Foto: Reprodução/Instagram/@6fdecoracoes

O isolamento social, medida para conter o avanço do número de contaminações causadas pelo coronavírus, fez parte da realidade de muitos brasileiros especialmente durante os primeiros meses de pandemia. Mudanças na decoração e adequações nos espaços da casa marcaram o período e seguem ditando tendências na forma de arranjar os interiores, de acordo com a necessidade de cada um.

Durante esses meses, parte da população passou a trabalhar e estudar de maneira remota, saindo de casa esporadicamente. O cenário criou a necessidade de algumas mudanças, tanto para aprimorar o funcionamento da rotina, quanto para aumentar o sentimento de conforto e acolhimento no espaço caseiro.

As redes sociais, como o Instagram, serviram de espaço para compartilhar diferentes ideias e dicas sobre como transformar cada cômodo em um ambiente especial, com personalidade e praticidade, tão importante para garantir a tranquilidade do dia a dia.

Mudanças estruturais e muito complexas deram espaço ao cuidado com os detalhes, e a decoração de interiores foi a ferramenta principal para garantir um clima novo. Por se tratar de alterações na decoração, e não pontos envolvendo a estrutura da casa, os próprios moradores da casa podem se encarregar das mudanças – basta adquirir os materiais necessários e lembrar de usar equipamento de segurança.

Já para quem não tem certeza sobre o melhor estilo de decoração e prefere ser guiado por um profissional pode ser uma boa alternativa buscar o auxílio de um especialista em design de interiores, que pode fazer sugestões acerca de cores, móveis e peças para renovar o cômodo. Confira as tendências de decoração que tomaram conta das redes sociais.

Urban Jungle

Foto: Divulgação

As fotos de apartamentos dos mais diferentes estilos, com muita entrada de luz do sol e várias plantas espalhadas pelo local, apareceram com frequência nas redes sociais, deixando claro que a selva urbana ganhou o coração de muitas pessoas.

Com mais tempo em casa, o brasileiro encontrou nas plantas um refúgio, lembrando também um momento antes da pandemia, quando era possível aproveitar a natureza e o ar puro sem muita preocupação. O momento de cuidar das plantas foi usado por muitos como terapia, garantindo a beleza do verde que tomou conta de casa.

Para quem não está habituado a ter plantas, a dica é começar com algumas espécies mais simples, como a peperomia, a samambaia ou a espada-de-são-jorge, e com o tempo ir acrescentando novos tipos à coleção. Investir em vasos pendentes e plantas colocadas sobre banquinhos e outras estruturas com alturas variadas é uma ótima estratégia para dar o aspecto de selva.

Paredes coloridas

Foto: Reprodução/Instagram/@6fdecoracoes

Em um período cheio de preocupações e anseios, trazer as cores para o ambiente diário é uma boa maneira de levantar os ânimos dos moradores. Por conta disso, as paredes coloridas apareceram como uma das principais tendências durante a quarentena e seguem sendo incorporadas à decoração. Além da parede pintada com uma única cor, as formas geométricas também tiveram destaque em uma mistura que transforma o lugar.

O uso das cores na parede pode, inclusive, ajudar a delimitar os espaços, o que se torna essencial para quem passou a trabalhar e estudar em casa, muitas vezes precisando transformar um único cômodo em escritório, sala de aula para as crianças, quarto e espaço de descanso. Espaços pintados ajudam a levar o olhar naquela direção, criando uma divisão entre o restante do cômodo.

Móveis com diferentes funções

Um espaço prático e versátil se tornou necessidade durante este período, facilitando as tarefas diárias e evitando confusões e bagunça. Mesa dobrável, banquinhos que viram baús, nichos em todos os cantos da casa… Incorporar esse tipo de marcenaria dentro de casa faz toda a diferença e será um investimento útil até mesmo com o retorno das atividades presenciais. Investir em peças duráveis, como madeira e ferro – outra tendência do momento -, deixa o ambiente com um ar natural e garante que os itens serão usados por muito tempo.