Pabllo Vittar usa look total Gucci, com sandálias Arrasadora – Foto: Guilherme Nabhan, com direção criativa de Camila Bossolan, edição de moda de Rodrigo Yaegashi e set design de Lucas Teixeira

Não há nada que faça Pabllo Vittar trocar a quietude de Uberlândia (distante 562 km de Belo Horizonte), onde mora, pelo fervor de uma grande metrópole. “É muito para mim”, brinca sobre a efervescência das cidades que nunca dormem. Para a drag queen mais vigiada do planeta internet – só no Instagram são 12 milhões de seguidores -, esse agito de emoções e sensações, fora da pacata vida no interior de Minas Gerais, serve apenas como um escape do trabalho.

E que trabalho! Foram pelo menos cinco anos labutando de forma independente para se transformar em um household name (aquelas personalidades reconhecidas e amadas pela família inteira) desde que foi apresentada ao grande público como a vocalista da banda do programa “Amor e Sexo”, na TV Globo, e ganhou incontáveis fãs (ou vittarlovers, como é conhecido seu fandom) a partir dos agudos potentes de “Open Bar”, um cover de “Lean On”, do Major Lazer de Diplo, nos idos de 2017.

Pabllo Vittar usa sutiã, hot pants e botas Gucci – Foto: Guilherme Nabhan, com direção criativa de Camila Bossolan, edição de moda de Rodrigo Yaegashi e set design de Lucas Teixeira

De lá para cá, os números foram crescendo e se consolidando entre singles e mais hits. Ela tem hoje uma média de 3 milhões de plays mensais só no Spotify e acumula feats. com outros nomes nacionais e collabs internacionais, como Thalia, Chali XCX, Rina Sawayama e participação no álbum de remixes de Lady Gaga.

Top de látex, saia e colar Gucci, braceletes Rose Benedetti e botas Arrasadora – Foto: Guilherme Nabhan, com direção criativa de Camila Bossolan, edição de moda de Rodrigo Yaegashi e set design de Lucas Teixeira

Ela foi longe demais, como dizem. Chegou aonde queria estar. Pelo menos, até então. Quer prospectar vida e saúde para correr atrás do que abdicou para viver esse sonho – como relacionamentos, passar datas especiais com a família, curtir festas dos e com os amigos ou viajar a lazer.

Vestido e colar Gucci, e brincos Ara Vartanian – Foto: Guilherme Nabhan, com direção criativa de Camila Bossolan, edição de moda de Rodrigo Yaegashi e set design de Lucas Teixeira

No entanto, o passaporte vem sendo carimbado com vistos de trabalho. A artista acaba de fazer uma turnê pelos Estados Unidos, com direito a espacate no Coachella – o festival de música mais hypado do mundo, que acontece em Indio, na Califórnia e entrar para a história como a primeira drag queen do line-up, em abril deste ano. Neste mês, segue em turnê pela Europa com sua I AM PABLLO World Tour. “Não sabia o quanto estava com saudades do palco, de sentir a presença dos fãs e de performar”, narra.

Foto: Guilherme Nabhan, com direção criativa de Camila Bossolan, edição de moda de Rodrigo Yaegashi e set design de Lucas Teixeira

Em uma pausa no estúdio, onde trabalha na sua nova era, a cantora maranhense bateu um papo com Bazaar um dia depois do ensaio aqui publicado – mix de elegância, irreverência e sensualidade. “Estou focada no meu próximo trabalho, juntando referências e composições”, diz, sem adiantar muito.

Look total Gucci e sapatos Nastra – Foto: Guilherme Nabhan, com direção criativa de Camila Bossolan, edição de moda de Rodrigo Yaegashi e set design de Lucas Teixeira

Não pensa em um álbum cheio. A ideia é trabalhar singles soltos entre agenda de shows e outros compromissos. Experimentação é o que rege esse momento de encaixar tudo como em um jogo de tetris. Se depender das mentes criativas desse pop que mistura forró com batidão tropical, o gospel ao clima de rave ou a sofrência sensual dos últimos trabalhos, o sucesso vem a galope.

