Foto: Reprodução/IMDB

Por Ana Carolina Soares

Lado bom deste nosso “novo normal”, a rotina obrigatoriamente caseira de 2020 nos livrou de rituais, no mínimo, desanimadores no Dia dos Namorados. Quem nunca precisou disfarçar a barriga roncando de fome ao encarar uma fila de horas num restaurante, à espera do jantar romântico? Ou aquele constrangimento de ver outros carros chacoalhando e vidros embaçados no congestionamento para entrar num quarto de motel?

Veja bem, também curto bons chefs e as maravilhosas suítes com hidromassagem aqui da capital paulista (endereços tão surpreendentes que ainda vão render um post, aguardem). Mas nunca entendi o rush de muitos casais, a urgência de uma boa reserva, como se esses estabelecimentos só funcionassem em 12 de junho.

Bem, mesmo que na marra, em 2020, boa parte dos brasileiros poderá perceber que o melhor lugar para curtir o “Dia do Amor” é mesmo em casa. E vale muito a pena deixar os restaurantes e motéis para os outros 52 finais de semana do ano, menos concorridos e com preços mais em conta 😉

O Dia dos Namorados é amanhã, mas criatividade se trata do único requisito para viver em sua casa experiências inesquecíveis. Nem precisa de uma superprodução, viu? Olha só as dicas abaixo:

Foto: Reprodução/Instagram/@achefedoamor

Veja bem, não sou nenhuma MasterChef e também acredito que lavar louça não é nada sexy, além disso, não dá pra ficar mais de meia hora preparando comida. Então, conheci um blog com 21 receitas afrodisíacas, algumas bem simples (daquelas rápidas, que sujam poucos utensílios). Veja aqui!

Fiquei encantada com o salmão com mostarda e mel, tortinhas de brigadeiro e morango e, para o brinde, caipirinha de vodca vanilla com morangos e maracujá. “Ingredientes como pimenta, chocolate, frutas cítricas e frutos do mar, além de deliciosos, possuem propriedades afrodisíacas”, diz a consultora Paula Aguiar, especialista no mercado erótico. Aliás, ela tem um site, o Universidade do Prazer, que vai oferecer um curso com esse tipo de receita, assinado pela chef Claudia Marriel, conhecida como a @chefdoamor.

Foto: Reprodução/Instagram/@nucleodanielcarletti

Tem coisa melhor do que tocar e ser tocadx? Enquanto os deliciosos cursos de tantra não voltam ao mercado, você pode aprender algumas manobras básicas de graça, no YouTube. Recomendo o canal Tantra Lotus, de Daniel Carletti, um dos meus mestres, que estuda o tema com seriedade e afinco:

Veja aqui!

Também curto o Mundo Tantra, bem completo, didático e sem tabus: aqui!

Leiam clássicos da literatura erótica

Foto: Reprodução/Instagram/@nstituto_hilda_hilst

“E por que haverias de querer minha alma

Na tua cama?

Disse palavras líquidas, deleitosas, ásperas

Obscenas, porque era assim que gostávamos.

Mas não menti gozo prazer lascívia

Nem omiti que a alma está além, buscando

Aquele Outro. E te repito: por que haverias

De querer minha alma na tua cama?

Jubila-te da memória de coitos e acertos.

Ou tenta-me de novo. Obriga-me.”

Cantada boa, né, minha filha? By Hilda Hilst, uma das maiores escritoras da língua portuguesa, para mim, a melhor em erotismo e libertação sexual feminina. Todo ser humano deveria ter em casa um exemplar de “Do Desejo”, especialmente, as mulheres. A mistura perfeita de romantismo com sacanagem. Imperdíveis também são as obras de Henry Miller e Anaïs Nin. Tem gente que curte Marquês de Sade (eu, não, acho muito cruel, mas sou voto vencido). E há também os best-sellers como “50 Tons de Cinza” e talz… Enfim, opções não faltam. Se a quarentena afetou a libido, a literatura com certeza dará um “up” nas fantasias 😉

Façam uma maratona de filmes pornôs (feministas, claro!)

Foto: Reprodução/Instagram/@erikalust

Esqueça a loira peituda com unhas postiças gemendo num malabarismo erótico entre dois machos-alfa com “peitos de pombo”, cabelos engomadinhos e “membros” assustadores. Se você tem preconceito com filmes pornôs, precisa conhecer a nova leva de diretoras, a principal delas, Erika Lust (que inclusive possui uma plataforma com seu nome). As histórias são mais realistas e os corpos, também. Ali não há abusos (infelizmente, comuns especialmente no mundo digital), só delícias… (Esse tema também irá render outro post).

Que tal um striptease?

Foto: reprodução/IMDb

Quem deseja fugir da rotina, pode planejar uma boa playlist e ir sacando a roupa, antes da “hora H”. Você nunca fez e quer tentar? Não recomendo decorar coreografias, na linha reproduzir os movimentos de Kim Basinger em “9 ½ Semanas de Amor“. Vá por mim: isso não funciona. A chance de dar um branco é praticamente 100% Aposte em colocar a música que você gosta, dançar e tirar as peças no ritmo, no seu jeito, meio que displicentemente. Curte jogos? Há também a opção do strip poker: veja aqui!

Crush tá longe? Vale um sexo virtual

Foto: Reprodução/IMDb

Para mim, essa história de combinar sexo e câmera me dá uma certa tensão… Lembro sempre de Kylie Jenner, Kim Kardashian, Paris Hilton e suas sex tapes vazadas… :-/ Mas tem gente que curte. Dá até para se empolgar e criar seu próprio pornô caseiro 😉 Se guardar esse material com carinho, why not? 😉

Swing Virtual para os casais aventureiros

 

Foto: Reprodução/Instagram/@erikalust

A prática, que já existia antes da quarentena, agora se tornou mais popular. Tem até grupo no Facebook com centenas de membros. Sem contar o Sexlog, uma plataforma com mais de 4 milhões de adeptos no país, basicamente frequentada por casais em busca de ménage e trocas. Bem, confesso que sou ciumenta demais para permitir essa “generosidade” na minha vida conjugal… Até já tentei assim, digamos, uma “flexibilização”, mas me lasquei e percebi que não possuo esse talento. Por isso, antes de tudo, converse bem com ‘Mozão, reflitam as consequências emocionais de encarar essa aventura, além de fazer uma autoavaliação. E ok ser monogâmicx. E ok também não ser monogâmicx. Só não é ok fazer julgamentos ou “forçar a barra”. Tenho amigos swingueiros-felizes. O pessoal ressalta que tudo acontece com muito respeito, leveza e, principalmente, com o consentimento da mulher. Virtualmente, trata-se de uma espécie de “jogo de sedução exibicionista”: os casais se masturbam um para o outro, trocam elogios sacanas e, no fim, relatam um prazer bem intenso. Dizem, a relação de confiança até se estreita. Trata-se de uma curiosa forma de celebrar o Dia dos Namorados, assim mesmo, no plural.

@anacarolcsoares Jornalista desde 1994, ganhou prêmios e passou por grandes veículos de comunicação, trabalhando como repórter, editora, colunista e PR. É muito feliz também em cursos de tantra, fez mais de dez e até tirou certificado de terapeuta tântrica com Gilson Nakamura em janeiro de 2019, no método Deva Nishok. Dona de cachos assumidos e ama escrever sobre sexo, como a musa Carrie Bradshaw 🙂