Foto: Divulgação

Dando continuidade à campanha “Mulheres”, a Animale convidou a top Luciana Curtis para estrelar a campanha do mês das mães. A modelo, que vive em Nova York, está em São Paulo nesta quarentena. “Resolvemos vir para cá para podermos estar perto dos nossos pais e podermos ajudá-los, mas eu também estava com muito medo do que iria acontecer em Nova York, uma vez que mais pessoas se contaminassem”, conta, em entrevista à Bazaar.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

“É uma cidade lotada onde todos usam transporte público. Eu sabia que quando os números começassem a crescer iria ser uma loucura. É muito triste ver tudo que está acontecendo no mundo inteiro. Me preocupo muito com o Brasil. As próximas semanas serão muito difíceis aqui. Minha família está bem, com saúde e com conforto. Somos privilegiados, mas não consigo não sofrer com as notícias e com o resto da população que não tem a mesma sorte”, resume.

Leia mais na entrevista abaixo:

Como ficou a sua rotina, você consegue manter uma?
A rotina aqui em casa é totalmente focada nas meninas (as filhas Cora e Dahlia). A parte de faxina, cozinhar e cuidar delas não mudou nada, pois eu e o Henrique (Gendre, marido e fotógrafo) que sempre fazemos isso em casa. Não temos ajuda, mas a parte da escola pesa bastante. O currículo da escola é bem puxado, o que às vezes é ótimo e dá um pouco de normalidade e estrutura para elas, mas tem dias que são mais difíceis. Estamos fazendo o melhor, mas tem dias que jogamos tudo para o alto e passamos o dia fazendo coisas gostosas juntos como cozinhar, jogar, fazer um quebra-cabeças, crochê, ler um livro, ver filmes etc. Não quero colocar mais estresse na cabeça das meninas. Já estamos passando por um momento difícil, cheio de incertezas e inseguranças. Quero que seja leve, que possamos ter memórias de amor quando tudo isso acabar. Só saímos de casa para passear o nosso cachorro Nelson e o Henrique faz o mercado. Eu saio às quintas-feiras para ser voluntária no Por Nossa Conta. Onde fazemos 500 kits de café da manhã de moradores de rua que são entregues na Igreja São Miguel Arcanjo, do padre Júlio Lancellotti.

Foto: Divulgação

Quais atividades têm feito com as crianças?
Elas gostam muito de trabalhos manuais. Desde cozinhar, costurar e pintar. Uma coisa que começamos semana passada foi a construção de uma casinha de papelão para as bonecas delas. Estamos fazendo a casa, os móveis, quadros, tapetes e cortinas, tudo de papelão, caixas, tampinhas de garrafas, retalhos de tecido e tinta. É um projeto longo, vamos ir adicionando coisas todos os dias.

Foto: Divulgação

Você já participou de algum shooting virtual?
Não fiz shooting digital, mas fotografamos a campanha de dia das mães da Animale aqui na sala de casa. Só o Henrique, as meninas e eu. Montamos um estúdio, eu me maquiei, as meninas escolheram o que elas iriam usar e fizemos.

Foto: Divulgação

Qual vai ser a primeira coisa que você vai fazer quando acabar a quarentena?
A primeira coisa que vou fazer quando acabar a quarentena é abraçar meus pais. Sei que ainda vai demorar muito, pois só vou ter segurança em abraçá-los quando tiverem uma vacina ou uma cura, mas estou esperando esse momento com todo o meu coração. A saudade está enorme!