Halima para Fenty Beauty – Foto: Reprodução/Instagram/@halima

Através de uma série de stories contextualizados com a crença mulçumana e a cultura somali, Halima Aden, uma das primeiras modelos a estampar capas de revista e atravessar passarelas usando hijab, anunciou que irá se afastar da carreira de modelo. Segundo ela, o mundo da moda a forçou a transgredir suas crenças religiosas.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Para anunciar sua decisão, Halima compartilhou uma série de imagens que ilustram as situações em que a modelo acredita que perdeu o contato com quem realmente é – momentos que vão desde a perda dos horários de orações a sessões de fotos em que substituiam seu hijab por outros elementos, como usar uma calça jeans para cobrir sua cabeça.

“Só posso culpar a mim mesma por me importar mais com a oportunidade do que com o que realmente estava em jogo. Me culpo por ser ingênua e rebelde”, escreveu em seu perfil. Para exemplificar um momento em que se sentiu confortável com as imagens criadas, Halima posou uma foto de uma campanha que participou da Fenty Beauty, marca de beleza da Rihanna, que a permitiu usar o hijab que havia levado para o set.

“O que culpo na indústria é a falta de mulheres mulçumanas estilistas”, escreveu a modelo sobre ser “uma minoria em uma minoria” e sobre o que leva a ainda existir tão pouco entendimento sobre a tradição do hijab no mundo da moda. Em uma entrevista, Halima já havia dito que seu contrato com a agência IMG tinha uma clausura não negociável sobre o hijab, mas que não acha que as pessoas não a ouviriam, que queria apenas deixar claro o que elas podiam esperar.

“Irmãs mulçumanas me mandavam DMs e me marcavam em fotos do início da minha carreira para dizer ‘pare de se vestir como uma velha’… O que me fez sentir como se estivesse fazendo algo errado… Lembro de querer ser a ‘hijabi gata’ como se isso não contrariasse todo o propósito. Uma bagunça é o que realmente era”, escreveu.

Diversas figuras da indústria saíram em apoio à modelo, incluindo Bella e Gigi Hadid e a própria Rihanna, pela qual Halima diz ser muito grata. Quando questionada sobre a culpa de seus stylists pela escolha das roupas que usava em eventos e tapetes vermelhos, a modelo disse que a culpa é toda sua, já que atuava como sua própria stylist.

“Precisava cometer esses erros para me tornar um modelo que vocês possam confiar. Lembre-se que não havia ninguém antes de abrir os caminhos, então erros fazem parte do aprendizado. Eu fiz coisas boas, mas isso não é suficiente, precisamos ter estas conversas para verdadeiramente mudar o sistema”, finalizou Halima.

Carreira

Halima Aden se tornou conhecida em 2016, depois de sua participação no Miss EUA. Foi nesta situação que a modelo chamou a atenção da editora de moda Carine Roitfeld. Logo, ela se tornou a primeira muçulmana a assinar um contrato com a agência IMG e fez sua estreia na NYFW, desfilando para marcas como Yeezy, de Kanye West, e Max Mara.

Há mais de um ano, a modelo gerou controvérsias entre críticos e apoiadores quando se tornou a primeira modelo com hijab a estampar uma capa da Sports Illustrated.