Por Carol Bassi

O sol se põe e vejo o espetáculo que colore o Mar do Caribe sentada em uma das partes das muralhas construídas no século 16. Cidade superpitoresca na Colômbia e cheia de cantinhos para se descobrir, Cartagena das Índias (ou, simplesmente, Cartagena) é uma imersão no tempo – Patrimônio Mundial da Humanidade. Já estive lá uma vez, com duas grandes amigas, e gostei tanto que resolvi voltar, em fevereiro, com o meu namorado, Pedro Venzon. Como somos arquitetos por formação, para nós foi uma experiência muito especial. Cada rua, cada casa, é carregada de história e preciosidades arquitetônicas do passado colonial.
Escolhemos ficar na cidade fortificada, que, apesar de bem turística, é a melhor opção para curtir a alma e a vibe colombiana, repleta de restaurantes, bares, pequenos hotéis boutique e lojas. Decidimos testar os serviços do Airbnb e alugar um apartamento, lindo e despretensioso, ali no burburinho, para sentir, com mais força, a atmosfera lúdica. A feliz surpresa foi que ganhamos uma amiga, a proprietária, Céline Lerebourg, uma francesa ultraengajada no mercado de artes colombiano, que nos mostrou o melhor de Cartagena.

No café da manhã, alternávamos entre o La Brioche (dica da Céline, onde experimentei um delicioso pain au chocolat) e a Pastelería Mila Vargas, cheia de charme e ao mesmo tempo descolada. É o tipo de lugar em que você entra e não quer mais sair. Meu café favorito: mocacchino, e adorei o cheesecake de Nutella. Pensando em boa mesa, o sushi bar Tabetai foi um dos grandes achados da viagem, pequeno, simples e irresistível. Outra ótima descoberta, St. Dom é uma loja multimarcas com curadoria bacana de objetos de design, vestuário (comprei biquínis lindos!) e objetos de arte, em um ambiente bonito e despojado.
Cansou de caminhar pelas ruelas bordadas de casinhas pintadas e comércio turístico? Parada obrigatória, o Museu da Iglesia de San Pedro Claver, belo exemplo da arquitetura colonial espanhola, tem um átrio e um jardim tropical incrível. Ali tive a sorte de relaxar na companhia de araras e esquilos que habitam o local. Também conheci a Calle de la Tablada, caminho tranquilo, ótimo para um drink após o almoço, e as proximidades da Plaza de la Santisima Trinidad, onde a população de Cartagena verdadeiramente mora. As ruas possuem grafites sensacionais que valeram várias fotos. Lá fica o bar Demente, de onde adorei contemplar o pôr-do-sol. Superanimado, ferve nas noites de sexta e sábado e serve pequenas porções de tapas para compartilhar. O crab é maravilhoso!
Aproveitei meus dias em Cartagena para curtir também o mar caribenho. Com acesso de barco, o beach club El Pescador de Colores (eles têm botes privativos para o transporte de clientes) foi imperdível, com almoço e drinks de frente para a água. Turística, porém, surpreendente, Playa Branca foi outro must. Alugamos um barco só nosso e ficamos no canto esquerdo, mais afastados da grande quantidade de visitantes e barracas. A cor da água, azul cristalino, a temperatura e o visual da areia branquinha valeram cada segundo.

Leia mais: Confira um roteiro completo de Lisboa