FOTOS JOHN-PAUL PIETRUS

Por Catrina Carta

Barbara Casasola conseguiu um feito e tanto na moda – e em muito pouco tempo. Um ano após criar a marca de roupas que leva seu nome, a gaúcha apresentou sua coleção de inverno 2013 num showroom durante a última semana de moda parisiense.

Depois da apresentação, muita coisa mudou na vida dessa moça, que saiu de Porto Alegre aos 18 anos para estudar em Londres na renomada Central Saint Martins e, depois de formada, ganhou uma bolsa para aprofundar os estudos em Milão, no Istituto Marangoni.

Barbara recebeu elogios rasgados do style.com, um dos mais influentes sites de moda do mundo, e chamou a atenção de importantes compradores internacionais.

Depois de Paris, a marca Barbara Casasola vai começar a ser vendida em Dubai, em Roma e no site avenue32.com. Até então, apesar de morar na Europa há nove anos, suas peças só eram vendidas no Brasil, na multimarcas Surface to Air, em São Paulo. “É inegável que minha carreira deu um boom depois do showroom, não esperava que tudo fosse acontecer tão rápido”, diz.

Os vestidos, sempre pouco decotados, austeros, mas muito femininos, são sua marca registrada. “Para mim, quanto menos uma mulher mostra, mais sensual fica”, decreta. Os traços limpos de suas criações e a cartela seletiva de cores são notados também na decoração da casa que divide com o namorado e sócio no bairro de South Kensington, em Londres. “Elegi a capital inglesa para morar porque foi aqui que amadureci. Toda vez que chego, tenho a sensação acolhedora de estar em casa”, explica.

Tudo na casa da estilista é muito clean. O branco predomina nos móveis e nas paredes, embora tons azulados e cores como dourado e off-white tenham lugar na decoração.

Barbara gosta de garimpar objetos em mercados de pulgas londrinos, como, por exemplo, os espelhos da sala e do hall de entrada. As duas colunas azul-turquesa, usadas como suportes de um aparador, ela achou no jardim de um antiquário francês.

Prática, instalou seu ateliê de criação ali mesmo, anexo ao quintal. O ambiente é super agradável, bem iluminado, amplo e com muitas plantas. Uma parede de vidro separa o ateliê do charmoso pátio, onde o casal costuma receber os amigos em dias ensolarados.  “Gosto de ter momentos relax no sofá, mas também adoro visitas. Sou de família italiana e fico feliz ao ver todos juntos em volta da mesa.”

Apesar do conforto de trabalhar em casa, com a internacionalização da marca a estilista deve passar temporadas em Florença, onde começa, a partir de agora, a produzir suas peças.

As duas primeiras coleções foram confeccionadas em fábricas do Sul do Brasil. “Com a ampliação da grife, comecei a produzir todas as minhas peças na Europa, pois consigo ter um controle maior, principalmente pela facilidade de locomoção. Além disso, os tecidos são de melhor qualidade, e a mão de obra é mais especializada.”

Workaholic, a estilista não gosta do termo “tempo livre”. “Acredito que os olhos e a mente devem estar sempre abertos para encontrar inspirações e referências em qualquer canto.” Em Londres, seu programa preferido é sair para passear sem rumo, mas confessa que acaba sempre parando no Victoria and Albert Museum. “A vasta coleção de obras bizantinas é uma das maiores fontes de referência e inspiração para o meu trabalho”, entrega.

A trajetória de Barbara na moda é das boas: depois dos estudos, foi para Florença, trabalhar com Roberto Cavalli. Em seguida, morou na Cidade Luz, onde conseguiu emprego nas maisons Lanvin e See by Chloé.

A estilista absorveu o melhor de cada lugar: “Com Cavalli, aprendi como é trabalhar com as melhores matérias-primas do mercado e dar atenção aos detalhes da fabricação das roupas. A Lanvin é, das três, a marca com a qual mais me identifico em termos de estilo, inspiração e processo criativo de uma coleção. Já a See by Chloé é para um público teen, foi muito interessante fazer parte de uma grife mais comercial”.

A paixão pela moda é herança da avó, que era costureira. “Sempre fomos muito próximas, assistíamos televisão juntas e pedia para ela copiar os vestidos das atrizes para mim. Eu me acho muito parecida com ela de jeito, gosto e estilo”, lembra.

Os vestidos de Barbara já ganharam o mundo com seus decotes que fogem da obviedade e os jogos de cores contrastantes que valorizam a silhueta da mulher. Mas ela pensa ainda mais alto: sonha em transformar seu nome em uma marca que venda, principalmente, um lifestyle. Sem dúvida, ela já está no caminho certo.