Golfe tropical: ilha da República Dominicana tem 25 campos

Palco de dois dos mais belos e bem estruturados campos do planeta, a República Dominicana revela sua vocação para o esporte em um paraíso caribenho

by redação bazaar
Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Por Carlos Marcondes

Estéticas preciosas emolduradas por águas tentadoras. A descrição sintoniza com o design de alguns dos 25 campos de golfe da ilha – dividida entre a República Dominicana e o carente Haiti. Na terra do merengue e de praias que despertam o desejo de qualquer ser humano, golfe é assunto sério, coisa de primeiro mundo.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Theet of the Dog - Foto: Divulgação

Theet of the Dog – Foto: Divulgação

Considerada a capital do esporte no Caribe, a nação atrai jogadores de todos os continentes em busca de experiências singulares, em sedutores tapetes, com 57 buracos com vista para o mar, como alguns do emblemático Theeth of the Dog – Dente do Cachorro – campo que aparece entre os top 50 do planeta nos rankings das principais publicações especializadas. E é fácil reconhecer seus predicados.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

O design leva a assinatura do lendário Pete Dye, um artista em projetos e concepções desses parques esportivos. Encravado no Casa de Campo, maior e mais luxuoso resort do país, com 2100 vilas, espalhadas em 68 milhões de metros quadrados, o campo fascina até os mais experientes praticantes, tanto pela perfeição das condições de infraestrutura, como pelo paisagismo, já que foi concebido para que os jogadores possam apreciar as encostas da região de La Romana durante toda a partida.

Dye Fore - Foto: Divulgação

Dye Fore – Foto: Divulgação

O resort conta ainda com mais dois campos de primeiríssima qualidade: o The Links e o Dye Four, também desenhados por Pete. A experiência para o golfista é completa, com desafios para iniciantes – com acesso a aulas privadas – e para atletas profissionais que costumam ficar encantados com o zelo de dezenas de jardineiros que não deixam uma graminha passar do tamanho.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

“Sempre estamos na vanguarda e investimos anualmente três milhões de dólares em manutenção dos campos para que eles continuem nos padrões dos melhores do mundo”, revela a direção do resort, que projeta crescimento expressivo de hóspedes para este ano, vindos da América Latina, em especial, do Brasil.

Catarina - Foto: Divulgação

Catarina – Foto: Divulgação

Para quem se hospedar no Casa de Campo, imperdível é a visita à Isla Catalina, um dos cartões postais mais belos do país. O éden fica a poucos minutos de lancha do continente e celebre por ter águas turquesas absurdamente claras, com pequenas praias de areia branca. Vale fugir dos finais de semana, quando ela recebe turistas em demasia.

Tacadas com inspiração

Punta Escada Golf Club - Foto: Divulgação

Punta Escada Golf Club – Foto: Divulgação

Outro exemplo inquestionável da qualidade dos campos dominicanos é o Punta Espada Golf Club, na badalada Punta Cana. Localizado bem próximo aos Hotéis do Grupo Meliá, que comumente recebe jogadores de várias partes do mundo, o traçado apresenta um gramado verde impecável, que contrasta, de forma mágica, com o azul do mar caribenho. É um projeto com a assinatura de outra sumidade do esporte, Jack Nicklaus, simplesmente o maior vencedor de torneios de todos os tempos.

O campo é uma verdadeira pintura e também aparece na lista dos melhores do mundo tanto no sentido estético como técnico. O jornalista Marco Frenette, ex-editor da revista “Golf Life”, que já jogou em alguns campos dominicanos, explica que tanto os de Punta Cana, como os da Casa de Campo são espetaculares nos quesitos design, estrutura e beleza. “Eles atendem a trilogia: ótima manutenção, excelente desenho e a de estar em um lugar paradisíaco. Junte-se a um atendimento de primeira e a uma gastronomia de qualidade e o golfista estará no céu”, comenta.

O Punta Espada conta com 18 buracos desenhados para que os jogadores possam dar suas tacadas inspirados por águas convidativas, prontas para refrescá-los após uma disputada partida no paraíso.

Alto Chavón - Foto: Divulgação

Alto Chavón – Foto: Divulgação

Dentro da propriedade de Casa de Campo há um lugar impensável, construído para ser réplica de uma vila italiana com ares tropicais. O Altos de Chavón é um pequeno centro cultural imperdível, de arquitetura toda em pedras, com lojas, restaurantes, um museu arqueológico e a charmosa igreja San Estanislao de Cracovia, onde dizem que Michael Jackson e Priscila Presley trocaram alianças. Há ainda um impressionante anfiteatro ao ar livre, com a arquibancada em pedras, que recebe grandes estrelas da música como Andrea Bocelli, Julio Iglesias e Sting. O santuário musical foi inaugurado, em 1982, por nada menos que Frank Sinatra.

*O jornalista viajou a convite da DR Golf Travel Exchange e do Ministério de Turismo da República Dominicana.

Leia mais:
Caraíva: o melhor do paraíso no sul da Bahia
Dicas de Sabrina Gasperini para curtir em Londres
Hype Bazaar: três estações de esqui na Suíça para todos