Busca Home Bazaar Brasil

Provença: guia definitivo da região turística da França

Paisagens apaixonantes, sabores únicos e ótimas hospedagens para as suas férias

by Cibele Maciet
Região da Provença - Foto: Divulgação

Região da Provença – Foto: Divulgação

Que tal uma road trip na Provença, uma das regiões mais visitadas pelos turistas na França? Os campos de lavanda ao som de cigarras, o gosto do nougat e do calisson, a cor ocre das casinhas… um lugar mágico e cheio de história para contar.

A região, além de rica em paisagens e vistas apaixonantes, oferece um mundo de sabores ensolarados como azeitonas verdes e negras, azeites, ervas, mel de acácia, mostarda, vinho rosé e tinto, bouillabaisse (espécie de ensopado de peixes), morangos frescos.

Os campos de lavanda da Provença - Foto: Divulgação

Os campos de lavanda da Provença – Foto: Divulgação

Como integrante da região Provence-Alpes-Côte d’Azur, a Provença é o destino preferido de muitos turistas no verão europeu, especialmente em julho, quando acontecem as florações nos campos de lavanda. Prontos para fazer um road trip pelos melhores points com a Bazaar? Prepare-se para aguçar os cinco sentidos!

Porta de entrada

Avignon: ponte - Foto: Divulgação

Avignon: ponte – Foto: Divulgação

O jeito mais fácil de circular na Provença e esticar até a badalada Côte-D’Azur é alugar um carro. Tudo é muito perto e as estradas são perfeitas, em ótima conservação.

Para isso, saia de trem bala TGV de Paris e desça em Avignon, em uma viagem curta de três horas e meia. Confortável, o trem oferece primeira e segunda classe com rede wi-fi, tomadas para carregar computadores e smartphones e bar com snacks. Chegando ao destino, existem locadoras de carro como Europcar e Avis na estação de trem.

Avignon: castelo papal - Foto: Divulgação

Avignon: castelo papal – Foto: Divulgação

Se quiser conhecer um pouco a cidade, Avignon é a antiga moradia do papado no século 14, e ainda conserva uma atmosfera medieval encantadora com suas ruelas de calçadas estreitas e o castelo papal. Tombada pelo Patrimônio Histórico Mundial, ela é famosa pela ponte medieval e pelo festival de teatro, um dos maiores do mundo.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Tesouro nacional

Gordes - Foto: Getty Images

Gordes – Foto: Getty Images

A 45 minutos de carro de Avignon, a primeira parada obrigatória é e Gordes, vilarejo encravado nas rochas na região do Vaucluse, situado no grandioso Parque Natural Regional do Luberon.

Classificada como uma das mais belas cidadelas francesas, Gordes é puro charme com suas abadias, castelo, aldeias, cabanas de pedra, moinhos de água e vento, fontes, lavanderias medievais e cisternas escavadas nas rochas

Hotel La Bastide de Gordes - Foto: Getty Images

Hotel La Bastide de Gordes – Foto: Getty Images

Onde se hospedar: no cinco estrelas La Bastide de Gordes, sem dúvidas, a melhor opção local. Ganhador do prêmio de Melhor Terraço de Hotel da Europa pelo Villégiature Awards, é a reunião de um antigo castelo do século 18 com suas muralhas e uma antiga caserna militar. O hotel se espalha em dez andares esculpidos na rocha com jardins suspensos, piscinas, três restaurantes (um deles, estrelado pelo famoso guia Michelin), kids club e 34 quartos: puro luxo com atendimento nota dez. A vista do restaurante La Citadelle sob o Luberon é sensacional! O preço de uma noite é razoável, visto o stantard do hotel: a partir de € 290.

Vilarejo medieval

Castillon du Gard - Foto: Divulgação

Castillon du Gard – Foto: Divulgação

A apenas uma hora e dez minutos de Gordes, Castillon du Gard é um pedacinho de paraíso na terra de Gaulle. Aqui, se tem a impressão que o tempo parou, ou que não passou.

Os hotéis e casas deixam os portões abertos para as ruelas de pedestres, tudo é baseado na confiança e na tranquilidade do vilarejo de 943 pessoas. No local, há apenas uma praça central, além de gárgulas, fontes, restos de muralhas e igrejas do século 19.

Castillon du Gard: a ponte - Foto: Divulgação

Castillon du Gard: a ponte – Foto: Divulgação

Um pouco distante da aldeia, um antigo local de peregrinação, as ruínas de uma colônia de portadores de hanseníase e o famoso Pont du Gard, ponte romana que data do século 1 d.C, tombada pelo Patrimônio mundial da UNESCO.

