Marc Jacobs - Foto: Getty Images
Marc Jacobs – Foto: Getty Images

Sim, nós sabemos que a vida pessoal de Marc Jacobs é um pouco atribulada, mas, ao que parece, ele está bastante descontente com a atenção que a mídia internacional anda dando para isso. O designer não gostou nem um pouco das recentes notas publicadas no site do Page Six nesse último domingo (25.10) e também na segunda-feira (26.10). A coluna citou que ele teria feito uma orgia com mais de 10 jovens, com cerca de 21 anos, “recrutados” através do app Grindr. Tudo teria acontecido em sua casa, em Nova York, e os rapazes estariam sob efeito de drogas – falam em ácido e crystal meth.

Além de falar sobre um provável vício em heroína na década de 1990, a publicação teria ainda citado a ausência de originalidade em suas criações e questionado sua relevância atual no mundo fashion.

Revoltado com a exposição de sua intimidade (e sem negar o acontecido), Jacobs se pronunciou em sua conta pessoal do Instagram, com o que chamou de “Carta aberta”. Confira suas palavras:

“Menina, eu acho que entendo a sua dor. Você é uma mulher doente. Deve ser uma existência tão triste, insatisfatória e solitária a ser paga para “escrever” (eu uso o termo vagamente) um artigo criado a partir de informações de contexto “escrito” por outros jornalistas durante um período de tempo, para diferentes periódicos, em diferentes países. Eu não posso sequer imaginar o seu sofrimento por ter feito uma vida e um nome de trabalhando para o que é o pior, mais sujo e mais irresponsável dos “jornais” do mundo (risos)! Eu posso imaginar o poderoso e gratificante sentimento que você deve sentir com cada artigo que você “escreve” que ajuda você e seus leitores a se sentirem melhor sobre suas vidas, colocando para baixo os outros que são tão sortudos de terem sido abençoados com uma paixão genuína pela criação. Aqueles indivíduos criativos que, como todos os outros, têm sentimentos, apetite sexual, problemas, defeitos de caráter, e altos e baixos profissionais. Se você fosse uma escritora de verdade e não uma parasita que se alimenta dos sucessos e fracassos dos outros, eu não me incomodaria escrevendo meus pensamentos aqui. Eu sinto pena de você. Por favor, saiba que você está em minhas orações. Espero que um dia você encontre alguma coisa, em algum lugar, que lhe dê prazer… e não às custas do outros. Caso esse momento aconteça para você, por favor, não me agradeça. Eu só desejo o melhor para todos. Até você. Sincera e desrespeitosamente, Marc (Jacobs).”

A carta que escreveu para a repórter Maureen Callahan - Foto: reprodução
A carta que escreveu para a repórter Maureen Callahan – Foto: reprodução