Mariana Ximenes usa blusa sem alça Hering, calça e botas Miu Miu – Foto: Cassia Tabatini, com direção criativa de Camila Bossolan, edição de moda de Rodrigo Yaegashi e Stephanie Bekes Camargo, beleza de Liege Wisniewski, agradecimento Nilta Perucas, manicure Rose Luna, produção executiva Bruno Uchôa e tratamento de imagen VW Retouch

Mariana Ximenes, 38 anos, é capa da edição de março da Bazaar Brasil. Camaleoa que é, atriz surge em várias personas, e bate um papo reto sobre maternidade, engajamento político e ecológico, entre outras pautas da vez. Ela aprendeu a viver o presente, traçar metas e ter propósito para seguir em frente. É regida por afetos.

Ser mãe está entre as prioridades, mas não por ora. Madrinha de cinco, está fazendo intensivão. Agora que começou a rodar a novela, lá se vão pelo menos sete meses. Resolveu congelar os óvulos “há um tempinho”, porque sentiu que era hora. “Por mais que tenha congelado, gostaria de tentar naturalmente”, reforça.

Preocupada com a saúde, não gosta de tomar remédio. Alimentação serve como cura. Exercícios, ioga (desde os 12 anos) e meditação são rotinas de bem-estar. Prefere o natural ao radical.

Seu engajamento não fica somente por trás da tela do celular. Participou da campanha pró-Mariana, cidade mineira que sofreu crime ambiental, partiu em defesa do cinema nacional no Festival do Rio de 2019 e tem se posicionado contra as queimadas na Amazônia.

Capa e calça Emilio Pucci, top Paula Raia, colar de seu acervo pessoal e tênis Valentino – Foto: Cassia Tabatini, com direção criativa de Camila Bossolan, edição de moda de Rodrigo Yaegashi e Stephanie Bekes Camargo, beleza de Liege Wisniewski, agradecimento Nilta Perucas, manicure Rose Luna, produção executiva Bruno Uchôa e tratamento de imagen VW Retouch

Com a colega de classe, a atriz Regina Duarte, à frente da pasta da Cultura, se diz esperançosa. “Cultura e educação são fundamentais. Tem de estar consciente. Como cidadã, é acreditar e ter fé.”

Mariana é a favor da liberdade, assim como Luísa Margarida Portugal e Barros, a condessa de Barral, personagem da nossa história, que ganha caráter ficcional na trama das 18h, “Nos Tempos do Imperador”. À frente do seu tempo, foi preceptora das princesas Leopoldina e Isabel. Revolucionou a corte com referências europeias: era a favor do casamento por amor, do ventre livre e da Lei Áurea.

A família apoia Mari em tudo. O pai deu de presente um livro com as cartas de D. Pedro II para seu amor (“A paixão do Imperador”, de Mary Del Priore), que usou nessa construção.

Foto: Cassia Tabatini, com direção criativa de Camila Bossolan, edição de moda de Rodrigo Yaegashi e Stephanie Bekes Camargo, beleza de Liege Wisniewski, agradecimento Nilta Perucas, manicure Rose Luna, produção executiva Bruno Uchôa e tratamento de imagen VW Retouch

Sempre apaixonada por arte, o olhar ficou mais apurado na época em que foi casada com Pedro Buarque de Hollanda, colecionador. Desde então, faz o mesmo. Está mais curiosa pelo processo de criação do que apenas se exibir. No acervo, há Adriana Varejão, Vicente de Mello, Miguel Rio Branco, Nelson Leirner, Delson Uchôa e Mauro Restiffe. Chegou a fazer um curso com Charle s Watson sobre processo criativo.

Sabe que a novela vai tomar um bom tempo de 2020. Depois, quer retomar a performance teatral de Virginia Woolf (“Profissões para Mulheres”) e, se tudo der certo, lançar o filme “L.O.C.A.”, de Cláudia Jouvin.

No tempo que sobra, gosta de assistir TV largada no sofá. E também de viajar, visitar os amigos pelo mundo. Quer voltar ao Japão. Com o namorado, troca conhecimento de música e gosta de ir a shows. Pela ótica de Mariana, viver é apaixonante.