Mulheres que inspiram: Malala Yousafzai é símbolo de luta

Coluna da Bazaar estreia com a história da ganhadora do prêmio Nobel

by Beatriz Poletto
Foto: Reprodução/Instagram/@malala

Foto: Reprodução/Instagram/@malala

Com o intuito de exaltar o poder feminino, começa nesta segunda-feira (05.08), na Bazaar online, a coluna “Mulheres que inspiram”, que trará histórias de personalidades femininas que lutam por seus ideais. E nesta estreia, escolhemos a paquistanesa Malala, que é um ícone para milhares de pessoas pelo mundo.

Símbolo de luta aos 22 anos, Malala Yousafzai expôs sua ideia de liberdade para o mundo e foi atacada por isso. No dia 9 de outubro de 2012, aos 15 anos, a jovem foi baleada dentro de um ônibus escolar, ao lado de suas amigas, por talibãs. Atingida na cabeça, Malala sobreviveu. Depois de acordar do coma, inúmeras cirurgias e vários processos de reabilitação, Malala voltou ao campo de batalha. Mas, apesar do atentado que sofreu, a paquistanesa utiliza outro tipo de armas para seguir sua luta: conhecimento, generosidade e paciência.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Foto: Reprodução/Instagram/@malala

Malala e Ziauddin Yousafzai – Foto: Reprodução/Instagram/@malala

Hoje, Malala vive na Inglaterra com sua família e viaja pelo mundo para pregar seus objetivos. Sua principal luta é focada no direito da educação, principalmente para meninas. Malala frisa a importância do conhecimento e da cultura, para formar mulheres inteligentes e poderosas, que conheçam seus direitos. Em 2013, o Malala Fund foi criado para organizar ações certeiras em prol dessas meninas, além de angariar fundos.

E muitos se perguntam como uma pré-adolescente começou a reivindicar seus direitos e o de outras meninas tão cedo. Mas a resposta é quase óbvia: seu pai, Ziauddin Yousafzai, é também ativista paquistanês que luta contra o Talibã. No documentário de 2015 de Davis Guggenheim,  “He Named Me Malala”, fica evidente a boa relação entre pai e filha, que é repleta de trocas.

Foto: Reprodução/Instagram/@malala

Malala e seu retrato da artista Shirin Neshat – Foto: Reprodução/Instagram/@malala

Com sua voz, a paquistanesa conseguiu ser escutada por grandes líderes como Barack Obama, e até o jornalista e apresentador David Letterman. Malala é também é vencedora do prêmio Nobel da Paz – aliás, ela é a pessoa mais jovem a receber o prêmio. A conquista aconteceu em 2014, dois anos após seu atentado.

E, é claro, Malala preza pela leitura e escrita. Por isso, a jovem é escritora e já tem seis livros publicados, que são vendidos ao redor do mundo. Em 2014, aos 17 anos, Malala se tornou a mais jovem ganhadora do Prêmio Nobel da Paz.

Leia mais:
Cartier Women’s Initiative recebe inscrições 
 Angelina Jolie é a mulher mais admirada do mundo pelo terceiro ano consecutivo