Em algum momento da sua vida, você vai depender da boa vontade de pessoas que praticam a má vontade. Desde um amigo que ficou de te passar um endereço, passando por um advogado que deve uns documentos, e chegando no clássico e temido programador de blogs/sites que some na hora do problema.

Enfrento diariamente, e venho enfrentando há anos, todos eles. Alguns fazem a linha “João sem braço”, outros não dão mesmo a mínima pra você, mas com o tempo desenvolvi métodos que fazem qualquer pessoa sem disposição, preferir resolver o seu problema logo. Tomem nota das minhas 5 dicas.

Primeira dica: Nunca perca o bom humor. Não existe nada mais irritante do que um chato sendo legal. Mande e-mails cobrando o serviço com piadinhas sem graça, tipo, “Olha quem tá aqui outra vez! Já chegou a documentação, amigão?” quanto mais constrangedor, melhor. A pessoa pode encerrar o e-mail com grato ou atenciosamente, mas você não, você manda beijos, coloca carinhas felizes e se possível um “PS” bem longo e sem sentido. “PS: Queria resolver isso logo, uns lances de astrologia e datas. Não sei como explicar, mas acredito em algo além, acredito em você. Obrigada pela luz, você já reparou na somatória de suas vogais? Pense nisso.”

Segunda dica: Utilize todas as formas de comunicação. Mande e-mails e ligue na sequência avisando que você acabou de mandar um e-mail. Minutos depois mande uma mensagem de texto com um “Qualquer coisa me liga, viu?”. Caso a pessoa não te atenda, deixe longos recados na caixa postal, dizendo local, hora, data e repita o número do seu telefone duas vezes pausadamente. Adicione a pessoa no Facebook e se possível marque-a em flyers de festas e vendas especiais de lojas. A mesma coisa no twitter, mande mensagens babacas, “Ótima segunda-feira, vamo que vamo!”, indique-a no #FF. Trabalhe também via BBM, WhatsApp, Voxer, esteja por toda parte.

Terceira dica: Inove nos horários de ligação e nos métodos de envio de mensagens. Ligue de preferência antes das 8h e depois das 22h. Envie mensagens de texto durante a madrugada, envie a mesma mensagem mais de uma vez, e sempre mande minutos depois um, “Recebeu minha mensagem?”. A mesma coisa com e-mails, encaminhe os mesmos e-mails de 3 a 4 vezes, e se puder encaminhe e-mails errados e depois mande outro pedindo desculpas pelo erro. Inclua a pessoa em correntes de seus familiares.

Quarta dicas: Crie uma intimidade onde não existe. Invente um apelido para a pessoa, exemplo: Se ela chamar Paula – Pautele, Pedro – Pedrosa, Marcos – Marqueta. Desabafe problemas familiares, se conseguir, chore durante as ligações e peça conselhos. Conte casos revelando intimidades suas, faça perguntas constrangedoras e de cunho pessoal.

Quinta dica: Minta descaradamente. Minta que você indicou os serviços da pessoa a um amigo e que ele deve ligar ainda hoje. Minta que o seu celular acabou de tocar e era ela, ou que chegou uma mensagem de texto, um email estranho. Minta que você acha que a viu na Avenida 9 de julho, que você a comprou um presente, e que você conheceu alguém que também é cliente dela, mas que você não lembra o nome, talvez seja João, “Você conhece algum João?” descreva a pessoa por horas. Minta que você resolveu o problema (os documentos chegaram, você arrumou o blog ou achou o endereço) e depois ligue dizendo que você se confundiu, assim a pessoa sentirá por alguns minutos o alívio de não o ter mais em sua vida.

Espero ter ajudado! Caso o querido leitor tenha alguma dica, por favor, manifeste-se  nos comentários, afinal de contas, é aborrecendo que se resolve.