Foto: Arquivo Harper’s Bazaar

Fechamento da edição de abril, cobertura dos principais acontecimentos do coronavírus, acompanhamento de lives e pronunciamentos… O trabalho da equipe da Bazaar não para mesmo em tempo de quarentena, a única diferença é que o time inteiro está em esquema home office, ou seja, também lidando com o desafio de ocupar o tempo sem sair de casa.

SIGA A BAZAAR NO INSTAGRAM

Séries, reality shows, livros e hobbies foram os recursos usados pela nossa redação para se distrair sem sair de casa – além de visitas mais frequentes à cozinha. Veja o que o time da Bazaar fez durante a primeira semana de isolamento social e inspire-se:

Carol Hungria, diretora de conteúdo digital

Na minha primeira semana de isolamento, confesso que comi bastante. Agora, já estou maneirando novamente. Terminei de assistir a segunda temporada de “The Handmaid’s Tale” e fiquei revoltada com o final. Comecei a assistir “Arcanjo Renegado”, na Globoplay. Não achei nada de mais nos primeiros dois capítulos, mas a coisa começou a esquentar depois do terceiro. Lavei bastante louça e fiz muito carinho nos meus pets: os gatos Charlie e Pops, e o cachorro Tchaykas. Segunda-feira (23.03) foi o primeiro dia que chorei. Fique impressionada com o hospital provisório que estão construíndo no Pacaembu.

Ligia Kas, diretora de conteúdo digital

Eu saí de casa várias vezes, mas sempre protegida, uso luva cirúrgica e tenho álcool em gel comigo o tempo todo. Precisei fazer várias compras em supermercado, quitanda, farmácia. Me surpreendi ao ver as ruas muito mais vazias. Também fui visitar meus pais, que necessitam de cuidados, então saí de carro e percebi um trânsito fora do normal, poucos carros na rua. No trajeto até a a casa dos meus pais, na Zola Leste, levo em média meia hora, chegeui em 20 minutos. Dificuldade zero para estacionar. Em casa, tenho lido jornais pelo ipad, fuçado a internet e visto filmes. Vamos ver como se inicia a segunda semana. Ah, todos os dias pego um pouco de sol na varanda.

Marcela Palhão, repórter

O isolamento social aflorou minha ansiedade de uma maneira que não acontecia há muito tempo (já trato o problema há nove anos e estava em uma fase mais estável), por isso, nos primeiros dias confesso que passei por um misto de surto e incapacidade, gastando horas analisando a situação e me sentindo impotente.

Mas, ao tentar buscar coisas para tirar minha cabeça da situação, retomei um hobby que deixei de lado há muitos anos: desenhar. Nenhuma obra de arte ou dom escondido, confesso, mas focar minha atenção em algo completamente diferente tem me ajudado. Além disso, estipulamos aqui em casa um horário para orar e outro para leitura (tanto eu quanto minha mãe mergulhamos no trabalho de Elena Ferrante), acompanhamos o BBB 20 (vai, Manu!) e rimos muito com a felicidade da nossa cachorra porque estamos direto em casa.

João Victor Marques, repórter

Durante a minha primeira semana de isolamento eu demorei um pouco para entender, de fato, o que estava acontecendo ao meu redor. Foi lá pela quarta-feira que captei tudo o que estamos passando e dei um leve surtada. Com o passar dos dias, me acalmei e consegui coisas para fazer, além do trabalho, para distração no dia a dia.

Estou maratonando reality shows: já assisti a versão americana e a brasileira de “The Circle”, na Netflix, estou vendo BBB 20 e, agora, já na metade de “Next In Fashion” (estou amando!). Fora isso, tenho experimentado a casa cheia [com meus familiares] por longos dias – coisa que não acontecia desde as últimas férias de todos juntos, há 4 anos.

Evelyn Gross, estagiária

Completei uma semana de isolamento nesta sexta-feira (20.03) e digo que não é fácil evitar comer mais do que deveria ou tentar manter a sanidade mental durante esses dias dentro de casa. Mas tenho ocupado a minha mente vendo séries como “Brooklyn 99”, “Sex and The City” e “Gossip Girl (estou vendo pela terceira vez, amo!) e experimentar receitas que eu nunca tinha testado antes.”