Hotel Le Vieux Castillon - Foto: Divulgação

Hotel Le Vieux Castillon – Foto: Divulgação

Onde se hospedar: nesse local perdido no tempo, o quatro estrelas Le Vieux Castillon acolhe seus clientes em 34 quartos repartidos em 18 casas espalhadas pelo vilarejo. A vista da piscina dá para os vinhedos da Provença, uma maravilha. A partir de € 200 por uma noite.

Menina dos olhos de Cézanne

Aix-en-Provence: o jardim de Piggonet - Foto: Divulgação

Aix-en-Provence: o jardim de Piggonet – Foto: Divulgação

Descendo 1h20 em direção ao sul, no coração da Provence, está Aix-en-Provence, fundada em 122 a.C. Seu centrinho é uma graça, com a famosa Cours Mirabeau, uma das ruas principais da cidade, apinhada de lojas fashion.

Não deixe de degustar os famosos calissons, guloseima local, além de visitar o marché provençal, feira típica da região, com suas especiarias e artesanato local, os museus e o ateliê Paul Cézanne.

Onde se hospedar: no Le Pigonnet, hotel cinco estrelas charmoso com um jardim de encher os olhos, repleto de fontes e de árvores majestosas. O bar e o restaurante, dentro do espaço verde, nos presenteiam com espetáculos de jazz cigano nas noites de verão, além de um menu provençal delicioso. Reza a lenda que Cézanne adorava sentar por ali para imortalizar a montanha Sainte Victoire em suas telas. Os preços começam a partir de € 340.

Joia da Provença

O porto de Cassis - Foto: Divulgação

O porto de Cassis – Foto: Divulgação

Aqui o negócio não é brincadeira: a 45 minutos de distância de Aix está Cassis, um dos segredos bem guardados da Provença. Uma beleza sem precedentes nesse vilarejo banhado pelo mar Mediterrâneo e cercado por penhascos.

O centrinho, ao lado do porto, é recheado de lojas e restaurantes da moda, mas reserve um tempo para fazer um passeio de barco pelas famosas calanques, as enseadas locais.

Cassis: hotel Les Roches Blanches - Foto: Divulgação

Cassis: hotel Les Roches Blanches – Foto: Divulgação

Onde se hospedar: no Les Roches Blanches, o cinco estrelas mais bacana da cidade. A suite tem um elevador privé, e a porta já abre diretamente no local com dois quartos e banheiros, além do terraço gigantesco com vista para o mar. Um sonho! O restaurante serve pratos com peixes e frutos do mar frescos pescados durante o dia, e o café da manhã tem uma boa oferta de produtos orgânicos e sem glúten para quem curte. Os preços começam a partir de € 320, e a suíte (vale a pena poupar para gastar aqui!), a partir de € 900.

Paraíso de milionários

O casino Monte Carlo, em Mônaco - Foto: Divulgação

O casino Monte Carlo, em Mônaco – Foto: Divulgação

Para quem quiser sair um pouco da Provença, Mônaco está há apenas 2h30 de distância de Cassis. Um paraíso para milionários russos e árabes, um mundo à parte…mas que vale a pena ser visto.

A voltinha na pracinha do cassino (onde foi filmado o longa Golden Eye de 007) é tradicional, e para quem é fã de Rolls Royces, Ferraris e Porsches, é um prato cheio. Há centenas deles para todos os lados.

Monte Carlo Bay Resort, em Mônaco - Foto: Divulgação

Monte Carlo Bay Resort, em Mônaco – Foto: Divulgação

Onde se hospedar: já que é para brincar de rico, no magnifico cinco estrelas Monte-Carlo Bay Resort, um oásis de beleza e de all-in-one para famílias e casais. Detentor dos títulos de Melhor Design de Interiores, Spa, Resort e Bar da Europa, entre outros, pelo Villégiature Awards, ele dispõe de 334 quartos, três restaurantes (um deles, com uma estrela no Michelin), spa, cassino, piscinas aquecidas e um lago com fundo de areia.

Dá para se perder em quatro hectares construídos em cima do mar! O restaurante Blue Bay, spot de jogadores de futebol e estrelas do cinema, tem um dos melhores serviços já vistos, e come-se divinamente bem. Os preços para uma noite começam a partir de € 300.

Refúgio provençal

A cidade de Gargas - Foto: Divulgação

A cidade de Gargas – Foto: Divulgação

De retorno à França, o trajeto de três horas nos leva a Gargas, vilarejo de três mil habitantes repleto de pedreiras de ocre escavadas nas colinas, todas cobertas de vegetação. Fãs de caminhadas e de circuitos de montain bike, aqui é seu lugar!

A bela igreja de Saint Denis, que data do século 17, tem uma fachada românica, com seu altar barroco e tapeçarias que remontam à história do martírio de Saint Denis.

