Urias usa vestido Jean Paul Gaultier, brincos Karin Reiter, piercing Prieto e anéis Thrill – Foto: Matchique, com direção de Rodrigo Yeagashi, styling de André Philipe, coordenação de moda da Larissa Romano, beleza de Camila Anac, produção executiva de Bruno Uchoa e tratamento de imagem de Victor Wagner

Por Patricia Carta

Em tempos de contatos físicos escassos, fomos buscar o abraço que tanto nos faz falta em nossas raízes e na aceitação da diversidade. Em “24 Horas”, Jojo Todynho celebra a descoberta do carinho que o Brasil tem por ela ao sair vitoriosa de um reality. Longe dos padrões estéticos, a funkeira diz que sempre foi muito bem resolvida com seu corpo. E reforça a tese do professor de figurino e drag queen Samile Cunha que diz, em nossa seção “Em Foco”, que o corpo deixou de ser suporte da roupa para assumir novas funções e sentidos.

Em “Feature”, a sensível matéria “Meu Corpo, Minhas Regras” mostra shapes diversos como os de Jal Vieira e John Drops, entre tantos outros, que provam que o body positive venceu! A artista maranhense Silvana Mendes, do coletivo Trovoa, conta, em “Radar”, que também sofreu com juízos de valor sobre seu corpo. Hoje, ela entende, isso diz muito sobre arte e política. É na política, aliás, que Erika Hilton, a primeira mulher trans e preta a assumir o cargo de vereadora de São Paulo, pretende abraçar os direitos das minorias, como anuncia em “At Work”.

Buscamos ainda o aconchego do Brasil profundo na moda miscigenada da Misci de Airon Martin, na praia nublada e sem palmeiras do estilista japonês Fabio Yukio, e até na homenagem a Sampa feita pelo designer belga Thomas Durin, em sua Van M. Nossa “Macrotendência” fala do abraço como cuidado, palavra-chave para construir as coleções nacionais que chegam agora às araras.

Urias usa vestido Jean Paul Gaultier, brincos Karin Reiter, piercing Prieto e anéis Thrill. O perfume é o “So Scandal!”, de Jean Paul Gaultier – Foto: Matchique, com direção de Rodrigo Yeagashi, styling de André Philipe, coordenação de moda da Larissa Romano, beleza de Camila Anac, produção executiva de Bruno Uchoa e tratamento de imagem de Victor Wagner

A edição traz também a querida Bárbara Paz, que enlaça a história do marido, Héctor Babenco, e, claro, do cinema nacional, em campanha pelo Oscar para o filme sobre o cineasta.

É sobre envolver o diverso nossa capa com a modelo e cantora Urias. E para direcionar nosso olhar para personagens como esses, relevantes e imprescindíveis, a partir deste mês, a jornalista Alexandra Loras, consultora em mudança organizacional, passa a ser nossa Sensitivity Reader (leia sua coluna na seção Em Foco), que dedica um olhar mais cuidadoso para a publicação. Vem com ela um grupo de pensadores e intelectuais.

Nossa ideia é falar das pessoas de maneira plural e sensível. E já que entendemos que existem muitas formas de afeto, e nem todas são físicas, esperamos que a edição de fevereiro possa ser um grande encontro!