Foto: Arquivo Harper’s Bazaar

Por Diana Motta

O signo de Libra corresponde ao sétimo mês do ano astrológico, que se inicia com o mês de Áries. Libra marca o começo da segunda metade do ano, justamente a parte da energia feminina. Os cabalistas explicam que a primeira metade do ano, que vai de Áries a Virgem, é a metade masculina, pois é quando iniciamos, germinamos, fertilizamos, plantamos relacionamentos, ideias, projetos.

A segunda metade, na qual entramos agora, portanto, torna as coisas manifestadas, como a mulher que dá a luz, ela manifesta a semente. Os benefícios do que fizemos antes então são colhidos na segunda metade. Ou seja, todas as sementes que plantamos na primeira metade, agora há a oportunidade de colhê-las.

Segundo o calendário cabalístico, Libra, e especificamente em seus dois primeiros dias, tudo pode ser transformado para muito melhor em todos os aspectos de nossas vidas, tanto no âmbito físico quanto no espiritual. Muita gente não sabe, mas essa é uma das razões para o símbolo da balança. Pois nos dois primeiros dias de Libra a alma de todos os seres humanos está sendo pesada, medida e avaliada na balança de Libra. O quanto agimos com nossa alma, e o quanto agimos com o nosso ego. Para os cabalistas, essa é uma janela cósmica muito especial.

Quando a Lua Nova de Libra aconteceu na história da criação, foi quando Adão foi criado, e ele representa a alma original de todos os seres humanos. Então cada vez que voltamos a esta mesma data no tempo é como se estivéssemos recebendo uma nova alma, novamente. A boa notícia é que tudo pode ser transformado, alias, os cabalistas dizem que é exatamente por isso que devemos pedir.

Meu mestre Rav Berg sempre diz, “consciência é tudo”. Pois quando eu tenho a consciência de que essa troca está em jogo no universo eu posso tirar melhor proveito dela. Então, devo pedir para receber absolutamente tudo que sou destinado a ter.

O mês de Libra, portanto, é quando o ciclo de manifestações realmente é criado e devemos sempre pedir mais, pois nada permanecerá como no passado. Queremos tudo novo e melhor do que era, é muito importante não nos contentarmos com menos que isso. Por isso temos que começar esse ciclo com a mentalidade de que não temos nada, e com a consciência de que queremos ter tudo. A consciência é: ter nada e querer tudo. Pois nada permanece do ano anterior, então se começamos com nada, podemos pedir por tudo. Saúde, sustento, bênçãos e completo preenchimento.

Libra é conhecido por se dar bem com todos os outros signos, pois ele representa justamente a alma original de todos humanos. Além desse impacto na humanidade como um todo, a temporada de Libra também influencia cada um de nós pessoalmente. Libra é regido por Vênus. Vênus também rege Touro, porém Libra é um signo de ar, enquanto Touro é de terra. Por isso Libra é um signo que se interessa mais por ideias, trocas e relacionamentos. Isso faz dos librianos pessoas articuladas, diplomáticas e inteligentes. Por conta disso eles adoram se relacionar, estar na presença de outras pessoas e acordar, trocar e colaborar. Todos seremos influenciados por essas força durante o ciclo de Libra, e devemos tirar proveito de suas qualidades.

Diana Motta (@dika_astral), além de artista visual, é também astróloga cabalística. Começou seu estudo no Kabbalah Center de Nova York, cidade onde morou durante quatro anos para fazer pós-gradução na NYU em design e tecnologia. De volta ao Brasil, continuou seus estudos por aqui, onde trabalhou como intérprete e tradutora de cursos e palestras, além de traduzir livros e publicações do Kabbalah Centre, assim como a tradução do livro sagrado da Kabbalah, o Zohar, que ela lê em aramaico e hebraico. Formou-se como astróloga pela escola internacional Academy of Kabbalistic Astrology. Hoje atua como profissional na área, com atendimento personalizado de mapas astrais e acompanhamento individual, que inclui, entre outras coisas, interpretação de sonhos. Tudo pela perspectiva cabalística. Resultado de 13 anos de dedicação e comprometimento com o estudo contínuo dessa sabedoria milenar.