Foto: Arquivo pessoal/Fernanda Fehring

Por Fernanda Fehring

Existe um lugar no Brasil que eu gosto muito, mas muito mesmo. Gosto tanto, que quando recebi o convite para começar a escrever minha coluna para a Harper’s Bazaar Brasil, o escolhi como tema para meu artigo de estreia. Este lugar é a Comuna do Ibitipoca, que fica em Lima Duarte, Minas Gerais.

Foto: Fernanda Fehring

A Comuna pode ser definida como um “projeto socioambiental experimental”, que começou com a compra da Fazenda do Engenho em 1984 e hoje abrange mais de 5.000 hectares de uma mata anteriormente degradada – e que atualmente tem 99% de seu território em processo de recuperação de flora e fauna nativas da Mata Atlântica. Foi também um dos primeiros hotéis do Brasil a praticar, de verdade, o turismo regenerativo – que tem como conceito incentivar o visitante a “deixar o lugar melhor do que encontrou” por meio de ações sociais, consumo consciente e proteção ao meio ambiente.

Foto: Fernanda Fehring

A história completa de como a Comuna começou e no que se transformou é maravilhosa e vale a pena ser lida, pois é um verdadeiro caso de amor de seu criador, Renato Machado, com a preservação da natureza.

Foto: Fernanda Fehring

Mas o tema desta coluna é sobre mais um dos lugares de charme que encontramos para hospedagem dentro deste pequeno pedaço de paraíso que é a Comuna do Ibitipoca. Me refiro à Casa Carlinhos, um charme de casa de fazenda em uma das melhores localizações de toda a Comuna. Algumas das melhores suítes de toda a propriedade estão lá e há tempos já queria conhecer esse lugar. Sendo assim, quando surgiu uma oportunidade de voltar à Comuna para conhecê-la, não pensei duas vezes.

Foto: Fernanda Fehring

Casa Carlinhos

A Casa Carlinhos é mais uma opção de hospedagem dentro da Comuna e parte da categoria Engenho, assim como o Engenho Lodge, casa de fazenda datada de 1712 com oito lindas suítes. As outras categorias são a Remote, com casas de charme em picos bastante remotos e em total isolamento, e a Village, com casas para aluguel no vilarejo do Mogol, um típico vilarejo mineiro cercado por lindas cachoeiras.

Foto: Fernanda Fehring

A Casa Carlinhos é como uma casa de veraneio, extremamente charmosa e confortável, separada do restante do hotel e que pode ser alugada por famílias e grupos de amigos. A casa tem três excelentes suítes, a maior com 70 metros quadrados, e vista para o lindo Pico do Gavião. Conta ainda com sala de estar, sala de jantar e cozinha americana

Foto: Fernanda Fehring

 

Foto: Fernanda Fehring

Uma deliciosa varanda, que ladeia a casa e tem vista para o lago, é o lugar perfeito para ler um livro ou tirar uma soneca na rede escutando o som de grilos e sapos vindo do jardim. Divino!

Foto: Fernanda Fehring

 

Foto: Fernanda Fehring

Os hóspedes podem usufruir de todos os serviços e da estrutura do hotel, e fazer atividades como aulas de ioga, trilhas, banhos na jacuzzi e sauna. A academia do hotel também está aberta aos hóspedes da Casa Carlinhos, e o spa – pertíssimo dali – oferece excelentes massagens e tratamentos corporais.

Foto: Fernanda Fehring

 

Foto: Fernanda Fehring

Gastronomia

As refeições são servidas no lindo restaurante do Engenho Lodge e a hospedagem é full-board, e inclui café da manhã, almoço, chá da tarde e jantar. Há também a opção de receber o mise en place, com todos os ingredientes já cortados e com instruções para serem finalizados pelos próprios hóspedes na cozinha da casa. Uma opção bacana também é visitar o restaurante vegetariano Yucca, localizado no vilarejo do Mogol, a 8 km dali

Foto: Fernanda Fehring

O menu da Comuna foi desenvolvido pelo chef Claude Troisgros e tem como especialidade a comida mineira com um “twist” francês. A maior parte dos alimentos servidos são produzidos localmente e de maneira orgânica, e tudo é preparado em fogões à lenha (uma maravilha!).

Foto: Fernanda Fehring

A atenciosa equipe também adora surpreender seus hóspedes e organizar refeições em diversos lugares da propriedade. Piqueniques em mirantes, almoços e jantares na beira de cachoeiras, ao lado das estátuas gigantes ou embaixo de jabuticabeiras – não existe obstáculo para criar uma experiência inesquecível para os visitantes.

Foto: Fernanda Fehring

Fora todos os paparicos e surpresas, o mais bacana foi saber que todos os queijos, cachaças, goiabadas, licores e outras delícias servidas na Comuna são de pequenos produtores locais, e todos os que provei eram ótimos. Vale também mencionar que os bolos e pães preparados diariamente pela equipe da cozinha para o café da manhã são absolutamente deliciosos.

