Isabel usa calça Dries Van noten, blusa Valentino e sapatos Miu Miu. Francesca usa blusa e saia Cristopher Kane e sapatos Chlé. Carolina usa camisa Gap, saia Paula Raia, sandálias Versace e joias Silvia Furmanovich. As poltronas e os bichos têm assinatura dos Irmãos Campana - Foto: Ilana Bessler/Harper's Bazaar
Isabel usa calça Dries Van noten, blusa Valentino e sapatos Miu Miu. Francesca usa blusa e saia Cristopher Kane e sapatos Chlé. Carolina usa camisa Gap, saia Paula Raia, sandálias Versace e joias Silvia Furmanovich. As poltronas e os bichos têm assinatura dos Irmãos Campana – Foto: Ilana Bessler/Harper’s Bazaar

 

Por Dudi Machado

Colecionadora desde a infância, Carola Diniz não titubeia em responder que atribui à avó materna, Eurípedes dos Santos Diniz, suas primeiras lembranças e sua maior semelhança. Mais criteriosa e contemporânea, a coleção de arte de nossa anfitriã tem, definitivamente, uma verve pop, mas não se restringe só a esse estilo. Pelas paredes, salas e até pelo teto, as coisas estão em constante mutação, work in progress na veia. More is more (and even more), seu lema.

À esq. obras de Nelson Leiner e vaso quadriculado Jaime Rayon. À dir. "Foto de Menino", de Oleg Dou, ao lado da foto do artista Massimo Vital. Abaixo, tela "Menino" de Alex Katz - Fotos: Ilana Bessler/ Harper's Bazaar
À esq. obras de Nelson Leiner e vaso quadriculado Jaime Rayon. À dir. “Foto de Menino”, de Oleg Dou, ao lado da foto do artista Massimo Vital. Abaixo, tela “Menino” de Alex Katz – Fotos: Ilana Bessler/ Harper’s Bazaar

Seguindo a máxima de que os rebentos sempre contrariam a geração materna, suas filhas gêmeas, Francesca e Isabel Diniz Gullo, declararam “independência” ao maximalismo da mãe, adotando o clean como mote. “Nossa mãe gosta de rosa, de se vestir bem embonecada, tipo princesa. Somos mais urbanas, militares, utilitárias. O oposto disso”, respondem, uníssonas. Melhores amigas, partem em agosto para longa temporada em Londres. Elas acabam de ser admitidas na renomada St. Martins School of Fashion, de onde pretendem sair com o diploma e quem sabe também uma marca de roupas.

À dir. Francesca usa macacão Zara, camisa Vintage, tênis Nike e casaco Chanel. Carola veste jardineira American Apparel, camiseta Comme des Garçons e tênis Givenchy .Isabel veste macacão American Apparel, camiseta vintage e tênis Vans. No chão, Rogério Degaki . À esq. Obra de Gustavo Von Ha - Fotos: Ilana Bessler/Harper's Bazaar
À dir. Francesca usa macacão Zara, camisa Vintage, tênis Nike e casaco Chanel. Carola veste jardineira American Apparel, camiseta Comme des Garçons e tênis Givenchy .Isabel veste macacão American Apparel, camiseta vintage e tênis Vans. No chão, Rogério Degaki . À esq. Obra de Gustavo Von Ha – Fotos: Ilana Bessler/Harper’s Bazaar

Enquanto isso, o mulherio Diniz segue acumulando (no melhor sentido da palavra) arte e moda da melhor qualidade. “Minha primeira compra de arte aconteceu quando eu tinha 33 anos, um quadro do Marcelo Moscheta, que estava numa SP Arte. Nunca mais parei”, reflete. Sete anos depois, Carola anda em vias de finalmente encarar sua coleção e catalogá-la. Os artistas chegam às centenas, com pouquíssimas obras de assinatura repetida. Diversidade de A a Z. Por suas paredes desfilam nomes como Alex Katz, Keith Haring, Anselm Reyle, Richard Serra, Nuno Ramos, Cildo Meireles, Jeff Koons, Murakami, Palatnik, Vik Muniz… a lista segue… “Olho, gosto e pronto. Sempre fui interessada por arte, é minha paixão, especialmente os artistas contemporâneos. Na casa de Carola, todos os filhos curtem arte, inclusive o caçula, Antônio Diniz Gullo, de 16 anos. “Em casa, todos se interessam, mas os gostos são diferentes. Então, acabo sempre agradando alguém”, aponta. Apesar da clara falta de paredes para receber mais obras, o empenho da colecionadora não parece esmorecer. Sonha em ter um Gerhard Richter para chamar de seu e já tem algumas obras de Luiz Zerbini na mira.

Escultura de Estela Sokol - Foto: Ilana Bassler/Harper's Bazaar
Escultura de Estela Sokol – Foto: Ilana Bassler/Harper’s Bazaar

Se na arte há harmonia entre as mulheres da casa, na moda as opiniões costumam ser divergentes, mas não menos acumulativas. As meninas definem seu estilo como super dress down: “Somos laid back com uma pegada grunge. No papel, desenhamos várias versões, mas na vida real somos bastante menininhos. No dia a dia gostamos de estar sempre confortáveis: jeans, tênis, camiseta.” No closet, a simbiose se dá por outros caminhos. Carola divide algumas de suas aquisições, e as meninas são viciadas em investigar as compras da mãe. “As meninas só gostam das minhas coisas antigas, essa é minha desculpa para guardar, acho. Mantenho o que é bom, atemporal. Valentino, Chloé, Lanvin, Chanel e Gucci da época do Tom Ford”, conta. O fato é que, tanto para arte quanto para moda, o olhar de marchand & stylist faz de Carola não apenas uma consumidora voraz, mas uma legítima colecionadora de peças únicas.

Obra do jardineiro André Feliciano - Foto: Ilana Bessler/ Harper's Bazaar
Obra do jardineiro André Feliciano – Foto: Ilana Bessler/ Harper’s Bazaar

Assine Harper’s Bazaar