Foto: Arquivo Harper’s Bazaar

A tecnologia veio facilitar as nossas vidas. No entanto, um problema que tem aumentado é o excesso de telas na rotina de muitas pessoas. Com o isolamento social, essa relação se intensificou ainda mais com a redução de oportunidades de atividades fora de casa. De acordo com a Akamai Tecnologias, o uso da internet durante a pandemia cresceu mais de 110%.

Além de estudo e trabalho, muitos passaram ainda a usar as redes para se comunicar com amigos e familiares. A internet fez com que as horas de lazer fossem ocupadas em frente às telas. Muitos somente trocam de tela: do computador para o tablet, do tablet para o celular. Porém o uso excessivo de telas apresenta suas consequências.

Sinais físicos e mentais podem surgir, devido ao uso exagerado dessas tecnologias, como dor de cabeça, cansaço, insônia e ansiedade. O estímulo de plataformas e aplicativos faz com que o cérebro libere dopamina e serotonina. Esse efeito pode ser recompensante e chegar até a um vício.

Inclusive, a Associação Americana de Psicologia adicionou o “Transtorno de Vício de Internet” à sua lista. É preciso prestar atenção, já que, como todas as formas de dependência, é difícil sair do ciclo. Observar-se é um bom começo, bem como fazer pausas e sair da frente das telas de maneira consciente. Perguntar-se como se sente quando passa muito tempo na internet é um bom caminho.

Diversos smartphones, como o iPhone 12, possuem recursos que contribuem para ter mais foco e diminuir o uso das telas ao longo do dia, como, por exemplo, o controle de tempo de uso, que ajuda a observar as atividades e o número de minutos no celular por dia. Essas funções ajudam a fazer com que o usuário se torne ciente de seu engajamento com a telinha. Assim, também é possível traçar objetivos de quanto tempo acha apropriado usar a internet por dia.

É importante adicionar alongamentos e caminhadas entre o uso e também investir em outros tipos de atividades físicas. Deve-se evitar a alimentação em frente às telas. É fundamental reservar tempo para comer uma refeição – de preferência, saudável – de maneira apropriada.

Cozinhar também pode ser uma forma de se esquecer das telas e focar nas receitas. Buscar atividades analógicas e construir novos hábitos pode ajudar, como, por exemplo, ler um livro ou jogar jogos de tabuleiro, ao invés de videogame. As crianças devem ser incentivadas desde cedo a fazer atividades que não envolvam a internet, como desenhar e brincar de forma lúdica.