Foto: Arquivo Harper's Bazaar
Foto: Arquivo Harper’s Bazaar

Idealizado pelo Movimento EcoEra, a plataforma “A Moda pela Água” foi criada como um espaço de inovação, conhecimento e transparência, onde as empresas e consumidores se encontram e compartilham suas iniciativas referentes ao consumo consciente de água. “A moda é um repórter do seu tempo e hoje existe a necessidade de se falar sobre o uso responsável da água e de que forma isso afeta toda a indústria”, afirma Chiara Gadaleta, expert em sustentabilidade na moda e fundadora do Movimento EcoEra.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

O objetivo da plataforma, que será lançada nessa sexta-feira (10.05), em São Paulo, é fomentar a discussão sobre a temática e disponibilizar um ambiente no qual as empresas, projetos e consumidores finais forneçam e compartilhem informações sobre suas práticas para colaborar com a redução do consumo de água, referente à esfera institucional ou comercial das marcas.

Após análise do EcoEra, cada marca terá uma página onde serão publicadas suas condutas em prol da causa, a gestão do recurso hídrico em sua cadeia de valor e, principalmente, de que forma cada empresa se dispõe a fazer parte da mudança no cenário atual.

Os consumidores finais também poderão participar da iniciativa por meio de um manifesto que, ao assinar, cada indivíduo se torna um agente responsável pela mudança. A missão é criar um espaço de discussão e interação entre o público, de forma que todos se tornem Guardiões da Água.

O primeiro ano do projeto será marcado por encontros presenciais, palestras com especialistas e roda de conversas entre consumidores e empresas. Em 2020, “A Moda pela Água” apresentará o resultado de um ano de trocas e pesquisas no dia 22 de março, Dia Mundial da Água, quando será realizado o primeiro Summit em torno do tema para o mercado de moda. Agentes do terceiro setor, empresas e consumidores finais irão participar de mesas redondas, debates e painéis sobre os próximos passos em relação ao uso responsável em toda a cadeia. “Trata-se de uma responsabilidade compartilhada e cada um de nós pode colaborar para que a moda se responsabilize pelo seu consumo de água. Estamos falando de um recurso vital para nossa sobrevivência”, completa Chiara.

A plataforma será um ponto de encontro de todo o mercado da moda para buscar soluções para o desperdício de água. As empresas signatárias farão parte desse hub de marcas comprometidas com o uso consciente da água em toda a sua cadeia de valor.

Pegada hídrica Vicunha
A Vicunha Têxtil e o Movimento EcoEra se juntam para lançar o projeto “Pegada Hídrica Vicunha”, que utiliza métricas próprias para mapear o consumo de água no ciclo de vida de uma calça jeans – desde o plantio do algodão, até o consumidor final. Para produzir uma calça jeans, são consumidos 5.196 litros de água.

O projeto chega com o objetivo de promover transparência na cadeia da moda e fortalecer o setor, unindo os principais players em prol da criação de indicadores brasileiros na gestão sustentável da água. O cálculo segue uma metodologia científica internacional para mapear o uso de água nos processos, e o estudo se amplia além do volume de água captada em cada etapa.

“A ‘Pegada Hídrica Vicunha’ calculará o volume de água gasto em toda a produção do jeans por meio de uma metodologia dividida em três etapas: a Pegada Verde, que envolve o volume da água da chuva, principalmente utilizada nos processos agrícolas; a Pegada Cinza, que é o volume demandado pelos rios para assimilar a carga química contida na água que é devolvida para a natureza; e por fim, a Pegada Azul, o consumo advindo das fontes de água doce, subtraído do volume de efluentes devolvido ao meio ambiente”, explica Claudio Bicudo, CEO na H₂O Company.