Diana Motta - O Ciclo de Câncer e nossas emoções
Foto: Arquivo Harper’s Bazaar

Por Diana Motta

Para escrever sobre o mês de Câncer, convidei minha professora e astróloga Batsheva Shouster para conversar. Jornalista de formação e hoje professora de kabbalah, Batsheva impactou milhares de vidas, não apenas como professora, mas também como uma pesquisadora, tradutora, coordenadora de classes, astróloga e especialista em meditação, nos Kabbalah Centers ao redor do mundo.

Há 22 anos, conheceu a Kabbalah, uma sabedoria que pode ser estudada por qualquer pessoa, independentemente de religião ou crença, que tem a astrologia como uma ramificação, e entrou de cabeça. Depois de estudar kabbalah por dois anos, Batsheva deixou seu emprego como fotógrafa jornalística de um jornal em Israel e viajou para Índia, África e por toda a Europa. Hoje, reside em São Paulo com seu marido que é também professor de Kabbalah. Batsheva sempre gostou de astrologia, mesmo quando era criança, queria saber o que se passava no céu e sempre soube que existia uma dimensão mais profunda da astrologia além do convencional.

Batsheva explicou que “de acordo com a kabbalah, não somos planetas”, temos uma escolha livre. Conhecendo o seu mapa, a energia que te afeta irá ajudá-lo a aplicar seu livre arbítrio. “O livre arbítrio vem com trabalho e compreensão, também como professora não posso dizer o que fazer, mas posso dar-lhes as ferramentas para fazer as escolhas certas”, diz.

A seguir, Batsheva desvenda alguns mistérios sobre a temporada de Câncer, considerado um dos ciclos mais desafiadores do ano, e aponta um caminho para tirar o melhor proveito desse período com a ajuda do cosmos:

Como você tem usado seus aprendizados em sua vida? Por favor, dê um exemplo prático de como saber sobre astrologia pode ajudar na vida de uma pessoa. Como isso ajudou a sua?

A primeira vez que comecei a praticar essa sabedoria foi com meu pai, sempre tive dificuldades com ele, ele era um sobrevivente do holocausto e não era simples me comunicar com ele. Eu tinha muita raiva dele e aos poucos comecei a compartilhar com ele energia para dizer que o amo e apenas para me importar sem motivo, e no final de sua vida nos tornamos amigos, quando ele faleceu estávamos em paz.

Eu também pratico cabala e astrologia com meus filhos, cada um deles é diferente e responde a um tipo diferente de educação. Eu sou flexível, mas eventualmente sei que é importante que eles sintam o amor incondicional que está vindo de mim para eles.

Também muito importante, é que comecei a ensiná-los desde os dois anos sobre a voz do oponente e a voz da alma e como diferenciá-los. Cada um de nós tem duas forças dentro de nós, uma que está nos ajudando a crescer e nos conectar com nossa alma, que é divina, e outra que está tentando nos limitar – que é o oponente. Então, desde que eles tinham dois anos estou trabalhando isso com eles por meio de perguntas e conversas.

Estamos entrando no ciclo de Câncer, por que esse signo tem esse nome?

“Câncer” em hebraico significa remoção da confusão. O mês de Câncer tem a capacidade de remover a confusão. Há uma razão pela qual somos do jeito que somos, que não podemos ver o passado, presente e futuro como um e há uma razão pela qual não sabemos exatamente o que acontecerá amanhã. É porque viemos aqui para escolher trazer valor, para escolher nos conectar com o lado do amor e da paz do universo, e é por escolher que podemos ter mais certeza.

Quais são as características da temporada de Câncer? O que podemos esperar dela?

Câncer é a água da água – por isso é muito emocional e intuitivo. Gostamos de compartilhar, às vezes, demais. Temos que ter cuidado em nosso compartilhar neste mês para que não venha de um lugar de carência, mas de um lugar de poder, compartilhar nos ajuda a nos conectar com Deus, mas precisa vir do lugar certo. Cancerianos são ótimos professores e têm grande empatia, precisam aprender a falar de forma proativa e não empurrar coisas na barriga, pois não falam e guardam tudo dentro. Eles têm tendência a explodir de forma inapropriada. Dessa forma, eles têm muitos medos e por isso tentam controlar tudo, inclusive os filhos. Precisam aprender um pouco a confiar no processo.

Quando trabalhamos em nós mesmos, receberemos apenas o bem.

Alguma dica prática sobre o que podemos fazer neste ciclo para aproveitá-lo ao máximo?

  • Fale sobre seus sentimentos, se você está em uma discussão você pode esperar ou dizer vamos conversar amanhã. Assim você virá com um estado de espírito mais claro.
  • Não espere que as pessoas lhe deem energia, gere-a você mesmo.
  • Use sua intuição de forma a construir coisas em sua vida.
  • Realize pequenas ações positivas para se sentir melhor.
  • Não negligencie seu trabalho espiritual.

Algum conselho para as pessoas que ainda não “acreditam” em astrologia?

Sabemos que a Lua controla a água do nosso corpo. Sabemos que a Lua pode mudar a água do oceano. Se a Lua faz isso em algo enorme como o oceano, definitivamente o faz em nosso corpo também. E as fases da lua nos influenciam como o resto da água no mundo.

Para conhecer mais sobre o trabalho de Batsheva Shouster, acesse seu perfil no Instagram.

Diana Motta (@dika_astral), além de artista visual, é também astróloga cabalística. Começou seu estudo no Kabbalah Center de Nova York, cidade onde morou durante quatro anos para fazer pós-gradução na NYU em design e tecnologia. De volta ao Brasil, continuou seus estudos por aqui, onde trabalhou como intérprete e tradutora de cursos e palestras, além de traduzir livros e publicações do Kabbalah Centre, assim como a tradução do livro sagrado da Kabbalah, o Zohar, que ela lê em aramaico e hebraico. Formou-se como astróloga pela escola internacional Academy of Kabbalistic Astrology. Hoje atua como profissional na área, com atendimento personalizado de mapas astrais e acompanhamento individual, que inclui, entre outras coisas, interpretação de sonhos. Tudo pela perspectiva cabalística. Resultado de 13 anos de dedicação e comprometimento com o estudo contínuo dessa sabedoria milenar.