Look total Giambattista Valli. Colar e Braceletes CZ por Kenneth Jay Lane; sandálias Manolo Blahnik.  – Foto: Michael Flores/ Harper’s Bazar
Look total Giambattista Valli. Colar e Braceletes CZ por Kenneth Jay Lane; sandálias Manolo Blahnik. – Foto: Michael Flores/ Harper’s Bazaar

Por Luísa Graça

Há algo sobre as garotas em voga na moda hoje. Uma ideia de que são privilegiadas e de que não fazem nada além de se sentarem, belas, na primeira fila de desfiles e ganharem roupas de graça. Julia Restoin-Roitfeld – realeza da moda e de criação bourgeoise – poderia ser, equivocadamente, colocada nesse pedestal, não fosse tão pé-no-chão.

São 9 horas da manhã de uma quarta-feira. Julia, 33 anos, está em casa, prestes a receber um pintor para decorar o quarto de sua filha, Romy, em um novo apartamento em Chelsea – bairro onde já morava, em outra rua. É semana de moda em Nova York, mas ela diz não ter visto quase nenhum desfile. “Tenho me irritado um pouco com essa situação toda dos blogs. Há muitos fotógrafos na porta e todo mundo querendo chamar atenção, vestindo roupas exageradas. Gosto de ir a desfiles, mas não tenho um real propósito para estar lá, sabe? Não sou editora de moda, não quero ir só para ser fotografada. Esse exibicionismo é o que mais me incomoda na moda hoje”, desabafa a diretora de arte e, cada vez mais frequentemente, modelo de campanhas de peso (como a da Givenchy, na qual posou ao lado da mãe), dizendo que só foi aos desfiles de Alexander Wang e Theory para apoiar os amigos.

Mas, claro, acompanhou também a abertura da exposição de Peter Lindbergh na recém-inaugurada galeria de seu irmão, Vladimir, e a estreia do documentário Mademoiselle C, sobre sua mãe, Carine Roitfeld, que aconteceram, paralelamente, naquela mesma semana.

O nome de Carine – em versão mãe, e não diretora de moda – surge na conversa o tempo todo. Julia é inspirada pela incrível habilidade da editrix de conciliar família e carreira, principalmente agora que se tornou mãe da pequena Romy, de 1 ano e 7 meses. “Ela já é avó e tem tanta energia, tantos projetos. Não posso nem pensar em dizer que estou cansada perto dela [risos]. Não sei como ela consegue”, conta a francesa, realmente intrigada. “Espero ser como ela e que eu e Romy tenhamos a mesma cumplicidade que tenho com a minha mãe. Conversamos sobre tudo, desde sempre”, completa, contando que Carine a criou com educação burguesa, com direito a aulas de equitação, piano e balé depois da escola.

Look total Azzedine Alaïa. Colar De Grisogno e anel Mateo Bijoux – Foto: Michael Flores/ Harper’s Bazar
Look total Azzedine Alaïa. Colar De Grisogno e anel Mateo Bijoux – Foto: Michael Flores/ Harper’s Bazaar

Embora gostasse de se vestir de sereia e Minnie Mouse quando criança, foi só quando sua mãe começou a trabalhar com Tom Ford, na Gucci, que Julia passou a se interessar por moda, quando já tinha por volta de 20 anos. Tom Ford foi também o homem que fez o elogio definitivo a ela: disse que Julia era a exata definição de beleza. “Ele é um scanner! Enxerga tudo, qualquer espinha e cabelo fora do lugar. É tão exigente que chega a ser intimidante. Esse é um elogio e tanto!”, diz, rindo, um pouco sem graça. A beleza de Julia pode ser, inequivocamente, marcante – seus traços harmoniosos, o olhar intenso e as sobrancelhas grossas tornam um desafio não pasmar diante dela –, no entanto, sua bela aparência não se sobrepuja à sua atitude natural, herdada da mãe. “Acho que beleza é confiança e serenidade.” Sim, ela é segura e confiante, mas é interessante perceber que seu jeito de se vestir, sexy e sedutor, não é tanto fruto de sua personalidade, mas de seu tipo de corpo.

“Jeans e camiseta ficam incríveis se seu corpo se parece com o de Jane Birkin. Mas não acho algo lisonjeiro para quem tem curvas, então opto pelo look óbvio e sexy. Eu me visto assim, mas não saio por aí flertando com todo mundo [risos]. Gosto de vestidos mais curtos, porque é o que me faz sentir bem em frente ao espelho. Não me visto para os outros”, conta ela, que tem como peças-chave no guarda-roupa vestidos pretos míni, um par de sapatilhas Manolo Blahnik, stilettos pretos Miu Miu e uma bolsa Chanel clássica. As obsessões atuais? “O vestido longo preto T by Alexander Wang e a camisa jeans T by Alexander Wang”.

Julia ganhou 22 quilos durante sua gravidez e, aos poucos, emagreceu esses e mais alguns. “Trabalhar e ser mãe é a melhor dieta”, brinca, dizendo que não tem mais muito tempo para se olhar no espelho ou para manter o terrível hábito de se pesar todos os dias. “Estou mais confortável com meu corpo desde que virei mãe. Deixei de me incomodar com coisas como o tamanho do meu quadril. Na verdade, passei a gostar daquilo que antes via como defeito.” Recentemente, ela começou a fazer boxe com o treinador Will Torres, e tem se espantado não apenas com o efeito terapêutico do esporte, mas também com a mudança de seu corpo. “Nunca tive abdômen definido antes. E, diferentemente de tediosas caminhadas em uma esteira, boxe é muito divertido. Quando a aula acaba, eu penso: ‘Já? Quero mais’. É uma ótima atividade para o corpo e para a mente.”

Vestido Michael Kors. Brincos Ivanka Trump – Foto: Michael Flores/ Harper’s Bazar
Vestido Michael Kors. Brincos Ivanka Trump – Foto: Michael Flores/ Harper’s Bazaar

O término recente do relacionamento com o pai de sua filha, o modelo Robert Konjic, abalou-a um pouco, embora os dois mantenham uma relação próxima, como amigos. “Meus pais ainda estão juntos após 35 anos e eu sempre achei que teria o mesmo. Isso é um pouco…” – o fim da frase fica no ar. “Só espero que eu possa dar conta de tudo e que a Romy consiga entender essa decisão no futuro. É um desafio criá-la sozinha, mas me faz querer ser uma mãe ainda melhor para ela.”

O nascimento da filha também mudou o rumo da carreira da diretora criativa. Por causa dela, Julia criou o site Romy and the Bunnies, lar para conversas sobre o universo da maternidade, com dicas de beleza, saúde e, claro, o melhor da moda infantil. “Quero virar uma Martha Stewart da maternidade! Com fashion appeal, obviamente.” Lingeries para mulheres grávidas, roupas infantis e roupas de cama estão nos planos da francesa, que também tem trabalhado em parceria com uma organização de caridade chamada The Smile Train, em prol de crianças com lábio leporino.

It girl é um termo que a incomoda? “Só no sentido de que o termo sugere uma garota do momento. Trabalho bastante e espero que minha carreira dure mais do que isso”. O pintor está para chegar, é hora de nos despedirmos. Julia me conta os planos para o quarto de Romy: cinza nas paredes e decoração antique, com peças decorativas que eram dela quando criança. “E nada de rosa!”