Francisco Costa – Foto: Ana Branco/Agência O Globo

Desde que deixou o cargo de diretor criativo da Calvin Klein, em 2016, Francisco Costa teve o primeiro contato com tecidos para colocar em pé uma coleção bem diferente do que estava acostumado. Ao invés de ter pela frente a semana de moda de Nova York, a passarela será a Sapucaí, e, no lugar de modelos, vai vestir a comissão de frente da Beija-Flor.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Uma tarefa e tanto, garante o estilista, que compara o desafio ao da logística de fazer uma coleção de alta-costura. “Que também nunca fiz”, contou ele à Bazaar, aos risos. Foram esses desafios, somados à paixão pelo Carnaval, que fizeram com que ele aceitasse, de imediato, o convite do coreógrafo Marcelo Misailidis, que também integra o Corpo de Baile do Theatro Municipal do Rio de Janeiro.

Costa guarda segredo sobre as fantasias. No entanto, explica que criou os 25 croquis em Nova York, onde mora, e passou uma semana, no final do ano, na capital fluminense, acompanhando a dinâmica do ateliê da Beija-Flor. “Com o passar do tempo, houve uma evolução da concepção de uma comissão de frente. Há mais flexibilidade, o que permite um trabalho mais criativo”, explica.

O traço minimalista, que marcou seu trabalho, estará na avenida, mas junto virão referências à cultura brasileira, dialogando com o enredo “Se Essa Rua Fosse Minha”. A ideia é utilizar materiais sustentáveis. Mais um ponto de sintonia com o estilista, que, em 2018, lançou a Costa Brazil, marca de beleza que reúne produtos feitos com ingredientes naturais da Amazônia e mantém parceria com a ONG norte-americana Conservation International – por aqui, contribui para o empoderamento das comunidades ribeirinhas.

As coincidências não param por aí. Quando era pequeno, acostumou-se a ver a mãe, Maria Francisca, não poupar esforços para o sucesso da escola de samba de sua cidade, Guarani, no interior de Minas Gerais. Entre as grandes, a Beija-Flor era uma de suas preferidas. Tudo isso junto faz o coração bater mais forte. “Tem sido uma loucura”, diz Francisco Costa, que é frequentador assíduo dos carnavais cariocas, mas vai estrear também como integrante da azul e branca. Não vai ser fácil segurar tanta emoção.