Yalorixá Luana de Oyá – Foto: Divulgação

Yalorixá Luana de Oyá, mais conhecida como a atriz Luana Xavier, 34 anos, é um exemplo de mulher que enfrenta a gordofobia desde sempre. Considerada gorda, ela, que mora no bairro do Recreio, no Rio de Janeiro, já passou por situações até de peder trabalhos por conta de seu corpo. “Hoje em dia eu sei me impor mais e tento não deixar que esse tipo de coisa aconteça”, conta.

Luana cresceu no terreiro de umbanda comandado pela avó, a também atriz Chica Xavier, que morreu aos 88 anos em 2020 – e fez história na televisão em novelas como “Sinhá Moça”, “Dancin’ Days”, “Pátria Minha” e “Renascer”, entre tantas outras, como símbolo da representatividade negra na arte brasileira -, e tem nela sua grande referência. “Minha avó sempre foi e continuará sendo meu maior exemplo de vida, de perseverança, de cuidado com a família, de amor à arte e de fé.”

A atriz, que é praticante de umbanda, participa da mesa “Fé e Juventude”, na Bienal do Livro do Rio de Janeiro, no dia 8 de dezembro, que terá ainda a participação do pastor Henrique Vieira, Pedro Siqueira, o rabino Lucca Myara, e que será mediada por Pedro Alvarenga.

Com mais de 275 mil seguidores no Instagram, a canceriana, que não gosta de manga, ovo cozido e salaminho, diz que não pode nem sentir o cheiro, está a todo vapor em sua carreira. Com projetos para 2022, Luana estará na série “Não Foi Minha Culpa”, de Susanna Lira, no Star+, e começa a rodar, neste mês de dezembro, a série “Novela”, de João Falcão, da Amazon. Sobre as redes sociais, ela conta já passou vários perrengues com haters. “Vários, principalmente quando digo que passei por alguma situação racista e os haters vêm me atacar dizendo que sou vitimista”, relata.

Leia a seguir entrevista com a atriz dada à Bazaar.

Como foi sua infância?

Família toda morando junto, meu irmão sendo meu companheiro de brincadeiras e de tudo, e férias escolares no Prado, sul da Bahia, cidade onde temos casa.

O que estudou?

Fiz faculdade de Serviço Social na UFRJ.

Foto: Reprodução/Instagram/@luaxavier

Como é sua família, pais, tem irmãos? Fale sobre eles.

Minha família é a melhor do mundo. Daquelas em que todo mundo torce e incentiva todo mundo. Meus pais, casados há 38 anos, são um exemplo de que vale a pena acreditar no amor. Tem um irmão só, Ernesto Xavier, de 37 anos, ele é meu Porto Seguro, parceirão de vida.

Qual sua relação com a umbanda?

Nasci em um terreiro de umbanda. Fui criada ouvindo histórias dos Pretos Velhos, brincando com os erês e dançando samba de caboclo.

Pratica umbanda até hoje?

Sim. Sou herdeira da Irmandade do Cercado de Boiadeiro.

Qual a influência de sua avó, Chica Xavier, na sua vida e carreira?

Minha avó sempre foi e continuará sendo meu maior exemplo de vida, de perseverança, de cuidado com a família, de amor à arte e de fé.

Como nasce a atriz Luana Xavier?

Imitando as incorporações no terreiro e depois decidindo aos 10 anos que queria fazer teatro.

O que tem feito atualmente como atriz?

Muita coisa. Filme, série, de drama, de comédia, eu estou ligada no 220 ultimamente.

Quais são os próximos projetos?

Em 2022 será lançada a série “Não Foi Minha Culpa”, de Susanna Lira, na Star+, e começo a rodar agora em dezembro a série “Novela”, de João Falcão, da Amazon.

Teatro, cinema ou TV, por quê?

Pode ser os três? Rsrsrsrsr Teatro em turnê pelo Brasil, cinema para viver personagens desafiadores e TV para me sentir mais próxima do povão que é viciado em novelas.

Como você vê a relação da sociedade com a gordofobia?

Vivemos em uma sociedade extremamente gordofóbica e as pessoas se sentem à vontade em praticá-la. A sociedade é gordofóbica desde a catraca do ônibus, que nos deixa em situações constrangedoras, até os apelidos ofensivos que nos colocam e que estão diretamente relacionados ao nosso corpo.

Já perdeu trabalhos por ser considerada gorda?

Há um tempo atrás, já. Hoje em dia eu sei me impor mais e tento não deixar que esse tipo de coisa aconteça.

Como lida com as redes sociais?

Sou viciada em redes sociais, mas por me colocar politicamente, às vezes, tomo muita porrada.

Foto: Reprodução/Instagram/@luaxavier

Já passou algum perrengue com haters?

Vários, principalmente quando digo que passei por alguma situação racista e os haters vêm me atacar dizendo que sou vitimista.

Como avalia a posição do negro na sociedade atualmente? Acha que o racismo diminuiu?

Impossível responder essa pergunta de forma simplista, mas se o racismo é estrutural e estruturante, é bem difícil afirmar que ele esteja diminuindo.

Como a sociedade pode lidar com isso de maneira mais justa e igualitária?

Entendo que nosso direito de existência é inegociável.

Como avalia o atual governo federal brasileiro?

Vou parafrasear Gil do Vigor: “O Brasil tá lascado”.

O que tem lido ou escutado?

Eu estou tão pegada de trabalho, que só tenho lido roteiros kkkkkkkkkkk.

Cozinha?

Me esforço, mas tenho zero dom.

Tem alguma restrição alimentar? Algo que não coma?

Pavor de manga, ovo cozido e salaminho. Papo de “não posso nem sentir o cheiro”.

Conte um sonho que tem.

Pisar em solo africano.

Uma viagem que gostaria de fazer.

Angola, África do Sul, Benin, Cabo Verde…

Foto: Reprodução/Instagram/@luaxavier

Um personagem que gostaria de interpretar.

Tenho sonho de dar vida no teatro a incrível escritora Carolina Maria de Jesus.

O que gosta de fazer em suas folgas.

Dormir e churrasco com meus “veios”.