David Alexander Flinn - Foto: reprodução
David Alexander Flinn – Foto: reprodução

Por Paula Jacob

David Alexander Flinn não é apenas modelo. Com 27 anos e um desfile no currículo, ele contou a Bazaar como consegue mesclar a vida de artista com os backtages.

Quando pequeno David descobriu o gosto por artes manuais em uma viagem a Paris com sua família, mas foi na escola que recebeu o incentivo de uma professora de artes para continuar no ramo.

Aos 17 anos, porém, outra grande carreira o procurou, David foi chamado para modelar. Sem deixar o gosto pelas artes de lado, o jovem nova-iorquino deu inicio a um trabalho que levava tranquilamente, pois nunca foi prioridade na sua vida. Seu primeiro e único desfile, até hoje, foi para a Prada em Milão.

No ramo artístico foi reconhecido logo cedo por uma galeria local na cidade onde morava, e desde então já exibiu seu trabalho em mais de 20 mostras, em grupo e individualmente.

Foi chamado para mostrar seu trabalho em diversas publicações, até o The New York Times chama-lo para fazer um shooting com as suas obras. No dia seguinte da publicação, cinco marcas ligaram para o artista, que aceitou o convite de J.Crew para estrelar a nova campanha.

Dai em diante, diversos convites foram feitos, vários declinados e outros escolhidos a dedo, porque para ele o importante é seu trabalho como artista plástico. Uma coisa boa que David ressaltou é a compreensão da sua agencia de modelo, que por sinal tem vários outros nomes com profissões além de modelar.

Sobre o mercado? Flinn sabe bem o que quer, mas vê que a moda está caminhando para outro lado, buscando personagens que tenham um lado b interessante. Citou a Miu Miu como exemplo, quando escalou as atrizes Léa Seydoux e Adele Exarchopoulos como rostos da campanha Resort 2014.

Empolgado com sua vinda ao Brasil pela Triton, o modelo diz estar amando o verde nas ruas e o clima semi europeu de São Paulo.