Coquillade Village, em Gargas - Foto: Divulgação

Coquillade Village, em Gargas – Foto: Divulgação

Onde se hospedar: no cinco estrelas Coquillade Village encravado nas colinas do Luberon, um refúgio de calma e tranquilidade ao som de cigarras e cheiro de lavanda. Piscina, spa com tratamentos sob medida (um de seus profissionais levou o prêmio de melhor massagista do ano), vinhedo (o local produz seu próprio vinho), três restaurantes, kids club, atividades para ciclistas e uma paisagem de tirar o fôlego! A partir de € 300.

Moinho do arcebispo

Vernègues: ruína de castelo - Foto: Divulgação

Vernègues: ruína de castelo – Foto: Divulgação

Há apenas 48 minutos em direção ao sul fica a cidadezinha de Vernègues, situada no meio de uma bela paisagem rural onde se alternam vinhedos, campos de oliveiras e trigo e pomares.

Vernégues: ruínas de templo romano - Foto: Divulgação

Vernégues: ruínas de templo romano – Foto: Divulgação

Chegando ao vilarejo, nos deparamos com as ruínas da velha cidade, o “Vieux Vernègues” (destruído por um terremoto em 1909) no alto da colina. Lá, restos de um velho castelo, de casas e de uma igreja, além de resquícios galo-romanos, presentes em todo o território.

Vernègues: hotel Moulin - Foto: Divulgação

Vernègues: hotel Moulin – Foto: Divulgação

Onde se hospedar: no quatro estrelas Moulin de Vernègues, com 100 quartos distribuídos entre um casarão do século 15 e uma construção mais contemporânea em frente a um campo de golfe. A antiga casa foi um moinho de grãos, propriedade do arcebispo de Arles: no primeiro andar encontra-se uma capela graciosa, raridade em tempos modernos. As tarifas começam a partir de € 200.

Encanto de pedra

Igreja de Crillon le Brave - Foto: Divulgação

Igreja de Crillon le Brave – Foto: Divulgação

Uma cidadezinha de 445 habitantes. Sim, isso existe! Trata-se de Crillon le Brave, a uma hora de Vernègues em direção ao norte da Provença.Situada aos pés da gigantesca montanha Ventoux, ela é encravada nos rochedos, é toda feita de pedra e possui somente uma padaria, cinco restaurantes e uma galeria de arte. A igreja de Saint-Romain é um charme, no meio de uma pracinha, ela tem um retábulo de madeira atribuído ao escultor francês Bernus.

Crillon le Brave - Foto: Divulgação

Crillon le Brave – Foto: Divulgação

Onde se hospedar: num dos únicos hotéis da cidade, o cinco estrelas Crillon le Brave, que adquiriu antigos casarões da cidade para formar o estabelecimento. Um presbitério, estábulos e escolas foram renovados e convertidos em alojamentos excepcionais com uma vista de tirar o fôlego. A piscina é uma das mais belas da região, e no café da manhã, uma ótima oferta de cereais orgânicos e leites vegetais. Os preços começam em € 340.

Hotel Crillon Le Brave - Foto: Divulgação

Hotel Crillon Le Brave – Foto: Divulgação

Com três restaurantes, um gastronômico, o La Table du Ventoux, e dois bistrôs, o La Grange e o Bistrot, a cozinha é exclusivamente regional e deliciosa. Melão da região de Cavaillon, figo de Caromb, Pistou provençal (espécie de sopa aromatizada com manjericão e alho), cordeiro de Alpilles, damasco do Vale do Rhône, tomates, abobrinhas frescas…É de comer ajoelhado e rezando!

Cidade histórica

Porto de Marselha - Foto: Divulgação

Porto de Marselha – Foto: Divulgação

Para terminar nosso road trip provençal, parada obrigatória: Marselha, a apenas 1h45 de Crillon le Brave. Cidade portuária das mais belas do mundo, Marselha foi fundada em 600 a.C. pelos gregos da cidade de Foceia.

Museu de Marselha - Foto: Divulgação

Museu de Marselha – Foto: Divulgação

O “Vieux Port” (porto antigo) é um verdadeiro cartão postal, e o “Massif de Calanques” (as famosas baías com suas águas turquesas límpidas) são classificadas como Parque Natural Nacional. O MuCEM (Museu de civilizações europeias e mediterrâneas) merece uma visita, além do “Le Panier”, bairro mais antigo da cidade.

Marselha: hotel intercontinental - Foto: Divulgação

Marselha: hotel intercontinental – Foto: Divulgação

Onde se hospedar: no cinco estrelas Intercontinental Marseille – Hôtel Dieu, antigo hospital fundado em 1593 e classificado como monumento histórico. A vista do terraço sob a igreja Notre-Dame-de-la-Garde é suntuosa (ele levou o título de Melhor Terraço de Hotel da Europa pelo Villégiature Awards), além do café da manhã, com uma ótima oferta de produtos locais e frutas. Os preços começam em € 300.

Leia mais:
Tudo sobre viagem e turismo no canal “Escape” da Bazaar Brasil