Praia de Moçambique - Foto: Divulgação
Praia de Moçambique – Foto: Divulgação

Por Olivia Camplez

Éramos dez. Uma turma eclética, high-low, mistura de Mercosul e Europa, com uma amiga francesa, um português, brasileiros, uma chilena e uma moçambicana – a maioria morando no Brasil. Já tínhamos viajado juntos para Tatajuba, no Ceará, um vilarejo de pescadores que poucos desbravaram. Desta vez: Moçambique.

Parte da turma, durante o passeio pelas ruas da cidade da Ilha de Moçambique. Da esq. para a dir., Andrea Sahyoun, Julia Gastin, Pedro Igor Alcântara, Rosana Rodini, Lu Lima, Nina Mckenna e Ludivine Camus - Foto: Divulgação
Parte da turma, durante o passeio pelas ruas da cidade da Ilha de Moçambique. Da esq. para a dir., Andrea Sahyoun, Julia Gastin, Pedro Igor Alcântara, Rosana Rodini, Lu Lima, Nina Mckenna e Ludivine Camus – Foto: Divulgação

Adoro lugares assim, desconhecidos, roots e wild. Nasci em Paris, morei um pouco no México, em Nova York e me mudei para o Brasil em 2013. Precisava de fresh air, de um lugar com muita luz, sol. Virei brasileira super rápido, montei a Maison de Beauté Dominique (homenagem à minha mãe), me integrei, fiz e cultivei muitos amigos. Sempre com um pezinho no mundo.

A ex-colônia portuguesa me atraiu pela vontade de ir àquela parte da África, pelo idioma e o sabor do inexplorado. Foram duas semanas entre Maputo (a capital), Ilha de Moçambique (uma cidade insular ao norte do país) e Ibo, pequena ilha do arquipélago das Quirimbas.

Ibo Island Lodge - Foto: Divulgação
Ibo Island Lodge – Foto: Divulgação

Me impressionaram a riqueza da arquitetura colonial, os móveis, o povo alto-astral e as crianças que acompanhavam a gente pelas ruas o tempo todo, com o sorriso sempre no rosto. Um lugar pobre, claro, mas com um mix de Europa antiga e África, de uma beleza única, com o Oceano Índico ao fundo.

Olivia Camplez - Foto: Divulgação
Olivia Camplez – Foto: Divulgação

Em Maputo, amei explorar os mercados do Xipamanine e Feima (artesanato) e comprar muitas capulanas, pedaços de tecido que as moçambicanas usam fazendo as vezes de saia. Também foi lindo ver o sol laranja da África se pondo e me diverti na nightlife, pelos barzinhos.

Já na Ilha de Moçambique, o destaque foram os passeios de barco local para as praias desertas e a comida fresquinha feita ali, na nossa frente.

Mergulho no Índico - Foto: Divulgação
Mergulho no Índico – Foto: Divulgação

Em Ibo, nadamos com golfinhos selvagens, visitamos uma comunidade e caminhamos por horas pela praia na maré baixa.

Ibo Island Lodge - Foto: Divulgação
Ibo Island Lodge – Foto: Divulgação

No Ibo Island Lodge, o mais “chique” da viagem, fiquei de roupão por três dias só relaxando e nem sequer me trocava para jantar. Foi uma viagem muito especial e sossegada, onde o luxo é a paisagem e o tempo, que parece parar.

Leia também:
Adwoa Aboah e Juergen Telles fotografam para a Burberry em Gana
Ilhas Maurício: um roteiro pelo paraíso do oceano índico

A francesa em frente a um barracão no arquipélago das Quirimbas - Foto: Divulgação
A francesa em frente a um barracão no arquipélago das Quirimbas – Foto: Divulgação