A atriz Thainá Duarte – Foto: Divulgação

Assim como aconteceu com a maioria das pessoas, o cenário atual obrigou a atriz Thainá Duarte a tirar o pé do acelerador. Enquanto aguarda o retorno das gravações da segunda temporada da série “Aruanas” (Globoplay), ela aproveitou para reavaliar o que realmente era importante e o que não poderia deixar de fazer para se sentir melhor.

“Aprendi a lidar com a frustração de não poder realizar tudo o que gostaria. Diante do que estamos vivendo, o que penso sobre o futuro é que não pensar sobre ele se tornou uma medida de segurança emocional e psíquica. As minhas atitudes diárias se tornaram a forma mais justa que encontrei de lidar positivamente com a incerteza do amanhã. Então, zelo cada vez mais pela vida e encontro, dentro das minhas possibilidades, formas de ajudar o coletivo”, avisa.

Preocupada com pautas humanitárias, ela pontua a necessidade de combater o abismo social que existe em pleno século 21. “Dói pensar que pessoas ainda morrem de fome. Não há desenvolvimento real sem a garantia dos direitos humanos, mas, infelizmente, o desejo frenético pelo capital ultrapassa a razão. Para ilustrar, o nosso País ganhará, em 2021, 11 novos bilionários enquanto caminha (a passos largos) de volta para o mapa da fome.”

Representante dessa geração que nasceu conectada ao digital – e com capacidade fluida de enxergar o mundo, de expor ideias e de acessar meios pragmáticos para a solução de problemas -, ela vê na conectividade uma forma de ir para fora da “bolha”.

“Quero acreditar que o impulso de agregar aquilo que nos fortalece possa ser expandido do individual para o coletivo, pois só assim a gente pode alcançar as mudanças necessárias para imaginar um futuro consciente, com espaço para a pluralidade. Por sinal, só vamos conseguir vislumbrar uma sociedade igualitária quando tivermos diversidade dentro da política, de outra forma, como será possível que uma nação majoritariamente negra, com quase metade da população mulher, com indígenas, LGBT+, tenha as suas demandas atendidas?”