Karine Amâncio – Foto: André Giorgi, com beleza de Bruno César e styling de Bruno Uchoa

“Uma mulher negra, com uma visão diferente, que pode passar o que tem de experiência de vida e de diversidade para tentar mudar o ambiente de alguma forma.” É assim que Karine Amâncio define seu principal desafio pessoal e profissional, ao fazer parte da equipe de relações públicas de um dos principais grupos de luxo do Brasil, o JHSF. “Sempre digo que é algo muito além de mim, pessoa física, estar ocupando este espaço. É abrir caminhos para outras pessoas negras como eu”, completa a jornalista de 34 anos.

Atualmente, Karine faz parte da equipe de comunicação do grupo, sob comando do chief creative officer da companhia, Bruno Astuto, atuando com outros profissionais na linha de frente de imprensa e relações públicas de shoppings, como o Cidade Jardim e Shops Jardins (ambos em São Paulo), e 16 grifes internacionais que fazem parte do retail, como Balmain, Celine, Chloé, René Caovilla, Aquazzura e outras.

Por seu extremo bom gosto e faro para novidades, ela também é editora de acessórios do shopping. Atuando há cerca de um ano e meio ao lado deste time, Karine afirma que se esforçar para ser um fator de mudança é algo muito relevante para ela. “É um desafio gostoso e me vejo na posição de tentar fazer o máximo, me entregar de cabeça para tentar aplicar algum tipo de mudança – mesmo que seja mínima – porque tudo é um reflexo da sociedade em que vivemos.”

Karine entrou na faculdade de Jornalismo aos 17 anos, quando morava na gigante do interior paulista Ribeirão Preto. “Sempre fui muito comunicativa, gostei muito de aprender sobre tudo, de saber dos assuntos e de entender melhor o mundo”, conta sobre sua escolha profissional.

Seus primeiros passos na carreira foram em uma emissora local, onde de estagiária se tornou umas das âncoras do canal, e lá ficou por mais de quatro anos. Teve uma breve passagem fora do Brasil para estudar idiomas, e acabou se estabelecendo em São Paulo. Caiu no mundo de assessoria de imprensa ao se tornar amiga e colega de trabalho de Alexandra Loras, ex-consulesa da França, investidora-anjo e consultora de inclusão étnico-racial em diversas empresas do País.

Muito além de releases, formatação de campanhas ou relacionamento com jornalistas, o trabalho de Karine é levar para dentro dos shoppings e das marcas luxuosas um mailing diverso, a partir de pessoas do seu convívio ou mesmo por meio das redes sociais. O ponto de partida é que múltiplas raças se contemplem e se sintam parte integrante de toda a sociedade. E, para ela, este convite partir de uma pessoa negra faz toda a diferença: “Dá uma segurança de que aquele ambiente também é seu”.

Objetivo principal de seu trabalho? “É desmistificar o que é luxo, porque isso é algo muito particular. Trazer para dentro das campanhas e dos eventos todas estas pessoas”, diz, contando que não faz nada sozinha. “Tenho a sorte de ter amigos de trabalho que são aliados na luta. Trabalhamos a muitas mãos por eles serem apoiadores e estarem abertos a ouvir, entender e evoluir”.

O trabalho de Karine a coloca em um lugar de representatividade e referência para outras mulheres e homens negros que almejam postos similares. A pressão é constante, mas, para ela, isso não é um problema. “Sei da minha responsabilidade, mas isso não me assusta. Fico feliz que as pessoas tenham em mim uma visão e uma ideia de que o sonho delas é possível”.

Mas ela reconhece que o caminho da mudança é longo e passa pela transformação do pensamento, até que existam milhares de PRs negras no ramo da moda no Brasil. “Não quero ser a única. É um lugar de muita solidão. Não é um lugar legal. Quero que, cada vez mais, isso se normalize no Brasil todo”, diz, completando que seu maior desejo é chegar o dia em que diversidade e racismo não serão a pauta principal abordada por ela. “Meu sonho era que o racismo não existisse para que eu não precisasse falar dele. Ser negra me faz combatê-lo diariamente.”

Baixe a edição na Apple Store
Baixe a edição no Google Play