Airon Martin é o novo nome do design e da moda no Brasil – Foto: Pati Keda/Divulgação

Com raízes familiares no Ceará e na Paraíba, Airon Martin nasceu na pequena Sinop, cidade do Mato Grosso com pouco mais de 146 mil habitantes. Nessa mistura tão própria e inusitada, brasilidade e regionalidade estão mais do que presentes nos processos criativos do inventivo designer de 28 anos, que tem entre suas marcas celebrar o diverso – e que foi eleito no ano passado como um dos “notáveis” antes dos 30 anos de idade, segundo a revista Forbes.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Nome em ascensão no universo da moda, Martin fundou em 2018 a sua Misci, que desenvolve mobiliário, acessórios e roupas inspirados na miscigenação dos elementos estéticos, todos 100% nacionais. A ideia central da sua mente criativa é uma só: expressar, por meio do design, um Brasil firme, rígido e profundo que transmita sentimentos mais verdadeiros – muito além de estampas de coqueiros e palmeiras.

Formado pelo Instituto Europeu de Design (IED), em São Paulo (não sem antes tentar as carreiras de Direito e até Medicina) o designer, que já conquistou o SPFW, tem sido um dos nomes mais comentados do circuito fashion nacional. À Bazaar, ele avalia logo de cara o papel de seu trabalho como algo muito além de uma marca de roupas.

“Digo que não faço moda. Faço design. Moda, para mim, é moqueca. Não sou eu quem dito, que faço. Eu faço design”, afirma, categoricamente, e completa: “Moda é a reverberação de como o design é recebido na sociedade. Começo fazendo design, moda é consequência.” A opinião firme e bem sólida é expressa em frases curtas e diretas, que resumem bem como a personalidade de Airon se transmite por meio de suas obras.

Foto: Luca Oliva/Divulgação

Criado em um ambiente onde sempre fora estimulado a pensar e desenvolver coisas novas, para ele o design entrou (e permanece) em sua vida quando ainda criança, como uma constante provocação da realidade e uma busca incessante pelo novo e transformador. “Desde pequeno, queria criar e inventar coisas. Num contexto familiar, aprendia a solucionar questões de uma forma criativa o tempo inteiro. O design vem daí, da resolução de um problema que existe ou que nem foi criado.”

Os materiais que a marca usa vêm de norte a sul do País: algodão totalmente orgânico, feito e desenvolvido no estado da Paraíba; um tecido com 100% de seda, construído no interior do Paraná, e um tear manual que mistura algodão e seda, da mesma região. Tudo embalado por uma pauta sustentável que condiz com as diretrizes da Misci. “Para nós, só se constrói um projeto interessante quando tudo conversa entre si e tem uma fiel ligação. Como tudo o que fazemos é matéria-prima nacional, é mais fácil nascer de um contexto onde o Brasil é o centro”, afirma Martin.

Além do foco nas raízes, um dos intuitos da label é não constranger nenhum tipo de corpo. Por isso, durante a criação de seus produtos mobiliários e peças de roupa, o designer não abre mão de ser inclusivo, valorizando a diversidade brasileira em todos os aspectos. Assim como no princípio básico do design, na Misci, antes de se decidir o que será feito, é escolhido o que se quer dizer, quais sensações serão transmitidas e o impacto que a criação irá causar.

O produto final é uma consequência de todo o processo. “Design é uma leitura minha da sociedade brasileira, não uma definição”, esclarece.  Mesmo com as dificuldades que afetaram o varejo e a moda em 2020, por conta da pandemia do coronavírus, a marca cresceu mais de 300% – quando comparado a anos anteriores – e se prepara para novidades.

Foto: Luca Oliva/Divulgação

A partir desta semana, a Misci irá se estabelecer em uma nova loja física no bairro de Pinheiros, em São Paulo, na rua Mateus Grou no número 567. Maior e com conceito mais amplo, a ideia da mudança está atrelada a projetos que o designer vai abraçar, o que inclui arte e gastronomia em um mesmo espaço.

Foto: Luca Oliva/Divulgação

Entre eles, o “Misci Voz”, que vai dar fala para novos artistas brasileiros que sejam de fora do eixo Rio-SP; e o “Varal”, que buscará novos talentos da cozinha entregando paladares e gostos bem especiais. Confirmadíssima na próxima edição do São Paulo Fashion Week, que acontecerá de forma virtual em meados de março, a Misci adianta que não entregará um desfile, fazendo jus ao conceito de design que abrange a label. “Deixa eu pensar…Não sei se posso chamar de desfile. O spoiler é esse”, entrega Martin. Aguardamos ansiosos!