Foto: Getty Images
Foto: Getty Images

Hermione Granger, da saga de filmes e livros “Harry Potter”, pode ter sido o personagem mais importante da carreira de Emma Watson até agora, mas não limitou a atriz a se destacar em diversas áreas. Assim como a jovem estudante de magia, Emma apresentou ao mundo seu lado engajado, político e, de alguma forma, até mesmo nerd ao aceitar um cargo na ONU e criar uma clube do livro que incentiva jovens leitoras.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Em 2014, Emma Watson foi nomeada Embaixadora da Boa Vontade da Agência ONU Mulheres. Junto com sua nomeação, foi anunciado que sua parceria com a ONU seria iniciada na campanha “HeForShe”, um movimento de solidariedade pela igualdade de gênero e que incentiva que a luta não é apenas das mulheres. Em setembro daquele ano, Emma fez um discurso de lançamento da campanha que teve uma repercussão global e entrou para a lista de pronunciamentos que são sempre lembrados. 

“Homens, queria aproveitar esta oportunidade para estender seu convite formal. Igualdade de gênero é seu problema também. […] Nem sempre falamos sobre homens serem aprisionados por esteriótipos de gênero, mas posso ver que eles são e que quando forem livres, as coisas vão mudar para as mulheres como uma consequência natural. Se os homens não precisarem ser agressivos para serem aceitos, mulheres não se sentiram obrigadas a serem submissas. Se os homens não tiverem o controle, as mulheres não precisarão ser controladas. […] Se pararmos de definir uns aos outros pelo o que não somos e começarmos a nos definir pelo que somos – todos poderemos ser mais livres e é sobre isso que ‘HeForShe’ luta. É sobre liberdade”, disse em seu discurso inaugural.

Foto: Reprodução/Instagram/@emmawatson
Foto: Reprodução/Instagram/@emmawatson

Desde então, Emma Watson sofreu diversos ataques – online, pessoalmente, em entrevistas relacionadas ao seu trabalho de atriz – que questionavam a efetividade do feminismo e qual papel ela tinha direito de ter. Emma sempre afirmou que esses ataques só a levaram a ter mais certeza do quanto precisava falar sobre o assunto e o quanto a luta ainda é necessária. Com a intensão de mostrar as mulheres que o feminismo é sobre liberdade, a ativista abriu um clube de livros sobre o assunto, o “Our Shared Shelf” – algo como “Nossa Prateleira Compartilhada”.

Em um grupo do site Goodreads, as participantes leem um livro indicado pela atriz e comentam seus pensamentos e interpretações. “Como parte do meu trabalho na ONU Mulheres, comecei a ler quantos livros e ensaios sobre igualdade conseguia colocar minhas mãos. Há tantas coisas incríveis por aí! Divertido, inspirador, triste, provocativo, empoderador!”, escreveu Emma na descrição do grupo. Atualmente, a página conta com mais de 230 mil membros.

Como parte desse incentivo de leitura, Emma Watson costuma distribuir livros pelas cidades que visita, deixando os disponíveis em pontos turísticos e estações de metrô. Além disso, os passos da atriz foram seguidos por outras celebridades, como Emma Roberts, que também tem um enorme grupo de leitura.

Conscientização ambiental

Foto: Reprodução/Instagram/@the_press_tour
Foto: Reprodução/Instagram/@the_press_tour

Mas não é apenas sobre feminismo que Emma Watson advoga, a atriz também é porta-voz das mudanças climáticas e usa a moda como principal veículo para tratar o assunto. Em 2016, a atriz atravessou o tapete vermelho do Met Gala com um vestido da Calvin Klein feito a partir de garrafas pet. Mas foi em 2017, enquanto participava de eventos de divulgação do filme “A Bela e A Fera” que Emma se tornou ainda mais forte no assunto.

Na época, a atriz criou uma conta no Instagram (a @the_press_tour) em que anunciou que usaria apenas peças sustentáveis durante a turnê de divulgação. Na página, Emma usava as publicações para compartilhar detalhes da marca e dos materiais utilizados em cada modelo, provando que é possível ser muito estilosa e ainda se preocupar com o meio ambiente. 

A página não tem novas publicações desde julho de 2018, mas isso não impediu a atriz de continuar a defender essa frente e apostar em marcas com responsabilidade ambiental.

Leia mais:
Simone de Beauvoir foi revolucionária ao defender igualdade de gênero
Michelle Williams e a luta por igualdade de gênero
Zozibini Tunzi foi a quinta mulher negra a ganhar o Miss Universo