotos: André Sousa

Joana Nolasco debaixo de uma das árvores do espaço da Fleming Villa reservado para o almoço ou jantar ao ar livre – Fotos: André Sousa

Muitos de seus amigos da indústria musical começaram a pedir para passar férias no local, para se inspirar. Então, em 2010, resolveu abrir o GoldenEye no terreno de 52 hectares. Manteve a casa e a chamou de Ian Fleming Villa.

Dia a dia
Toda manhã, eu acordava e fazia aula de ioga na villa, com vista para o mar. Tomava café e ia para o hotel. Adorei descobrir que o GoldenEye toca um projeto de proteção ambiental, que proíbe a pesca e educa a população.

The Eye Pool vista de cima, a piscina de água salgada que faz uma divertida homenagem ao nome do hotel - Fotos: André Sousa

The Eye Pool vista de cima, a piscina de água salgada que faz uma divertida homenagem ao nome do hotel – Fotos: André Sousa

Por isso, bem em frente existe muita vida marinha – ótimo para o snorkelling. Vi várias espécies, como a barracuda e o peixe-leão. Também foi demais o passeio em um barco com fundo de vidro, de onde observamos peixes e corais.

A Fleming Villa, antiga casa de Ian Fleming, onde se inspirou para escrever os 14 bestsellers da série do espião James Bond - Fotos: André Sousa

A Fleming Villa, antiga casa de Ian Fleming, onde se inspirou para escrever os 14 bestsellers da série do espião James Bond – Fotos: André Sousa

À tarde, stand up na lagoa, massagem e drinks no bar da piscina, supercool, com colunas cobertas de recortes de jornais. No fim do dia, lia sentada em uma das cadeiras coloridas do jardim da villa, sob a brisa do mar. Um dia visitamos a casa onde morou sir Noël Coward, no alto de uma montanha. Escritor, roteirista e pintor britânico, recebeu ali amigos famosos, como Elizabeth Taylor, entre 1940 e 1970.

Joana no bar da piscina do GoldenEye - Fotos: André Sousa

Joana no bar da piscina do GoldenEye – Fotos: André Sousa

No caminho, paramos em um povoado típico e fotografamos sem parar. Naquela tarde, o pôr-do-sol foi mágico e o visual, inspirador. Jamaica? Já!