Especial Dia Internacional da Mulher: Laura Magri
Foto: Divulgação

Laura Magri confessa que pulou algumas etapas em sua avant-première como empreendedora, mas que mesmo assim ganhou expertise para alçar voo solo. Depois de ser sócia de uma agência de comunicação, Laura partiu para um mercado altamente rentável, o erótico – com cifras que ultrapassam a casa de 1 bilhão de reais por ano –, porém, cercado por falsos moralismos.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Em 2015, ela se juntou a mais de 100 mil empresários do segmento, e deu início as operações da Nuasis, e-commerce de sex toys feitos para atender todos os públicos.

“Era um universo novo para mim. Abrir uma marca e desenvolver produtos foi totalmente desafiador. Mas, para que desse certo, precisei entender como o negócio funcionava no Brasil e driblar uma porção de tabus. Admito que se a inauguração da minha loja fosse hoje, eu teria sido muito mais incisiva com algumas questões e seguido as minhas intuições”, revela.

Nessa levada, ela discorre sobre as dificuldades de comandar uma empresa: “Não acredito necessariamente que o empreendedorismo feminino tenha obstáculos maiores do que o masculino. Acho que o problema aqui é a ‘síndrome da impostora’ (termo psicológico usado para descrever um padrão de comportamento, no qual a pessoa questiona as próprias realizações e sente medo persistente de ser exposta), que, historicamente, diminui as chances de sucesso de as mulheres se darem bem.”

“Para mim, a dica é ser intuitivo. Quem quer dirigir o próprio negócio precisa saber ouvir – clientes, amigos, concorrentes e fornecedores –, e estar atento às demandas e aos movimentos da sociedade”, aconselha Laura Magri.