Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Por Jeff Ares

Alice Freitas é cofundadora da Rede Asta, negócio social que há dez anos vende produtos feitos a mão por artesãos de baixa renda e que, agora, anuncia uma Escola de Negócios! Aproveitamos a novidade para bater um papo com Alice – você confere abaixo:

Há preconceito em relação ao artesanato?
Sim, o termo está ligado a um produto de menor valor, que se compra para ajudar. Falamos em feito a mão.

Qual o impacto da Rede Asta?
Aumentamos a renda dos grupos em cerca de 30% ou mais e elas se sentem muito valorizadas.

O que é a Escola de Negócios?
Melhorar o design e vender os produtos gera um grande impacto no primeiro momento, mas, depois, elas não conseguem levar os negócios adiante. O objetivo da Escola é tornar os grupos autônomos e empoderados, independentemente dos canais de venda da Rede Asta.

Essa metodologia será disseminada?
Nosso objetivo é que chegue a todos os artesãos brasileiros, mas, para isso, precisamos de apoio.

O que mais te incomoda?
Operamos um negócio do futuro em uma sociedade em transição.

O Brasil já aprendeu a gostar do Brasil?
Para aprender a gostar, precisamos conhecer.
:: redeasta.com.br