Mulheres que inspiram: Marieme transforma sua história senegalesa-americana em música
Foto: Reprodução/Instagram/@mariememusic

Apesar de ter se inspirado nas situações que as crianças enfrentam atualmente, impulsionadas e intensificadas pelo capitalismo, Marieme poderia ter se inspirado em sua própria experiência para compor a canção chamada “The Kids Are Not Fine”. Nascida na Mauritânia, a família da cantora precisou abandonar todas as suas conquistas em sua terra-natal e se mudar para o Senegal por causa da guerra que acontecia no país.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

“O motivo pelo qual escrevo esse tipo de música agora é por causa da minha existência. Nasci na guerra, minha vida foi moldada pela guerra”, analisa a cantora. Enquanto seus pais se mudaram para os Estados Unidos para um novo começo, Marieme e seus irmãos moraram com uma tia no Senegal, onde, sob influência da tradição religiosa de seus parentes, a artista não tinha acesso à música.

Foi aos sete anos de idade que Marieme voltou a viver com seus pais em terras norte-americanas. “A mudança foi muito difícil, porque não falava nada de inglês, além de ser um país muito racista. E junto com o racismo vêm o colorismo. Então vivi um momento muito difícil”, recorda.

E foram esses momentos – marcados por situações difíceis, mas também memórias felizes – que moldam seu trabalho artístico: “todo o sofrimento pelo qual passei, e tenho consciência de que todos estão sofrendo de alguma forma, moldou quem eu sou, me ajudou a entender melhor o mundo e me ensinou a tratar as pessoas de uma forma melhor. Olho para o passado e penso que poderia ter tratado algumas pessoas melhor, mas estava sendo atacada o tempo todo e isso me afetou. Agora que estou mais velha, poder entender tudo isso é o que me permite escrever minhas músicas.”

Mulheres que inspiram: Marieme transforma sua história senegalesa-americana em música
Foto: Reprodução/Instagram/@mariememusic

Junho é o mês marcado para o lançamento de seu EP, que trata diversos assuntos, como a das crianças, mulheres e as situações que enfrentamos, liberdade e amor. “Música sempre teve uma parte significante em mobilizar pessoas e inspirá-las. Acho que lutar o tempo inteiro cansa e nos faz querer desistir, mas música ajuda a continuar”, comenta Marieme sobre a importância de canções como as suas.

Amiga de alguns brasileiros conhecidos, como Isis Valverde e Bruno Gagliasso, a cantora revela que nunca esteve no Brasil, mas que está se planejando para isso e já tenta aprender nosso idioma. “Acho que a música [brasileira] reflete a personalidade das pessoas. Amo bossa nova, esse estilo que vocês criaram ao longo dos anos é incrível, é como uma mistura de todos. Acho que o Brasil tem uma boa intersecção de todos os tipos de música”, analisa.

Quando questionada sobre qual mensagem gostaria de mandar aos brasileiros, mais uma vez Marieme mostra a potência de sua vivência: “continuem lutando por igualdade, todos merecemos ser livres e viver de forma igual nesse mundo. Apenas precisamos perceber o quão incríveis somos e nos amar. As pessoas falam sobre como o amor pode salvar o mundo e realmente pode, porque ele reverbera. Quando nos tratamos melhor, tratamos o próximo melhor.”