Foto: Fernanda Fehring

 

Foto: Fernanda Fehring

O que fazer por lá

A Comuna conta com uma gama enorme de atividades para quem se hospeda por lá. Talvez a maior atração do lugar, além da natureza exuberante, seja a coleção de estátuas gigantes feitas pela artista plástica americana Karen Cusolito – parte da série “Crude awakening”, foram feitas de sucata para e festival Burning Man de 2007. São sete estátuas com nomes e temas relacionados à adoração, exaltação e prostração.

Foto: Fernanda Fehring

A maior e mais famosa delas, “Ecstasy”, a mulher levemente curvada para trás, mede mais de 9 metros, pesa 9 toneladas e é de uma beleza impressionante.

Foto: Fernanda Fehring

Além das estátuas, há também várias outras obras de arte espalhadas pelo local, fazendo da Comuna um verdadeiro museu a céu aberto. Para quem ama estar perto da natureza, a pedida é o sensacional circuito de cachoeiras, piscinas naturais e até uma prainha chamada Circuito das Águas, e mais de 200 km de trilhas por toda a propriedade que podem ser exploradas fazendo trekking ou com mountain bikes.

Foto: Fernanda Fehring

 

Foto: Arquivo pessoal/Fernanda Fehring

Passeios a cavalo ou de bicicletas assistidas (e-bikes) são também ótimas opções, mas o que me encantou mesmo em minha última visita foi nadar no Lago Negro, um lago deslumbrante com uma ótima estrutura com SUPs e trampolins de 3 m e 6 m. Pura diversão!

Foto: Arquivo pessoal/Fernanda Fehring

 

Foto: Fernanda Fehring

Visitar o Mogol, o típico vilarejo mineiro que se encontra dentro da Comuna (e que também é um tipo de hospedagem) é um programa obrigatório. O lugar tem apenas 188 moradores e é um verdadeiro charme, com uma linda igreja e casinhas coloridas ao seu redor. Conta com algumas das cachoeiras mais incríveis da região e tem ótimas trilhas para e-bikes. Seu projeto social também é belíssimo, com uma escola e universidade criadas para atender as crianças e jovens da região.

Foto: Arquivo pessoal/Fernanda Fehring

No caminho para o Mogol, uma parada para conhecer mais um projeto sensacional criado por Machado: o MIB – ou Muriqui Instituto de Biodiversidade – uma ONG que atua na defesa, proteção e manutenção de ecossistemas e biodiversidades e tem como foco a refaunação do muriqui, o maior primata das américas, na região. Durante a visita, uma espécie de safari a pé nos leva para ver os muriquis de perto. O projeto, que começou com apenas dois machos, já conta com 7 animais. Uma vitória e tanto para uma espécie ameaçada de extinção.

Foto: Fernanda Fehring

O muriqui é conhecido como o “macaco hippie”, pois vive em uma comunidade sem hierarquia e em total harmonia, só comem plantas, não são agressivos e adoram abraçar uns aos outros aos se encontrarem e dão longos abraços – com direito a barulhinhos de felicidade por estarem recebendo o carinho. Não é de morrer de amor?

Foto: Fernanda Fehring

Como chegar

A Comuna do Ibitipoca está localizada no município de Lima Duarte, a 270 km do Rio de Janeiro, 350 km de Belo Horizonte e 510 km de São Paulo. Saindo do Rio, a estrada é a ótima Rio-Juiz de Fora e a viagem é bonita e agradável, sem grandes surpresas. É possível também voar até o aeroporto de Juiz de Fora e pegar um transfer de 90 mnutos até a Comuna. Há ainda um heliponto e uma pista de pouso para aviões de pequeno porte no local.

Foto: Fernanda Fehring

A equipe

De todos os atrativos da Comuna, seja sua natureza exuberante, suas estátuas extraordinárias, cachoeiras maravilhosas e ótimas atividades, gastronomia saborosíssima, quartos confortáveis e tudo de mais incrível que esse lugar oferece a seus hóspedes, destaco a equipe do hotel, que é a verdadeira estrela do local.

Todos os funcionários (sem exceção) são gentilíssimos, profissionais e tratam os hóspedes de uma forma muito especial. Tudo é pensado e programado para que a experiência de estadia por lá seja a mais bacana possível. E, realmente, conseguem criar momentos inesquecíveis a todos que passam por lá.

Deixo aqui meu muito obrigada a esse time que nos recebe sempre com tanta atenção e carinho. Voltaremos muito em breve!

Foto: Arquivo pessoal/Fernanda Fehring

Comuna do Ibitipoca
Lima Duarte, MG
www.ibiti.com
@comunadoibitipoca.oficial

 

@fernandafehring é formada em Hotelaria, Gastronomia e Turismo pela Universidade de Surrey, na Inglaterra, e em Cozinha pela École Le Cordon Bleu, de Paris. Foi expatriada por 18 anos, morando em países como Inglaterra, Alemanha, China, França e África do Sul. Mas é no Rio de Janeiro que Fernanda se sente mais feliz. Formada pela McQueens de Londres, Fernanda teve um ateliê de flores durante seis anos no Rio. Trabalha atualmente como curadora de viagens e colunista, e sua grande paixão são as viagens de natureza e de isolamento. País preferido no mundo? África do Sul. Viagem dos sonhos? Alasca.