RG Trip: Victor Collor em uma viagem inesquecível para os Andes. Play para ver o vídeo completo!

A quarta etapa do projeto RG Trip foi para a Cordilheira dos Andes, no Chile, na Estação Ski Portillo, que completa 70 anos

by Ligia Kas
Victor Collor - Foto: Reprodução/Vimeo

Victor Collor – Foto: Reprodução/Vimeo

RG Trip, projeto que se propõe investigar os destinos mais desejados da temporada sob a ótica de grandes fotógrafos, teve sua quarta edição na Cordilheira dos Andes, no Chile, na Estação Ski Portillo, que completa 70 anos. Quem embarcou para mais uma aventura foi o fotógrafo, dono do restaurante Cozinha 212 e publisher do jornal VIC&CO., Victor Collor e a médica Sophia Gonzaga.

filmmaker Enrico Beer Boimond ficou responsável pela registro em vídeo da experiência, extraindo não só imagens do lugar, mas também o processo criativo de Victor, sentimentos e percepções gerais de um cenário único.

Dê play no vídeo para ver o resultado que, claro, conta com um time de peso e superou mais uma vez todas as expectativas.

 

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

A seguir, texto de Victor Collor - Refúgio nos Andes

A principal estrada que liga o Chile de Santiago a Mendoza, na Argentina, com destino ao Aconcágua, a montanha mais alta da Américas, é considerada uma das mais bonitas do cone sul. Acompanhada por uma estrada de ferro desativada, a Ruta 60 é cravada entre os Andes e carrega mistérios que, metro a metro, se torna mais mágica. As inúmeras construções abandonadas e a vida humana que vai ficando cada vez mais escassa, dão a sensação de aventura que a viagem carrega.

A chegada a Portillo é marcada pelas 29 curvas acentuadas e perigosas do trecho conhecido como Los Caracoles. Dali, já possível enxergar as estruturas dos lifts de esqui da estação que fica ao final do ziguezague, a mais de 2.800 metros de altitude, poucos quilômetros da fronteira com a Argentina.

O hotel/estação Ski Portillo é um oásis nos Andes. A construção de 1949 é um marco, tanto pela estrutura em meio às montanhas, como pelas divertidas cores em amarelo e azul e o imenso portal de madeira que dá acesso à simpática recepção. Nada disso é tão impactante quanto a vista para a Laguna del Inca, uma lagoa abraçada pelas montanhas recheadas de esquiadores e amantes do snowboard, com o hotel, solitário e colorido, avistando todo esse cenário da melhor vista possível.

A sensação ao adentrar o hotel vem em conjunto com uma volta no tempo, tanto pela decoração de época, o cheiro e, principalmente, a época em que a convivência entre hóspedes e staff era mais dedicada e menos fria, como estamos acostumados nos dias atuais. Em sua maioria, os quartos e os ambientes de convivência do hotel têm vista para a Laguna del Inca, o que faz qualquer olhada, em qualquer horário do dia, ainda mais especial e impactante.

No total, o hotel abriga 7 andares: quatro deles dedicados às habitações, um andar à recepção, o subsolo ao salão de jogos, spa, piscina e locação de equipamentos de esqui, e o segundo andar dedicado à maior área de convivência do hotel: uma imensa varanda, o restaurantebar e café, e uma imponente sala com paredes em madeira e tijolos adornada com antigos mobiliários que misturam couro, madeira e tecidos típicos das minorias étnicas chilenas, como também é visto no simpático elevador que dá acesso aos andares, com exceção do sexto, que por sua vez tem a melhor vista para o lago.

Estar hospedado em um hotel/estação de esqui é sinônimo de liberdade, visto que a distância entre o quarto e o lift está alguns andares de distância. Ou seja: após alugado, é colocar o esqui ou snowboard nos pés e descer até o lift mais próximo.

Já na montanha, do alto da Garganta, Juncalilo ou David’s Run - para citar algumas das mais famosas pistas de Portillo, a vista da lagoa e do hotel se torna ainda mais especial e a sensação de estar encravado na imensidão dos Andes é elevada a máxima potência. Um pit stop para almoço no Tio Bob’s, o restaurante do hotel no topo de uma das montanhas, é o momento de contemplar a vista com calma, sem a adrenalina liberada na velocidade da descida até a base dos lifts.

Conhecer Ski Portillo não é somente usufruir, mas, sim, vivenciar e se sentir parte dos 70 anos de história do hotel/estação mais icônico da América do Sul.

Leia mais:
RG Trip: dupla viaja para o Chile em nova aventura no Tierra Atacama
Vouliagmeni e outras praias da Grécia: uma visita paradisíaca no verão
Chamonix reconquista seu glamour no inverno Europeu
Seis dicas para conhecer no Butão