Paletó e calças Ines de la Fressange para Uniqlo; e camisa Dior. Bolsa e sapatos Roger Vivier - Foto: Lydia Slater
Paletó e calças Ines de la Fressange para Uniqlo; e camisa Dior. Bolsa e sapatos Roger Vivier – Foto: Lydia Slater

Seja como modelo, musa, mãe ou designer de moda, Inès de la Fressange sempre foi o ápice da elegância. Filha de um marquês francês e uma modelo argentina, Ines começou, ela mesma, a trabalhar como modelo na década de 1970, tornando-se musa de Karl Lagerfeld na Chanel, que lhe disse que podia imaginá-la criando a própria coleção de moda.

Como sempre, Lagerfeld provou ter visão a longo prazo. Fast-forward para os dias de hoje, quando Ines, agora aos 58 anos, está trabalhando em sua sétima colaboração com a marca japonesa Uniqlo. Naturalmente, ela também é modelo da campanha. “Só faço uma ou duas fotos”, diz, “mas, às vezes, são das roupas que mais vendemos. Fico surpresa com isso”. Porém, ninguém mais fica, já que o estilo casual de Ines é invejado e imitado por todo mundo.

Ela tem muitas outras coisas em andamento. É dona de uma butique na Rive Gauche, onde vende de tudo, das próprias criações de moda até ferramentas de jardinagem; é coautora de um best-seller entre os manuais de estilo e, no ano passado, lançou um guia do lado mais chique de Paris.

E, desde 2003, é embaixadora da Roger Vivier, a marca francesa de sapatos de luxo, num cargo que abrange de tudo, de RP à estratégia de longo prazo, passando pela decoração das lojas. Ela se lembra de seu primeiro encontro com o presidente do grupo Tod’s, Diego Della Valle, que perguntou quem ela considerava o designer ideal para assumir a marca que ele acabara de comprar. Ines sugeriu Bruno Frisoni (por coincidência, calçava um par de sapatos dele naquele momento). “Della Valle respondeu: ‘Ainda bem, porque ele já fez duas coleções’”, ela conta, rindo. “Foi um teste para ver se tínhamos as mesmas ideias sobre a marca. Bruno realmente tem o espírito da Roger Vivier: divertido, mas sempre chique e elegante.” O que é, claro, exatamente o que se pode dizer da própria Ines.

Jeans Levi's Vintage, botas e bolsa Roger Vivier e relógio Bvlgari - Foto: Lydia Slater
Jeans Levi’s Vintage, botas e bolsa Roger Vivier e relógio Bvlgari – Foto: Lydia Slater

Ela mora em Paris – onde mais? – em uma casa perto dos Jardins de Luxembourg. “Lá vivem cães, crianças – é meio bagunçado e não muito francês”, confessa. “Tem até um pequeno templo indiano nos fundos do jardim.”

Ines divide o lar com as duas filhas, Nine, 22 anos, e Violette, 16, de seu casamento com Luigi d’Urso, empresário e historiador da arte italiano, que morreu de enfarte em 2006.

Nine estrelou uma campanha publicitária para a Bottega Veneta, enquanto Violette seguiu os passos da mãe e cruzou as passarelas da Chanel; mas a francesa diz que o futuro delas está fora do mundo da moda. “Nine é apaixonada pelo teatro”, conta. “E Violette quer ser escritora.”

Ines também tem outras ambições. Sempre quis decorar um hotel; seu mais recente sonho é criar uma agência, com uma equipe de jovens gênios da computação, para recriar objetos do dia a dia por meio do design assistido por computador. E quando relaxa? “Nos fins de semana acho que devo ir a exposições e organizar almoços com amigos… mas, no fim, acabo na cama, assistindo a seriados bobos da TV americana”, reconhece. “Talvez eu devesse inventar uma vida diferente – dizer que tomo chá com a princesa Caroline?” A verdade é que, apesar de sua beleza impecável, estilo e inteligência, Ines de la Fressange reluta em assumir o papel de exemplo. “Minha verdadeira mensagem é a de que ninguém é perfeito”, diz. Mas, para quem a observa casualmente, ela chega bem perto de ser.