Luiz Cláudio em sua apresentação de verão 2016, no SPFW - Foto: Agência Fotosite
Luiz Cláudio em sua apresentação de verão 2016, no SPFW – Foto: Agência Fotosite

Por Camilla Bello

No comando da Apartamento 03, Luiz Cláudio estreou, nesta sexta-feira (17.04), sua segunda coleção no SPFW, a de verão 2016. A label segue conquistando o mercado com sua alfaiataria elaborada e elegante. A inspiração para a temporada veio da espiritualidade do designer e fala sobre simplicidade e leveza: “Nesta era tecnológica, acho que falta mais tolerância com o próximo”, conta à Bazaar minutos antes do desfile.

As peças, em sua maioria em P&B – cor predominante também no guarda-roupa de Luiz -, seguem com texturas inovadoras e exclusivas: “Todas as marcas têm acesso às mesmas matérias primas, meu trabalho manual é o que me diferencia delas.” As únicas estampas da coleção são feitas a partir de fotografias com mote litúrgico, encomendadas com exclusividade para a temporada.

Especialista em criar looks-desejo, a Apartamento 03 começou sua história em 2006 com roupas feitas sob encomenda. O local de produção era o próprio apartamento do estilista – daí o nome da grife. Nove anos depois, a marca mineira conquistou com louvor seu lugar no mercado da moda – inclusive internacional – e no guarda-roupa das mulheres de perfil sofisticado. Batemos um papo com o estilista, que nos conta de onde veio, onde quer chegar, e as novidades que podemos esperar para muito em breve. Confira!

Harper’s Bazaar – No ano passado a Apartamento 03 migrou do Minas Trend para o SPFW e passou a fazer parte do Grupo Nohda, capitaneado por Patricia Bonaldi. O que mudou para a marca desde então?
Luiz Cláudio – Passamos principalmente a ter mais estrutura, e ganhamos ainda mais visibilidade e atenção da mídia. A partir do momento em que isso deixou de ser uma preocupação pra mim, eu consegui me dedicar inteiramente a fazer as roupas. O que é fundamental.

HB – Patricia participa do processo criativo da sua marca?
LC – Não. Somos completamente independentes, mas, como amigos, sempre acabamos trocando figurinhas.

HB – De onde surgiu essa parceria e amizade?
LC – Conheço a Patricia há muitos anos. Sempre fizemos Minas Trend Preview juntos, nossos estandes eram colados. Depois de atender todos os clientes, ficávamos supercansados sentados na escada da porta do hotel e ela sempre falava: “Um dia vamos ser grandes. E quando eu for grande você vai vir trabalhar comigo. Vamos trabalhar juntos”. Só não imaginávamos que seria tão rápido. Eu acredito muito nas coisas que penso e que anseio, e ela é muito parecida comigo nesse ponto. Sempre a considerei uma pessoa com quem eu gostaria de dividir a minha vida. E deu certo.

HB – Como funciona o seu processo criativo? De onde vem o insight para o tema de uma coleção?
LC – Normalmente vem do momento que eu estou vivendo. Eu começo a trabalhar nas minhas coleções pelos tecidos. Depois de ter a matéria prima é que eu começo a desenhar. Depois de produzir o primeiro vestido é que desenvolvo outras peças. A partir dele é que eu defino, por exemplo, a ideia, o comprimento, e o decote de outros looks.

HB – Quem é a mulher da sua label?
LC – Me preocupo em não focar em uma mulher só. Tenho clientes apaixonadas pela Apartamento 03 que vão de 15 à 80 anos. Clientes que, de tão fiéis, eu atendo pessoalmente até hoje. Mas se for pra definir, acho que a mulher da grife é, acima de tudo, inteligente.

HB – De alguma forma a crise financeira em que o Brasil se encontra afeta a sua marca e as suas coleções? Ou não chega a atingir seu target de clientes?
LC – Na verdade, independente da crise, desde a primeira coleção da marca, eu sempre tive a preocupação de fazer uma roupa muito bem acabada, com a melhor matéria prima possível e com o preço mais real possível. Prefiro não pensar muito nisso, pois me pertuba demais, e tento não me apegar a coisas negativas. Sempre soubemos que a crise iria chegar e que passaríamos por um momento difícil, então tento não me abalar. As festas vão continuar acontecendo, as pessoas vão continuar comprando roupas, e é claro que nessa hora elas vão olhar para onde a coisa está mais alegre, então eu tento não deixar isso me atingir psicologicamente para não refletir nas minhas coleções.

HB – E você, Luiz, onde quer chegar?
LC – Quero me organizar para ter as coisas que considero luxo: tempo, silêncio e descanso. Não tenho grandes planos, quero conseguir aproveitar a vida e o sossego.

HB – Podemos esperar por uma loja física em breve?
LC – Abrir uma loja com a cara da marca é o meu sonho. Hoje, os clientes encontram as minhas peças apenas em multimarcas. Ter a coleção coesa em um espaço que seja meu é o atual objetivo. O projeto já está em andamento. Vai chegar a qualquer momento deste ano. O local ainda está sendo estudado, mas vai ter tudo a ver com a Apartamento 03. Podem esperar!