Foto: Pixabay

Por Ana Carolina Soares

Alô leitoras e leitores! Feliz Ano-Novo! Para começar 2021 agradando vocês em cheio, dei uma espiada lá no Google Trends para saber as principais dúvidas relacionadas a sexo e sexualidade. Um dos principais questionamentos foi: “Qual minha orientação sexual?”.

Humm… Interessante… Para começar, nada como esclarecer do que se trata. Orientação sexual é se você gosta de se relacionar sexualmente com pessoas do sexo oposto (hétero), o mesmo (homo), com ambos (bi) ou com nenhum deles (assexualidade). 

A orientação sexual não possui explicação científica. Também não se trata de uma escolha. A pessoa descobre-se ao longo da vida e, a partir daí, sabe se possui atração por nenhum, um ou mais gêneros. Você, certamente, conhece alguém que resolveu mudar de gosto ao longo da vida ;-).

Em tempo: um termo que não deve ser utilizado de jeito nenhum é o ‘homossexualismo” ou “bissexualismo”. O sufixo “ismo” refere-se a doenças. Essa mudança ocorreu em 1993, quando a Classificação Internacional de Doenças (CID) parou de considerar práticas homoafetivas como algo a ser tratado.

Vale a pena também lembrar o conceito de gênero, que significa o sexo que uma pessoa nasce: se veio com pênis, homem; com vagina, mulher; ou hermafrodita, quem possui sistemas reprodutores mistos. 

A orientação sexual também difere da identidade de gênero. Cisgênero, quem se identifica com o próprio gênero, e transgênero, quem não se identifica. Este último grupo é subdividido entre travestis, que não mudam radicalmente seu gênero, e transexuais, que rejeitam sua forma de nascença e optam por uma transformação completa.

Na primeira pesquisa de 2021, vi um teste bem interessante da IDRLabs, um centro de pesquisa utilizado por grandes empresas no mundo todo. Eles apresentam ali a Escala de Orientação e Resposta Erótica (EROS), uma espécie de quadrante para medir comportamento heterossexual e homossexual, bissexualidade e assexualidade. 

Os resultados originais obtidos por estudos da década de 1980, são ainda hoje reconhecidos como amplamente significativos, particularmente em relação ao estudo da bissexualidade.

Em nossa sociedade cheia de preconceitos, muita gente acaba reprimindo suas vontades e adotando um comportamento heterossexual, simplesmente por ser mais cômodo ou por agradar a família. 

O quadrante do teste Eros mostra que dificilmente há pessoas 100% com determinada orientação sexual: você pode ser hetero, porém, ali quase na fronteira do “bi” ou do assexual. Talvez isso explique, por exemplo, tantas fantasias, ou mesmo, falta de fantasias, dificuldade de se relacionar.

E aí? Que tal começar 2021 se conhecendo melhor? São apenas 15 perguntinhas e leva menos de 1 minuto. Faça o teste AQUI.