Fotos: Christopher Sturman
Fotos: Christopher Sturman

por Eléonore Marchand

Logo acima da mesinha de cabeceira de Aerin Lauder há uma moldura dourada com uma carta escrita à mão por sua avó, a lendária pioneira da beleza Estée Lauder. A carta diz que, após a sua morte, a casa de Wainscott, em Long Island, Nova York, iria para a neta. Aerin Lauder, 47 anos, nasceu e foi criada em Nova York, e sua ligação com o East End de Long Island é profunda. Ela se lembra de ir a pé com sua irmã, Jane, até a casa da avó, que ficava perto da de seus pais, Ronald e Jo Carole. Hoje, os filhos de Aerin fazem o mesmo caminho para visitar seus avós.

A família Lauder tem imóveis nos Hamptons há muitos anos e lá passaram incontáveis férias. A casa, que pertence a Aerin há 16 anos, é cheia de memórias de infância, e é notável a influência de Estée. Ao entrar, vê-se a coleção de chapéus de palha da avó pelo lavabo. “Espalhei algumas das peças dela pela casa, como o baú que fica no meu quarto.”

Construído na década de 1930, o sobrado em estilo grego exala um forte senso histórico. As grandiosas colunas brancas que ornam o pátio frontal e a majestosa escada em espiral da entrada são parte da estética clássica do imóvel. “Estée tinha um estilo diferenciado”, lembra Aerin. “E sempre adorou casas brancas com colunas. A de Palm Beach tinha colunas. E a casa de Eaton Square, em Londres, também era branca. Acho que tinha alguma relação com …E o Vento Levou, seu filme predileto.”

Apesar desses elementos de grandeza, não há nada de pretensioso no lar. Disco, um dachshund de pelo longo, junto com Biscuit e Shatzi, dois spaniels bretões, correm pela casa. Shatzi, o mais novo, volta de um mergulho na piscina e se sacode, espalhando água pelos móveis. Aerin parece não ligar. Entre todos os seus imóveis – incluindo um apartamento em Manhattan e uma casa em Aspen, no Colorado –, a de Wainscott é sua favorita. “Gosto mais daqui, provavelmente pelas memórias de infância e porque amo o campo e os animais. Para mim, é um paraíso.”

Também foi nos Hamptons que Aerin e seu marido, o investidor Eric Zinterhofer, 46 anos, se casaram. Eles se conheceram na Universidade da Pensilvânia e, depois de formados, mudaram-se de volta para Nova York e continuaram a se encontrar até o casamento, em junho de 1996, na casa dos pais de Aerin, em Wainscott. “Ele sempre adorou vir para cá.” Quando foram morar na casa com os dois filhos, o imóvel ainda tinha dois dormitórios. “À medida que as crianças cresceram e mais amigos vinham para cá, ampliamos a casa.” Começaram pela cozinha, acrescentaram três dormitórios e aumentaram a área social, trabalhando com uma empresa especializada na restauração de residências antigas, garantindo uma transição suave entre o antigo e o novo.

O estilo de Aerin, que define como “elegância atemporal, mas com um segredo”, ecoa pelas paredes: seu escritório, um dos aposentos de que mais gosta, foi pintado de preto e engenhosamente iluminado com uma mistura eclética de luminárias. Em frente, está a antiga sala de estar, decorada com sua coleção original de porcelana em azul e branco – uma paleta de cores muito usada nas embalagens da marca de cosméticos.

“Adoro o quarto azul e branco”, conta Aerin, “porque Estée tinha uma mesa com fotos dela com Aga Khan, a princesa Grace, Nancy Reagan. Aumentei a coleção com retratos dos meus filhos. É uma sala muito sentimental”. Fotos de família, obras de arte e desenhos emoldurados de seus filhos são vistos pela casa, além de pinturas que pertenceram a Estée e fotos de Tina Barney, cujo trabalho também pode ser visto no MoMA. “Ela tirou uma foto minha com os dois meninos parecendo cansados”, diz. “Estou dando M&Ms a eles, e um dos dois está de fralda por baixo do calção de banho. Não é o melhor look da história, mas ela capturou muito bem aquela fase da maternidade. É muito real. O trabalho dela é em tamanho grande e faz a gente sentir que é parte daquele momento.”

O amor de Aerin pela arte está no sangue. Seu pai, Ronald, nomeado embaixador dos Estados Unidos na Áustria por Ronald Reagan, em 1986, foi cofundador da Neue Galerie, um museu de arte alemã e austríaca do começo do século 20, que fica no Upper East Side de Manhattan, e é presidente honorário do MoMA. Mundialmente reconhecido como influente colecionador, estabeleceu um recorde, em 2006, ao comprar um retrato pintado por Gustav Klimt por US$ 135 milhões, o preço mais alto pago por uma pintura até então.“Ele é obcecado”, diz sobre a paixão do pai.

Outro modelo para Aerin foi, é claro, sua avó. Reconhecida em sua época como a self-made-woman mais rica do mundo, fundou, em 1946, o império de US$ 30 bilhões que continua a liderar a indústria da beleza. Estée Lauder é uma das empresas de cosméticos mais desejadas, com uma carteira que abrange La Mer, Clinique, M.A.C e Jo Malone London, entre outras. “Isso nos faz perceber como devemos ter orgulho e quão incrível foi o que fez: ela tinha uma paixão e um sonho e criou algo do zero, numa época em que a maioria das mulheres não trabalhava. Nunca frequentou a faculdade. Acho que algumas pessoas recebem tanta coisa, como a melhor educação, mas não fazem nada com aquilo. Quem tem paixão e vontade realiza.”

Aerin, que foi diretora criativa da Estée Lauder por sete anos, seguiu os passos da avó e se aventurou numa marca com o próprio nome. Embora esteja fortemente ligada à Estée Lauder, da qual é diretora de estilo e imagem, sua marca de lifestyle AERIN, fundada há quatro anos, está em expansão, com uma nova coleção de tecidos e papéis de parede, o lançamento de uma bolsa, acessórios e, claro, beleza. Concebida para atender à mulher de hoje, com pouco tempo disponível, a grife apresenta uma seleção cuidadosamente editada de produtos.“As pessoas adoram a ideia de simplificar”, opina. “Tem a ver com estilo sem esforço e com edição. Quando lançamos um batom, não temos 20 opções, mas 10. No caso dos acessórios, os sapatos combinam com a bolsa. O conceito é fazer do estilo algo fácil e divertido.”

Embora a marca AERIN esteja online e em lojas de departamentos por todo o mundo, também há uma loja-conceito nos Hamptons: “É interessante, porque é o primeiro lugar onde a coleção pode estar reunida”, pontua. “Normalmente, produtos de beleza ficam com produtos de beleza, artigos para o lar com artigos para o lar, e é difícil ver tudo junto. Passar por essa experiência na loja é divertido.”

A dedicação aos seus projetos é parte do sucesso dos Lauders. Aerin Lauder vive segundo as palavras da avó: “O que quer que você faça, faça bem e com paixão”. Paixão e uma forte ética de trabalho, diga-se. Para Aerin, a lição mais importante é “trabalhar o mais duro que puder. Não só dar duro, mas o mais duro possível. É importante de verdade se entregar 100%. É algo que ensinei meus filhos a fazer”.

E assim prossegue o legado Lauder.