Foto: André Giorgi
Foto: André Giorgi

O dia da empresária Gisela Assis começa às 5h30 para fazer o café da manhã dos três filhos, Gustavo, Joaquim e Carlota, e prepará-los para a escola. Às 9h, já está no escritório da Lapima, que fica a 15 minutos da casa localizada em um luxuoso condomínio, em Campinas, interior de São Paulo.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

O almoço reúne novamente a família, incluindo o marido, Gustavo, diretor criativo da marca de óculos lançada em 2016 e que já está em 28 endereços no exterior, além dos e-commerces Moda Operandi e Barneys. O foco na exportação, que consome 70% da produção, continua sendo o combustível para este ano.

A meta é aumentar os pontos de venda em hotéis de luxo, a exemplo da rede Four Seasons, no Havaí e em Miami, Le Bristol, em Paris, e Palácio Tangará, em São Paulo. “Nesses lugares, óculos de sol são bem-vindos o ano inteiro”, diz ela sobre a estratégia comercial. Outro plano é inaugurar o primeiro showroom paulistano.

“Trabalho 24 horas, sete dias por semana. Graças a Deus, adoro o que faço”, conta, no maior entusiasmo. E não é à toa. Ela é o business de um projeto de família, pensado sob medida para unir lifestyle e negócio. A empresa está tão conectada com o dia a dia do casal e das crianças que é considerada o quarto filho.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A disciplina para organizar todas as agendas e dar conta dos contatos internacionais é herança dos tempos de bailarina. A atividade iniciada ainda criança a levou, aos 14 anos, para a Europa, onde ficou por quatro anos. Até os 24, dançou balé clássico profissionalmente, apesar de ter se formado em publicidade. Uma lesão no tornozelo mudou o rumo da carreira.

Virou sócia do marido na rede de lojas de varejo de moda, até que o casal resolveu começar um novo negócio do zero. A escolha pelos óculos foi um processo natural depois de um balanço de seus gostos pessoais. “Adoramos o acessório, vimos um espaço a ser ocupado no mercado de luxo e que poderia estar conectado com as artes”, explica Gisela, que adora levar os filhos a espetáculos de dança e mantém em casa uma pequena coleção de arte, com obras de nomes como Vik Muniz e Adriana Varejão.

Por esse motivo, a foto de Gisela foi feita na Galeria Nara Roesler, em São Paulo. Com estrutura de ateliê – todos os óculos são feitos à mão a partir de matéria-prima italiana – e processos de alta tecnologia moldando armações em volume 3D, a marca lança apenas três modelos a cada estação, sem abrir mão dos anteriores.

Seu carro-chefe, por exemplo, continua sendo o primeiro, “Carlota”, em homenagem à caçula, sempre por perto no dia a dia da Lapima. Aliás, o nome da marca surgiu da forma como o primogênito, Gustavo, pronunciava “lá em cima”. “Pensando a longo prazo, estamos construindo uma empresa para nossos filhos.”

Leia mais:
Sabrina Sato usa R$ 77,9 mil em joias em primeira foto com Zoe
Concept store em São Paulo reúne joias garimpadas pelo mundo
Aos 82 anos, Vera Valdez encerra carreira na moda: “a partir de agora, falem de mim como atriz”