Look total Gucci – Foto: Guilherme Nabhan, com direção criativa de Camila Bossolan, edição de moda de Rodrigo Yaegashi e set design de Lucas Teixeira

E, para cantar em português, espanhol e inglês, tem se dedicado ao estudo e lido coisas em outras línguas. Se como artista ela se realiza, o peso de ser, muitas vezes, a number one ofusca Phabullo Rodrigues da Silva, seu nome de batismo, de personalidade reservada. “Mas eu não reclamo”, indica.

Nem pode. Serve de vitrine para tantos outros jovens, no interior do Brasil (e agora do globo), que enxergam nela um grito de liberdade, com posicionamentos importantes. Recebe mensagens de muitas pessoas da comunidade LGBTQIA+ e de fora, falando que ela os encorajou a sair de um relacionamento tóxico ou, porque ouviu suas músicas, deixou de se iludir.

Vestido e colar Gucci, brincos Ara Vartanian, meias Lupo e sandálias Arrasadora – Foto: Guilherme Nabhan, com direção criativa de Camila Bossolan, edição de moda de Rodrigo Yaegashi e set design de Lucas Teixeira

Por causa dessas palavras de amor, inspiração, empoderamento e enfrentamento – vide que muitas famílias rejeitam seus entes por orientação sexual ou identidade de gênero – ela agradece o apoio que sempre teve de dona Verônica, sua mãe, e do núcleo familiar. “Sou gay, mas no decorrer do tempo eu me enxergo muito mais como um gênero fluido”. Se há confusão para encaixá-la em uma só prateleira, sua proposta é fugir de estereótipos. “Gosto de ser menino, fazer drag e me vestir da maneira que esteja confortável. Não, necessariamente, isso vai ser um dresscode totalmente masculino nem feminino”.

Colar usado como pulseira e anel Gucci – Foto: Guilherme Nabhan, com direção criativa de Camila Bossolan, edição de moda de Rodrigo Yaegashi e set design de Lucas Teixeira

Multitalento, testa tudo o que pode dentro e fora do ramo musical. Tirou de letra o comando do reality “Queen Stars” (uma competição de talentos musicais com outras queens), na HBO Max. “Seja na área performática, apresentando ou atuando, gosto de me desafiar”. Quando está em casa, desopila a mente ao jogar videogame. No mais, gasta dinheiro com a família, bolsas, óculos, essas coisas que a moda oferece, mas sem ostentar. Sua maior inspiração, a apresentadora de “RuPaul’s Drag Race” dizimou, recentemente, qualquer rivalidade que poderia haver entre as duas. “É picuinha de trolls do Twitter”, disse Mama Ru. “Achei muito fofo da parte dela. Poxa, comecei por sua causa e agora ela sabe quem eu sou. Fiquei muito feliz. Não vou mentir, não”.

Casaco de fake fur e sutiã Gucci, e botas Arrasadora – Foto: Guilherme Nabhan, com direção criativa de Camila Bossolan, edição de moda de Rodrigo Yaegashi e set design de Lucas Teixeira

Prestes a completar 29 anos, com a idade, vem também a maturidade em saber dispensar energia no que realmente importa. Mais razão, menos emoção. “Não deixar que as coisas me botem para baixo, porque ninguém tem esse direito”, reflete. Seu superpoder está em conseguir deletar qualquer um que lhe faça mal. Não apenas virtualmente. “Não é uma vingança, porque simplesmente não vou atrás. Infelizmente, a pessoa deixa de existir para mim”, reforça a escorpiana.

O que ela mais quer é ter saúde e energia para continuar conquistando feitos inéditos. Vai, Pabllo. Porque, para ti, nenhuma distância é longe demais. E, como reforça o título desse ensaio: “Deus salve a drag queen!”.