O hotel - Foto: divulgação
O hotel – Foto: divulgação

Por Cibele Maciet

Incrustado nas montanhas da quase-ilha de Sain-Jean-Cap-Ferrat, na Côte d’Azur, o Grand-Hôtel Cap-Ferrat , palácio mítico da região, é o ponto de encontro de celebrities, realezas e business men do sul da França. Nomes como Charlie Chaplin, Winston Churchill, Aristotle Onassis, Elizabeth Taylor, Picasso, a família Kennedy, Frank Sinatra, Paul McCartney e Ralph Lauren fazem parte do grupo de célebres hóspedes que o hotel de luxo já abrigou. Complexo centenário, parte do grupo Four Seasons, ele fica entre Nice e Monaco e é um oásis no meio do Mediterrâneo: situado num jardim de sete hectares recheado de pinheiros-de-Alepo (vegetação típica da região), ele dispõe de quatro restaurantes – um deles premiado com uma estrela no Michelin-, spa, piscina olímpica transbordante com água do mar e terraço, e é um luxo para poucos – e bons.

Um dos quartos do hotel - Foto: divulgação
Um dos quartos do hotel – Foto: divulgação

Quartos luxuosos e villa privée
A começar pelos 74 quartos, dentre eles, 24 suítes, com terraço, vista para o mar e piscinas privés, além de uma villa, longe dos olhares indiscretos, com piscina, quadra de tênis, terraço no roof top, elevador privé, home cinema, sala de ginástica, sauna, entre outros mimos. Os quartos, decorados em mármore branco e lençóis de linho e seda brancos dão o tom clean e minimalista do local. Construído em 1908, o Grand-Hôtel passou por uma grande reforma em 2009 chefiada pelo decorador Pierre-Yves Rochon – após períodos obscuros durante a primeira e segunda guerra nos quais permaneceu fechado ou serviu de hospital para feridos nos conflitos.

A piscina do hotel - Foto: divulgação
A piscina do hotel – Foto: divulgação

Gastronomia e vinho vintage
Os restaurantes são divididos entre Le Cap, com uma estrela no concorrido Michelin, com uma cozinha gastronômica inspirada no sul da França; o La Véranda, com um caráter bem provençal; o Club Dauphin – aberto durante a alta estação, de frente à piscina olímpica, com uma vista de tirar o fôlego! -, que serve almoços e petiscos durante a tarde, e um lounge, o Le Bar. Para amantes de vinho, o hotel ainda tem uma adega com 600 garrafas vintage, incluindo exemplares de Château Lafite datados de 1799 e de Château D’Yquem de 1854. A boa noticia é que particulares podem reservar o espaço, o Salon des Collections, para jantares regados a muito vinho. A melhor época para visitar esse paraíso é entre abril e novembro: ele fecha suas portas de 16 de dezembro a 15 de março, período de inverno europeu.

A varanda de um dos quartos do hotel - Foto: divulgação
A varanda de um dos quartos do hotel – Foto: divulgação