Jill Kortleve na passarela de inverno 2020 da Fendi – Foto: Divulgação

Modelos como Ashley Graham e Tess Holliday já deixaram sua marca e se tornaram embaixadoras da diversidade de corpos no universo da moda. Agora, uma segunda onda de novos rostos está invadindo as mídias sociais e as passarelas internacionais, sempre defendendo uma atitude positiva em relação ao corpo.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Antes de subir à passarela da Fendi, na última quinta-feira (20.02), Paloma Elsesser não era uma figura desconhecida: a modelo americana aparece com frequência nas campanhas da Glossier, e é um rosto da Fenty Beauty.

Mas, desfilar para uma grande maison do grupo LVMH é um novo nível. Enquanto a maioria das marcas nativas do milênio e digitais adotou a diversidade desde o início, representar todos os tamanhos de corpo é um fenômeno relativamente novo para as esferas mais altas da moda – especialmente as europeias.

Veja três modelos plus size que Bazaar está de olho nesta temporada:

Paloma Elsesser

Paloma Elsesser na passarela da Fendi, inverno 2020 – Foto: Divulgação

Paloma Elsesser não é uma novata. Ela aparece em outdoors da Glossier por toda a cidade de Nova York, incluindo um em que ela foi fotografada nua para o lançamento do creme corporal. Já desfilou para marcas como Eckhaus Latta e Ganni. Filha de uma mãe afro-americana e de um pai chileno-suíço, Paloma também apareceu em campanhas da Nike. A modelo acaba de ganhar um novo patamar ao ser escolhida para desfilar para a Fendi, na quinta-feira passada (20.02). Será as marcas de luxo estão finalmente prontas para abraçar a positividade do corpo?

Jill Kortleve

Jill Kortleve no desfile da Jacquemus, inverno 2020 – Foto: Divulgação

Jill Kortleve, 25 anos, vem de Amsterdã, onde assinou contrato com a agência de modelos local The Movement, cujo lema é “saúde sobre forma, identidade sobre gênero, meditação sobre medições, igualdade sobre diversidade”. Ela a cena na na passarela da grife Jacquemus no outono de 2020, usando uma blusa de malha e uma saia de fenda lateral, mas isso foi apenas o começo: Kill, que tem origens indianas, indonésias e surinamesas, desfilou para Michael Kors e Rag & Bone em Nova York, Molly Goddard em Londres e para a Fendi em Milão.

Alexis Ruby

Alexis Ruby na passarela de Marc Jacobs, inverno 2020 – Foto: Divulgação

Alexis Ruby, 23 anos, de Atlanta, foi encontrada pela agência IMG nas mídias sociais, o que a levou a ser escalada para dois shows de Marc Jacobs: ela desfilou a coleção de primavera de 2020 e do inverno de 2020. Agora, em sua segunda semana de moda, ela foi contratada para o show de Tommy Hilfiger, em Londres. “Muito obrigado por me dar a chance de fazer parte de um momento tão diverso e inclusivo”, escreveu Ruby no Instagram. Com seus cachos vermelhos ardentes e tatuagens, ela seria uma boa opção para marcas ousadas de Paris, como Koché ou Marine Serre.