Petter Rabit revisitado com look Dolce & Gabbana – Foto: Arquivo Harper’s Bazaar

Por Carolina Andraus 

Existem saltos quânticos nas nossas consciências que acontecem única e exclusivamente porque somos expostos a situações extremas de dor e perda, de desconstrução tão profunda que se deixarmos de reconhecer quem éramos, deixamos de existir, e somos transformados em nova pessoa. São momentos extremos, onde sofrimento acontece tão feroz e inexplicável, como uma avalanche que muda tudo, mas principalmente todos os antigos conceitos e valores. 

Estamos vivendo uma grande transformação da ordem mundial e, quer tenhamos a percepção ou não, a pandemia trouxe um coeficiente de sofrimento coletivo muito próximo ao de uma guerra mundial. A destruição estrutural visível não existe, porém a dor da perda, da separação, da incapacidade de ajudar, de corrigir, de salvar, são muito parecidas. Temos o privilégio, a vasta maioria de nós, de nunca termos sido expostos a guerras, mas o exercício da crise que acompanha uma longa pandemia nos dá uma leve ideia de como as coisas podem mudar rapidamente em situações extremas.

No domingo de Páscoa, data como tantas que acabou entrando para o calendário dos prazeres autopermitidos, onde chocolate, almoços deliciosos em família e brincadeiras com as crianças parece ser a ordem do dia, convido todos a fazerem uma reflexão da grande importância do amor maior e transformador, que é a grande mensagem do dia de hoje. Cristo, o próprio filho de Deus, dá sua vida por amor a nós, nos cobre com seu sangue e traz a nossa salvação através da morte e amor Dele. Acredite ou não em Jesus Cristo, tenha ou não religião, saiba ou não da razão de comemorarmos a Páscoa, o momento não poderia ser mais adequado para uma reflexão sobre o significado desse ato de profundo amor.

Quando pensamos na força transformadora que vem através do amor, sabemos que podemos enfrentar qualquer desafio. E quando nos conectamos a esse amor maior, esse amor espiritual que não faz distinção, sabemos que estamos protegidos, não importa o que aconteça.  E o amor nos conecta, em especial, com os sentimentos de compaixão e paz, onde conseguimos olhar uns para os outros, enxergar nossas fraquezas e falhas, e não julgar ou odiar ao próximo, mas principalmente a nós mesmos. Recebemos uma forma de perdão que é imprescindível para vivermos em paz.

Em um tempo em que estamos coletivamente expostos a riscos e, de uma forma ou de outra, estamos fora das nossas zonas de conforto, vivendo de formas diferentes nossas crises pessoais, por que não buscar mudar o foco, e buscar um olhar mais amoroso, de como ajudar, ter um impacto positivo, mesmo que seja só com um sorriso, na vida das pessoas a sua volta? Quando olhamos como podemos ajudar, o peso dos nossos próprios desafios diminui, tiramos a atenção e assim diminuímos a importância. Por que não usar esse principio básico da física quântica e viver uma vida mais leve?

Hoje estamos, mais do que nunca, todos profundamente conectados, seja por redes sociais, seja por um vírus que viaja e ultrapassa fronteiras e barreiras. Mas tudo isso apenas comprova que, em realidade, somos todos conectados por uma consciência maior, onde cada ação e atitude de cada um de nós traz um reflexo para o todo. 

Você pode chamar esse todo de natureza, meio ambiente, ou pode chamar de consciência coletiva, ou simplesmente de tendências mundiais, mas o fato é que somos parte de um todo, mesmo se pessoalmente ainda não temos essa consciência.

Temos a responsabilidade de ser parte dessa teia, e usá-la de forma a trazer a mensagem de renascimento constante, com a forca de um amor coletivo real, onde a verdade se mistura profundamente com a beleza, e fazer não apenas o que é certo, mas dar um pouco mais de nós para fazer o bem, te leva a milhares de milhas além de apenas um resultado imediato, ou uma imagem que te favorece perante os demais, mas proporciona um impacto transformador e multiplicador que vibra, se multiplica e se expande. 

Neste domingo de Páscoa seja você também parte de um renascimento de uma nova consciência, um olhar maior, e viva pelo menos um pouquinho mais com o amor profundo que os sobreviventes de grandes tragédias pessoais conhecem tão de perto. Viva essa possibilidade real sem ter que passar, necessariamente, pelo profundo sofrimento que para tantos de nós antecedeu nossos milagres pessoais. Decida ser parte do milagre transformador do amor, pelo amor, abrindo seu olhar para tudo o que estamos passando neste momento e decida renascer, decida ser diferente, ser uma pessoa nova e melhor. Hoje eu te convido a buscar esse download de consciência e viver uma vida pautada por uma paz infinita. Feliz Páscoa.  

Carolina Andraus é formada pela FGV, ex-mercado financeiro, empreendedora, desenvolveu e vendeu diversas empresas no mercado imobiliário. Globetrotter e cidadã do mundo, já morou em Londres, Paris, Nova Iorque, Boston, Istambul e Frankfurt. Recentemente voltou a estudar na Harvard Business School e passou a escrever sobre mulheres inspiradoras, comportamento, e viagens.